Educação nutricional em universitários e estratégias para promoção de saúde institucional: revisão integrativa

Marina Carvalho Berbigier, Cleidilene Ramos Magalhães

Resumo


Objetivo: Refletir sobre o ambiente universitário como espaço promotor de saúde nutricional enfatizando as estratégias utilizadas. Métodos: Realizou-se uma revisão integrativa de literatura nas bases eletrônicas Scopus, MEDLINE, LILACS e SciELO utilizando os descritores: Nutrition Education, University Students, College Studens e Health Promotion. Incluiram-se os estudos publicados entre os anos de 2010 e 2015, originais, em língua portuguesa, inglesa ou espanhola, e que tivessem estratégia de intervenção nutricional em população de estudantes universitários bem definida. Dos 649 estudos revisados, após análise de títulos, resumos e texto integral, foram incluídos 18 artigos, todos realizados fora do Brasil. Resultados: Observou-se o ambiente universitário como potencial promotor de saúde no que tange ao contexto internacional, porém ainda incipiente no contexto nacional. Resultados positivos de mudança de comportamento alimentar após intervenções foram observados, embora sem avaliações a longo prazo. As principais abordagens identificadas foram intervenções práticas e teóricas com base na teoria social cognitiva e na motivacional. Conclusão: O ambiente universitário possui grande potencial para promoção de saúde nutricional e as estratégias mais efetivas foram as que apresentaram uma condução baseada na teoria social cognitiva. No entanto, esse ambiente tem sido pouco explorado em nível nacional, e, para mudar essa realidade, faz-se necessária uma ressignificação das estratégias utilizadas e das políticas públicas e ações intersetoriais que sustentem essa prática, inserindo-a na identidade social do ensino superior no Brasil.

Palavras-chave


Educação Alimentar e Nutricional; Universidades; Educação; Promoção da Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


World Health Organization. WHO guidelines approved by the Guidelines Review Committee. Geneva: WHO; 2013.

Oliveira NRCD, Paulo UFDS, Padovani RDC et al. Saúde do estudante universitário: uma questão para reflexão. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(3):995-6.

Vasconcelos MM, Coelho PC, Grande IKA. Estado nutricional, consumo alimentar e risco cardiovascular: um estudo em universitários. Nutritional status, food consumption and cardiovascular risk: a study on university students. Rev Nutr. 2009;22(6):837-46.

Neville MM, Geppert J, Min Y, Grimble G, Crawford MA, Ghebremeskel K. Dietary fat intake, body composition and blood lipids of university men and women. Nutr Health. 2012;21(3):173-85.

Greene GW, Schembre SM, White AA, Hoerr SL, Lohse B, Shoff S, et al. Identifying clusters of college students at elevated health risk based on eating and exercise behaviors and psychosocial determinants of body weight. J Am Diet Assoc. 2011;111(3):394-400.

Cooke R, Papadaki A. Nutrition label use mediates the positive relationship between nutrition knowledge and attitudes towards healthy eating with dietary quality among university students in the UK. Appetite. 2014;83:297-303.

Tavolacci MP, Grigioni S, Richard L, Meyrignac G, Dechelotte P, Ladner J. Eating disorders and associated health risks among university students. J Nutr Educ Behav. 2015;47(5):412-20.

Chourdakis M, Tzellos T, Papazisis G, Toulis K, Kouvelas D. Eating habits, health attitudes and obesity indices among medical students in northern Greece. Appetite. 2010;55(3):722-5.

El Ansari W, Stock C, Snelgrove S, Hu X, Parke S, Davies S, et al. Feeling healthy? A survey of physical and psychological wellbeing of students from seven universities in the UK. Int J Environ Res Public Health. 2011;8(5):1308-23.

Batista M Filho, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cad Saúde Pública. 2003;19(Supl 1):181-91.

Souza EBD. Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores. Cad UniFOA. 2010;5(13):49-53.

Ministério da Saúde (BR). Uma análise da situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Ministério da Saúde (BR). Vigitel Brasil 2010: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Ministério da Saúde (BR). PNAN Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Albaneide MLP. A trajetória do Programa Nacional de Alimentação Escolar no período de 2003-2010: relato do gestor nacional. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(4):909-16.

Guedes FAV, Garcia CG, Mantovani TCS, Gonçalves LC. Reflexões sobre a atuação do nutricionista no Programa Nacional de Alimentação Escolar no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(4):917-26.

Gomes JP. As escolas promotoras de saúde: uma via para promover a saúde e a educação para a saúde da comunidade escolar. Educação. 2009;32(1):84-91.

Cardoso V, Ielusc J, Reis APD, Iervolino SA. Escolas promotoras de saúde. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2008;18(2):107-15.

Loureiro I. A importância da educação alimentar: o papel das escolas promotoras de saúde. Rev Port Saúde Pública. 2004;22(2):43-55.

Rodrigues EM, Lima JFJ, Santos JP, Carvalho AE, Chagas CG, Fernandes MMN. Validação de metodologias ativas de ensino- aprendizagem na promoção da saúde alimentar infantil. Rev Nutr. 2012;25(1):79-88.

Casemiro JP. Impasses, challenges, and interfaces of food and nutrition education as a process of popular participation. Trab Educ Saúde. 2015;13(2):493-514.

Camozzi ABQ, Menezes IHCF, Silva PO. Promoção da Alimentação Saudável na Escola: realidade ou utopia? Cad Saúde Colet (Rio J).2015;23(1):32-7.

Figueiredo TAM, Abreu MMSA. A saúde na escola: um breve resgate histórico. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(2):397-402.

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes metodológicas: elaboração de revisão sistemática e metanálise de ensaios clínicos randomizados. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Carvalho RT, Yokota TFDV, Pinheiro ARO, Schmitz BAS, Coitinho DC, Rodrigues MLCF. Projeto “a escola promovendo hábitos alimentares saudáveis”: comparação de duas estratégias de educação nutricional no Distrito Federal, Brasil. Rev Nutr. 2010;23(1):37-47.

Burlandy L. A construção da política de segurança alimentar e nutricional no Brasil: estratégias e desafios para a promoção da intersetorialidade no âmbito federal de governo.(Report). Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(3):851-60.

Rodríguez RF, Palma X, Romo A, Escobar D, Aragú GB, Espinoza OL, et al. Hábitos alimentarios, actividad física y nivel socioeconómico en estudiantes universitarios de Chile. Nutrición Hospitalarial. 2013;28(2):447-55.

Fontes ACD, Vianna RPT. Prevalência e fatores associados ao baixo nível de atividade física entre estudantes universitários de uma universidade pública da região Nordeste - Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2009;12(1):20-9.

Simão AF, Precoma DB, Andrade JP, Correa H Filho, Saraiva JFK, Oliveira GMM, et al. I Diretriz Brasileira de Prevenção Cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2013;101(6 Supl 2):1-63.

Diretrizes da sociedade Brasileira de Diabetes 2014-2015. São Paulo: AC Farmacêutica; 2015.

Shahril MR. A 10-Week Multimodal Nutrition Education Intervention Improves Dietary Intake among University Students: Cluster Randomized Controlled Trial. J Nutrition Metabolism. 2013;2013:1-11.

Ministério da Saúde (BR). Plano de Ações Estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Jimenéz MJ, Margalef MI, Casermeiro MA, Gasparini SR, Guanca R, Martinez Bustos M, et al. Evaluación de intervenciones educativas en el conocimiento y opinión de la comunidad universitaria sobre alimentos funcionales. Evaluation of educational interventions in the university community's knowledge and opinion on functional foods. Diaeta. 2010;28(132):23-8.

Abbot JM. Development and evaluation of a university campus-based food safety media campaign for young adults. J Food Prot. 2012;75(6):1117-24.

Lhakhang P. A brief intervention increases fruit and vegetable intake. A comparison of two intervention sequences. Appetite. 2014;82:103-10.

Feldman C. Using student opinion and design inputs to develop an informed university foodservice menu. Appetite. 2013;69:80-8.

Hieke S, Wilczynski P. Colour Me In--an empirical study on consumer responses to the traffic light signposting system in nutrition labelling. Public Health Nutr. 2012;15(5):773-82.

Sánchez SV, Fornons FD, Aguilar MA, Vaqué CC, Villarroel MR. Evolución de los conocimientos acerca de los trastornos del comportamiento alimentario, através de una intervención educativa en estudiantes de enseñanza post- obligatoria. Nutr Clín Diet Hosp. 2015;35(1):32-41.

Becerra-Bulla F, Pinzón-Villate G, Vargas-Zárate M. Building a health promotion programme based in diet and nutrition at the Universidad Nacional de Colombia, Bogotá hacia la creación del programa universidad promotora de la salud desde la alimentación y nutrición en la universidad nacional de Colombia, sede Bogotá. Rev Fac Med (Bogotá). 2011;59(Supl 1):67-76.

Anetor GO, Ogundele BO, Oyewole OE. Effect of nutrition education on the eating habits of undergraduates in South-West, Nigeria. Asian J Epidemiology. 2012;5(2):32-41.

Higgins SJW, Lauzon LL, Yew AC, Bratseth CD, McLeod N, Marks R. Wellness 101: health education for the university student. Asian J Epidemiology. 2010;110(4):309-327.

Vijayapushpam T, Antony GM, Rao GM, Rao DR. Nutrition and health education intervention for student volunteers: topic-wise assessment of impact using a non-parametric test. Public Health Nutr. 2009;13(1):131-6.

ODonnell S, Greene GW, Blissmer B. The Effect of Goal Setting on Fruit and Vegetable Consumption and Physical Activity Level in a Web-Based Intervention. J Nutr Educ Behav. 2014;46(6):570-5.

Dour CA, Horacek TM, Schembre SM, Lohse B, Hoerr S, Kattelmann K, et al. Process evaluation of Project WebHealth: a nondieting Web-based intervention for obesity prevention in college students. J Nutr Educ Behav. 2013;45(4):288-95.

Harvey-Berino J, Pope L, Gold BC, Leonard H, Belliveau C. Undergrad and overweight: an online behavioral weight management program for college students. J Nutr Educ Behav. 2012;44(6):604-8.

Poddar KH. Dairy intake and related self-regulation improved in college students using online nutrition education. J Acad Nutr Diet. 2012;112(12):1976-86.

Pearson ES, Irwin JD, Morrow D, Battram DS, Melling CW. The CHANGE Program: comparing an interactive vs. prescriptive approach to self-management among university students with obesity. Can J Diabetes. 2013;37(1):4-11.

Poddar KH, Hosig KW, Anderson ES, Nickols-Richardson SM, Duncan SE. Web-based nutrition education intervention improves self-efficacy and self-regulation related to increased dairy intake in college students. J Am Diet Assoc. 2010;110(11):1723-7.

Ha EJ, Caine-Bish N. Interactive introductory nutrition course focusing on disease prevention increased whole-grain consumption by college students. J Nutr Educ Behav. 2011;43(4):263-7.

Silva LAS, Braga JP, Lima AM, Vieira GAF, Ramos LS, Soares MCF. O nutricionista no programa de alimentação escolar: avaliação de uma experiência de formação a partir de grupos focais. The dietician in the school food program: evaluation of a training experience based on focus groups. Rev Nutr. 2012;25(1):107-17.

Ungar N, Sieverding M, Stadnitski T. Increasing fruit and vegetable intake. "Five a day" versus "just one more". Appetite. 2013;65:200-4.

Pohlmeier A, Reed DB, Boylan M, Harpet S. Using focus groups to develop a nutrition labeling program within university food service. Fam Consum Sci Res J. 2015;40(4):431-43.

Karpinski C. Exploring the feasibility of an academic course that provides nutrition education to collegiate student-athletes. J Nutr Educ Behav. 2012;44(3):267-70.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.p264

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia