Perfil de idosos submetidos à avaliação geriátrica ampla em serviço de reabilitação

Fernanda Silva Rocha, Patricia Conceição Oliveira, Giulliano Gardenghi

Resumo


Objetivo: Descrever o perfil dos idosos submetidos à avaliação geriátrica ampla em um serviço de reabilitação. Métodos: Estudo documental, retrospectivo, do tipo descritivo, realizado em um serviço de reabilitação de Goiânia, Goiás, Brasil, com pacientes idosos que foram submetidos à avaliação geriátrica ampla no período de dezembro de 2014 a dezembro de 2015. Informações sobre sexo, idade, estado civil, arranjo familiar, escolaridade, índice de massa corporal, polifarmácia, incontinência urinária e atividade física foram coletadas através de dados de prontuário e analisadas estatisticamente. Resultados: A média de idade da população foi de 70,4 anos (±7,8) onde 67,45% (n=228) dos avaliados são do sexo feminino, 50,29% (n=170) apresenta escolaridade de 1-4 anos, 44,38% (n=150) são casados, 56,21% (n=190) moram com familiares e 77,51% (n=262) são sedentários. A incontinência urinária no sexo feminino é prevalente em 49,53% (n=107), ainda que seja relevante no sexo masculino 21,81% (n=24). Fazem uso de polifarmácia 48,82% (n=165) dos avaliados, 77,51% (n=262) são sedentários e 59,17% (n=171) estão acima do peso. Conclusão: O perfil é de idosos jovens, do sexo feminino, sedentários, com baixa escolaridade, casados, que moram com familiares e apresentam sobrepeso. A maior prevalência de incontinência urinária e polifarmácia foi encontrada entre pessoas do sexo feminino.

Palavras-chave


Avaliação Geriátrica; Serviços de Saúde para Idosos; Perfil de Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Küchemann BA. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Soc Estado. 2012;27(1):165–80.

Lino VTS, Portela MC, Camacho LAB, Rodrigues NCP, Andrade MKN, O'Dwyer G. Rastreamento de problemas de idosos na atenção primária e proposta de roteiro de triagem com uma abordagem multidimensional. Cad Saúde Pública. 2016;32(7):1–12.

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI, et al. Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil: Prioridade para enfrentament e investigação. Rev Saúde Pública. 2012;46(Supl 1):126-34.

Confortin SC, Jayce I, Schneider C, Antes DL, Cembranel F, Ono LM, et al. Condições de vida e saúde de idosos : resultados do estudo de coorte EpiFloripa Idoso. Epidemiol Serv Saúde. 2017;26(2):499-510.

Marques LP, Schneider IJC, Giehl MWC, Antes DL, D’Orsi E. Demographic, health conditions and lifestyle factors associated with urinary incontinence in elderly from Florianopolis, Santa Catarina, Brazil. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(3):595-606.

Barentsen JA, Visser E, Hofstetter H, Maris AM, Dekker JH, de Bock GH. Severity, not type, is the main predictor of decreased quality of life in elderly women with urinary incontinence: a population-based study as part of a randomized controlled trial in primary care. Health Qual Life Outcomes. 2012;10(1):153.

Ramos LR, Tavares NUL, Bertoldi AD, Farias MR, Oliveira MA, Luiza VL, et al. Polypharmacy and Polymorbidity in Older Adults in Brazil: a public health challenge. Rev Saúde Pública. 2016;50(Supl 2):1-13.

Baldoni AO, Ayres LR, Martinez EZ, Dewulf NLS, Santos V, Obreli-Neto PR, et al. Pharmacoepidemiological profile and polypharmacy indicators in elderly outpatients. Brazilian J Pharm Sci. 2013;49(3):443-52.

Silva R, Schmidt O, Silva S. Polifarmácia em geriatria. Rev AMRIGS. 2012;56(2):164-74.

Souza R, Fraga JS, Gottschall CBA, Busnello FM, Rabito EI. Avaliação antropométrica em idosos: estimativas de peso e altura e concordância entre classificações de IMC. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2013;16(1):81–90.

Gillespie LD, Robertson MC, Gillespi WJ. Interventions for preventing falls in older people living in the community. Cochrane. 2012;(9).

Lima-Costa MF, Barreto SM. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicacações na área do envelhecimento. Epidemiol Serv Saúde. 2003;12(4):189-201.

Ministério da Saúde (BR). Cadernos e atenção básica envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Brucki SMD, Nitrini R, Caramelli P, Bertolucci PHF, Okamoto IH. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arq Neuropsiquiatr. 2003;61(3B):777-81.

Honório MO, Santos SMA. Incontinência urinária e envelhecimento: impacto no cotidiano e na qualidade de vida. Rev Bras Enferm. 2009;62(1):51–6.

Tribess S, Virtuoso JS Jr. Prescrição de exercícios físicos para idosos. Rev Saúde Com. 2005;1(2):163-72.

Closs VE, Ziegelmann PK, Gomes I, Schwanke CHA. Frailty and geriatric syndromes in elderly assisted in primary health care. Acta Sci Heal Sci. 2016;38(1):9-25.

Gray WK, Richardson J, McGuire J, Dewhurst F, Elder V, Weeks J, et al. Frailty Screening in Low- and Middle-Income Countries: A Systematic Review. J Am Geriatr Soc. 2016;64(4):806-23.

Lima-Costa MF, Matos DL, Camargos VP, Macinko J. Tendências em dez anos das condições de saúde de idosos brasileiros: evidências da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (1998, 2003, 2008). Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(9):3689–96.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Perfil dos estados e municípios brasileiros. Brasília: IBGE; 2014.

Pilger C, Menon MU, Mathias TAF. Utilização de serviços de saúde por idosos vivendo na comunidade. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(1):213–20.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: estudos e pesquisas. Rio de Janeiro: IBGE; 2015.

Wosiack R, Berlim CS, Santos GA. Fatores de risco e de proteção evidenciados em idosos de Ivoti-RS : intervenções psicossociais na área da Gerontologia. Rev Bras Ciênc Envelhecimento Hum. 2013;10(3):256-70.

Perseguino MG, Horta ALM, Ribeiro CA. A família frente a realidade do idoso de morar sozinho. Rev Bras Enferm. 2017;70(2):251-7.

Santos VR, Gomes IC, Santos LL, Agostinete RR, Freitas IF Júnior. Associação entre fatores de risco cardiovascular e capacidade funcional de idosos longevos. Med (Ribeirão Preto). 2013;46(1):10-6.

Trevizani GA, Benchimol-Barbosa PR, Nadal J. Efeitos da idade e da aptidão aeróbica na recuperação da frequência cardíaca em homens adultos. Arq Bras Cardiol. 2012;99(3):802-10.

Moreira RM, Teixeira RM, Novaes KO. Contribuições da atividade física na promoção da saúde , autonomia e independência de idosos. Rev Kairós. 2014;17(1):201-17.

Matsudo SM, Matsudo VKR, Barros TL Neto. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Rev Bras Med Esporte. 2001;7(1):2–13.

Marques LP, Schneider IJC, Giehl MWC, Antes DL, D’Orsi E. Demographic, health conditions, and lifestyle factors associated with urinary incontinence in elderly from Florianopolis, Santa Catarina, Brazil. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(3):595-606.

Marques SR. Tratamento fisioterapêutico na incontinência urinária em idosas. Rev Saúde Integrada. 2016;17(9):110-6.

Duarte LR, Gianinni RJ, Ferreira LR, Aparecida M, Galhardo SD. Habits of medication consumption among elderly SUS and health insurance users. Cad Saúde Coletiva. 2012;20(1):64-71.

Ribas C, Oliveira KR. Perfil dos medicamentos prescritos para idosos em uma Unidade Básica de Saúde do município de Ijuí-RS. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014;17(1):99-114.

Silveira EA, Dalastra L, Pagotto V. Polypharmacy, chronic diseases and nutritional markers in community-dwelling older. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(4):818-29.

Paludetti L, Traldi Z. A influência da massa corporal em idosos caidores e idosos não caidores. Rev Kairós Gerontol. 2014;17(4):157-73.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.p170

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia