Prevalência de sintomas osteomusculares entre professores e suas condições ergonômicas - doi: 10.5020/18061230.2012.p45

Jerônimo Costa Branco, Patrícia Haertel Giusti, Karen Jansen

Resumo


Verificar a prevalência de sintomas osteomusculares e as condições ergonômicas de professores do ensino fundamental. Métodos: Estudo quantitativo, observacional, de caráter
transversal, realizado na cidade de Pelotas-RS, Brasil, no período de novembro a dezembro de 2009. A amostra foi composta por 320 professores de seis escolas. Para realização da pesquisa, utilizou-se um questionário sócio-demográfico, um check-list para avaliação ergonômica, e o questionário nórdico para avaliar os sintomas osteomusculares. Resultados: 287 (89,7%) professores referiram algum sintoma nos últimos 12 meses. As áreas mais
acometidas foram: ombro 177 (61,6%), coluna torácica 173 (60,2%) e coluna cervical 163 (56,7%). Observou-se que a condição ergonômica do local de trabalho é considerada ruim
pelos professores. Conclusão: Encontrou-se alta prevalência de sintomas osteomusculares nos professores da zona urbana de Pelotas, cujas condições ergonômicas durante o trabalho
são insatisfatórias, destacando-se a coluna vertebral como o segmento corporal mais afetado.

Palavras-chave


Engenharia Humana; Docentes; Sistema Musculosquelético; Saúde do Trabalhador; Prevalência

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/2209

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia