Exposição aos fatores de risco e vacinação contra hepatite B em estudantes do ensino médio da rede pública

José Marcos de Jesus Santos, Laíze Almeida dos Santos, Flávia Márcia Oliveira

Resumo


Objetivo: Determinar a frequência de estudantes do ensino médio expostos à infecção viral e a situação vacinal contra hepatite B. Métodos: Estudo observacional descritivo transversal realizado entre os anos de 2014 e 2015. Para isso, foram aplicados 1.506 questionários, que continham questões referentes às características sociodemográficas e aos principais fatores de risco de exposição ao vírus, e analisados 240 cartões de vacina em sete colégios da rede estadual de quatro municípios do estado de Sergipe. Resultados: A maioria dos participantes era do sexo feminino (987; 66%), com idade menor ou igual a 16 anos (773; 51%) e ensino fundamental como o principal nível de escolaridade dos pais (649; 43% pai; 758; 50% mãe). Os principais fatores de risco aos quais os estudantes estão expostos compreenderam o compartilhamento de materiais de manicure (656; 44%) e de escova dental (372; 24%), bem como relação sexual sem preservativo (281; 19%). Apenas 513 alunos (34%) não apresentaram nenhum fator de risco associado. Grande parte relatou possuir o cartão de vacina (1.054; 77%), mas alguns desconhecem a própria situação vacinal (430; 29%). Ao se considerar somente os cartões analisados (240), 212 registravam o esquema vacinal completo (88%). Conclusão: Os estudantes do ensino médio regular da rede pública dos municípios avaliados configuram-se como vulneráveis à hepatite B, pois foi observada elevada exposição aos fatores de risco e uma taxa de imunização abaixo da preconizada pelo Ministério da Saúde.

Palavras-chave


Hepatite B; Estudantes; Fatores de risco; Vacinação.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Lopes TGSL, Schinoni MI. Aspectos gerais da hepatite B. R Ci Med Biol [Internet]. 2011 [acesso em 2015 Jun 6];10(3):337-44. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/cmbio/article/viewFile/5899/4251

Ministério da Saúde (BR). DATASUS [Internet]. Departamento de Informática do SUS [acesso em 2015 Jun 6]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02

Kiffer CRV, Viana GB, Cheinquer H. Hepatite B: epidemiologia. In: Focaccia R. Tratado de hepatites virais. São Paulo: Atheneu; 2002. p. 127-32.

Gogos CA, Fouka KP, Nikiforidis G, Avgeridis K, Sakellaropoulos G, Bassaris H, et al. Prevalence of hepatites B and C vírus infection in the general population and selected groups in South-Western Greece. Eur J Epidemiol. 2003;18(6):51-7.

Hahné S, Ramsay M, Baloqun K, Edmunds WJ, Mortimer P. Incidence and routes of transmission of hepatitis B vírus in England and Wales, 1995-2000: implication for immunisation policy. J Clin Virol. 2004;29(4):211-220.

Amaral VC. Hepatite B: risco ocupacional. Niterói: UFF; 2005.

Porto SO, Cardoso DD, Queiróz DA, Rosa H, Andrade AL, Zicker F, et al. Prevalence and risk factors for HBV infection among street youth in Central Brazil. J Adolesc Health. 1994;15(7):1-5.

Abuassi C. Imunização em adolescentes. Rev Hosp Univers Pedro Ernesto (UERJ). 2007; 6(1):34-41.

Ministério da Saúde (BR), Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Nota informativa nº 149, de 2015/CGPNI/DEVIT/SVS/MS [Internet]. Brasília; 2015 [acesso em 2015 Jun 6]. Disponível em: http://www.cvpvacinas.com.br/pdf/nota_informativa_149.pdf

World Health Organization. Problemas de la salud de la adolescência. Informe de un comité de expertos de la OMS [Internet]. Genebra: WHO; 1965 [acesso em 2015 Jun 6]. Disponível em:http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/38485/1/WHO_TRS_308_spa.pdf.

Santos FH, Andrade VM, Bueno OFA. Neuropsicologia hoje. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2015.

Jodelet D. As representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ; 2001.

Cromack LMF, Bursztyn I, Tura LFR. O olhar do adolescente sobre saúde: um estudo de representações sociais. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(2):627-34.

Ferreira MA, Alvim NAT, Teixeira MLO, Veloso RC. Saberes de adolescentes: estilo de vida e cuidado à saúde. Texto & Contexto Enferm. 2007; 16(2):217-24.

Dahlgren G, Whitehead M. Policies and strategies to promote social equity in health. Background document to WHO –Strategy paper for Europe. Institute for Future Studies; 1991.

Meyer DEE, Mello DF, Valadão MM, Ayres JCRM. “Você aprende. A gente ensina?” Interrogando relações entre educação e saúde desde a perspectiva de vulnerabilidade. Cad Saúde Pública. 2006;22(6):1335-42.

Assis SG, Avanci JQ, Silva CMFP, Malaquias JV, Santos NC, Oliveira RVC. A representação social do ser adolescente: um passo decisivo na promoção da saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(3):669-80.

Silva MLA, Taquette SR, Coutinho ESF. Sentidos da imagem corporal de adolescentes no ensino fundamental. Rev Saúde Pública. 2014;48(3):438-44.

Pavan C, Simonato P, Marini M, Mazzoleni F, Pavan L, Vindigni V. Psychopathologic aspects of body dysmorphic disorder: a literature review. Aesthetic Plast Surg. 2008;32(3):473-84.

Williams IT, Perz JF, Bell BP. Viral hepatitis transmission in ambulatory health care settings. Clin Infectious Dis. 2004;38(11):1592-1598.

Melo FCA, Isolani AP. Hepatite B e C: do risco de contaminação por materiais de manicure/pedicure à prevenção. SaBios.2011;6(2):72-8.

Oliveira FM, Alves AS, Santos LA, Santana TLS, Silva GM, Kameo SY. Adesão às medidas de biossegurança relacionada à hepatite B por manicures. Ensaios Ciências. 2014;18(2):83-90.

Johnson IL, Dwyer JJ, Rusen ID, Shanin R, Yaffe B. Survey of infection control: procedures at manicure and pedicure establishments in North York. Can J Public Health. 2001;92(2):134-7.

Hepworth J, Murtagh M. Correct procedures and cutting corners: a qualitative study of women´s occupational health and safety in a beauty therapy industry. Aust New Zealand J Public Health. 2005;29(6):555-7.

Mariano A, Mele A, Tosti ME, Parlato A, Gallo G, Ragni P, et al. Role of beauty treatment in the spread of parenterally transmitted hepatitis viruses in Italy. J Med Virol. 2004;74(2):216-20.

Paiva V, Calazans G, Venturi G, Dias R. Idade e uso de preservativos na iniciação sexual de adolescentes brasileiros. Rev Saúde Pública. 2008;42(Supl 1):45-53.

Almeida MC, Aquino EM, Gaffikin L, Magnani RJ. Contraceptive use among adolescents at public schools in Brazil. Rev Saúde Pública. 2003;37(5):566-75.

Cruzeiro ALS, Souza LDM, Silva RA, Pinheiro RT, Rocha CLA, Horta BL. Comportamento sexual de risco: fatores associados ao número de parceiros sexuais e ao uso de preservativo em adolescentes. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(Supl 1):1149-58.

Duarte SJH, Urel DR, Zorman IBS, Alexandre MG, Ravagnani CFC. A prática de autocuidado à saúde na perspectiva dos adolescentes. Rev Enferm UFPE. 2014;8(5):1290-9.

Araújo TME, Carvalho AMC, Monteiro RM. Análise da vulnerabilidade dos adolescentes à hepatite B em Teresina/PI. Rev Eletrônica Enferm. 2012;14(4):873-82.

Malta DC, Silva MAI, Mello FCM, Monteiro RA, Porto DL, Sardinha LMV, et al. Saúde sexual dos adolescentes segundo a Pesquisa Nacional de Saúde dos Escolares. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(1):147-56.

Alves AS, Lopes MHBM. Conhecimento, atitude e prática do uso de pílula e preservativo entre adolescentes universitários. Rev Bras Enferm. 2008;61(1):11-7.

Visser R, Smith A. Relationship between sexual partners influences rates and correlates of condom use. AIDS Educ. 2001;13(5):413-27.

Vieira MAS, Guimarães BEM, Barbosa MA, Turchi MD, Alves MFC, Seixas MSC, et al. Fatores associados ao uso do preservativo em adolescentes do Gênero feminino no município de Goiânia. J Bras Doenças Sex Transm. 2004;16(3):77-83.

Borges ALV, Schor N. Início da vida sexual na adolescência e relações de gênero: um estudo transversal em São Paulo, Brasil, 2002. Cad Saúde Pública. 2005;21(2):499-507.

Schmidt M, Middleman AB. The importance of hepatitis B vaccination among adolescents. J Adolesc Health. 2001;29(3):217-22.

Livramento A, Cordova CMM, Spada C, Treitinger A. Avaliação do nível de conhecimento de adolescentes a respeito da transmissão e prevenção das hepatites C. Rev Patol Trop. 2009;38(3): 155-63.

Oliveira ACDS, Focaccia R. Survey of hepatitis B and C infection control: procedures at manicure and pedicure facilities in São Paulo, Brazil. Braz J Infect Dis. 2010;14(5):502-7.

Hellard M, Aitken C, Mackintosh A, Ridge, Bowden S. Investigation of infection control practices and knowledge of hepatitis C among body-piercing practitioners. Am J Infection Control. 2003;31(4):215-20.

Araújo TME, Sá LC, Silva AAS, Costa JP. Cobertura vacinal e fatores relacionados à vacinação dos adolescentes residentes na área norte de Teresina/PI. Rev Eletrônica Enferm [Internet]. 2010;12(3):502-10.

Borges ALV, Nichiata LYI, Schor N. Conversando sobre sexo: a rede sociofamiliar como base de promoção da saúde sexual e reprodutiva de adolescentes. Rev Latinoam Enferm. 2006;14(3):422-7.

Melo MCP, Santos MM, Mendes RNC, Sales JRP, Silva RM. Percepção de adolescentes sobre imunização em uma escola pública de Petrolina – PE. REME Rev Min Enferm. 2013;17(2):374-80.

Rodrigues IC, Fioravante IO, Kubota RMM, Furtil AP, Justino STS, Santos MR. Vacinação de escolares: estimulando o autocuidado e a responsabilização. Arq Ciênc Saúde. 2011;18(4):170-5.

Francisco PMSB, Donalisio MR, Gabriel FJO, Barros MBA. Vacinação contra hepatite B em adolescentes residentes em Campinas, São Paulo, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(3):552-67.

Oliveira MDS, Paggoto V, Matos MAM, Kozlowski AG, Silva NR, Junqueira ALN, et al. Análise de fatores associados à não aceitação da vacina contra hepatite B em adolescentes escolares de baixa renda. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(5):1247- 52.

Carvalho AMC, Araújo TME. Fatores associados à cobertura vacinal em adolescentes. Acta Paul Enferm. 2010; 23(6):796-802.

Organizacións Panamericana de la Salud. Oportunidades perdidas de vacunación em las Américas: diagnóstico y intervenciones, 1988-1990 [Boletim informativo]. PAI. 1991;13(3).

Coutinho MFG. Adolescência: vacina contra hepatite B. Adolec Saúde. 2010;7(1):23-30.

Gomes CM, Horta NC. Promoção da saúde do adolescente em âmbito escolar. Rev APS. 2010;13(4):486-99.

Bub MBC, Medrano C, Silva CD, Wink S, Per-Erik L, Santos EKA. A noção de cuidado de si mesmo e o conceito de autocuidado na enfermagem. Texto & Contexto Enferm. 2006;15(Esp):152-7.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.p195

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia