O enfrentamento à violência no âmbito da estratégia saúde da família: desafios para a atenção em saúde

Milena da Silva Santos, Juliana Guimarães e Silva, July Grassiely de Oliveira Branco

Resumo


Objetivo: Compreender os desafios enfrentados pelos profissionais da Estratégia Saúde da Familia (ESF) no desenvolvimento da assistência à saúde em áreas vulneráveis à violência. Métodos: Estudo descritivo com abordagem qualitativa, do qual participaram dez profissionais da ESF no município de Aracati, Ceará, Brasil. As informações foram coletadas em março de 2016, por meio de entrevistas semiestruturadas. Após organização e codificação dos dados, seguiu-se a etapa da análise de conteúdo, evidenciando os seguintes fragmentos: Percepções sobre o fenômeno violência; Cuidado em saúde em território de risco; O medo e a resiliência no desenvolvimento da atenção; e Limitações assistenciais e estratégias de enfrentamento à violência. Resultados: O desempenho da assistência à saúde em situações de violência envolve questões de ordem social, físicas e psicológicas. As drogas, o tráfico, a criminalidade, as disputas pelo poder, o tiroteio e a morte permearam o cotidiano dos usuários e dos profissionais da ESF. Entre as principais limitações do cuidado em saúde destacam-se a insegurança e o medo no desempenho do cuidado e as dificuldades de acesso aos domicílios por estarem em área de risco. Conclusão: O desempenho da assistência em áreas vulneráveis à violência representa a exposição dos profissionais a situações adversas, havendo necessidade de resiliência diante das adversidades e, sobretudo, do apoio de gestores e autoridades públicas para que estes possam desenvolver estratégias que facilitem a assistência aos usuários da Atenção Primária inseridos em áreas permeadas pela violência.

Palavras-chave


Assistência à Saúde; Atenção Primária à Saúde; Violência.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Minayo MCS, Souza ER. Violência sob o olhar da saúde: a infrapolítica da contemporaneidade brasileira. 2ª ed. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2011.

Larsen DA, Lane S, Jennings-Bey T, Haygood-El A, Brundage K, Rubinstein RA. Spatio-temporal patterns of gun violence in Syracuse, New York 2009-2015. PLoS One. 2017;12(3):1-10.

Polaro SHI, Gonçalves LHT, Alvarez AM. Enfermeiras desafiando a violência no âmbito de atuação da Estratégia de Saúde da Família. Texto & Contexto Enferm. 2013;22(4):935-42.

Mikton CR, Tanaka M, Tomlinson M, Streiner DL, Tonmyr L, Lee BX, et al. Global research priorities for interpersonal violence prevention: a modified Delphi study. Bull World Health Organ. 201795(1):36-48.

Lopes CS, Moraes CL, Junger WL, Werneck GL, Ponce de Leon AC, Faerstein E. Direct and indirect exposure to violence and psychological distress among civil servants in Rio de Janeiro, Brazil: a prospective cohort study. BMC Psychiatry. 2015;15(109):1-9.

Machado CB, Daher DV, Machado CB, Daher DV. Violência urbana: repercussões e consequências na assistência à saúde em uma Unidade de Saúde da Família. Ciênc Cuid Saúde. 2016;14(4):1445-52.

Moura LBA, Oliveira C, Vasconcelos AMN. Violências e juventude em um território da Área Metropolitana de Brasília, Brasil: uma abordagem socioespacial. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(11):3395-405.

Ribeiro WS, Mari JJ, Quintana MI, Dewey ME, Evans-Lacko S, Vilete LM, et al. The impact of epidemic violence on the prevalence of psychiatric disorders in Sao Paulo and Rio de Janeiro, Brazil. PLoS One. 2013;8(5):63545.

Fowler KA, Dahlberg LL, Haileyesus T, Annest JL. Firearm injuries in the United States. Prev Med. 2015;79:5-14.

Waiselfisz JJ. Mapa da violência 2016: homicídios por arma de fogo. Rio de Janeiro: FLACSO/CEBELA; 2016.

Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN. Dados epidemiológicos. Aracati: Secretaria Municipal de Saúde; 2016.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª ed.. São Paulo: Hucitec, Abrasco; 2010.

Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB. Equipes Unidades Básicas de Saúde da Família. Aracati: Secretaria Municipal de Saúde; 2016.

Brasil. Resolução CNS nº 466/12 Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos [acesso em 2016 Mar 2]. 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Clínica ampliada e compartilhada. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Minayo MCS. Conceitos e tipologias de violência: a violência faz mal à saúde. In: Najine K, Assis SG, Constantino P. Impactos da violência na saúde. 2ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2009. p. 21-42.

Bellis MA, Lowey H, Leckenby N, Hughes K, Harrison D. Adverse childhood experiences: Retrospective study to determine their impact on adult health behaviours and health outcomes in a UK population. J Public Health (Oxf). 2014;36(1):81–91.

Danese A, McEwen BS. Adverse childhood experiences, allostasis, allostatic load, and age related disease. Physiol Behav. 2012;106(1):29-39.

Ferreira VP, Silva MA, Noronha C Neto, Falbo GH Neto, Chaves CV, Bello RP. Prevalência e fatores associados à violência sofrida em mulheres encarceradas por tráfico de drogas no Estado de Pernambuco, Brasil: um estudo transversal. Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(7):2255-64.

Costa JV, Piber LD. Compreensões do fenômeno violência: A voz dos profissionais da atenção básica em saúde do Bairro Nova. Anais Congresso Estadual de Teologia. 2016; 1(1):458-466.

Fontes KB, Santana RG, Pelloso SM, Carvalho MDB. Fatores associados ao assédio moral no ambiente laboral do enfermeiro. Rev Latinoam Enferm. 2013; 21(3):758-64.

Vasconcelos SC, Souza SL, Sougey EB, Ribeiro ECO, Nascimento JJC, Formiga MB, et al. Nursing staff members mental’s health and factors associated with the work process: an integrative Review. Clin Pract Epidemiol Ment Health.2016;12:167-76.

Vasconcellos IRR, Abreu AMM, Maia EL. Violência ocupacional sofrida pelos profissionais de enfermagem do serviço de pronto atendimento hospitalar. Rev Gaúch Enferm. 2012;33(2):167-75.

Silva LO L, Dias CA, Soares MM, Rodrigues, SM. Acessibilidade ao serviço de saúde: percepções de usuários e profissionais de saúde. Cogitare Enferm. 2011;16(4):654-60.

Leão LO, Dias CA, Soares MM, Rodrigues SM. Acessibilidade ao serviço de saúde: percepções de usuários e profissionais de saúde. Cogitare Enferm. 2011;16(4):654-60.

Lisboa MTL, Vasconcellos IRR, Griep RH, Araújo CM. Riscos ocupacionais em um serviço de visita domiciliar. Anais ABEn. 2013;1(1):1120-2.

Kebian LVA, Acioli S. A visita domiciliar de enfermeiros e agentes comunitários de saúde da Estratégia Saúde da Família. Rev Eletrônica Enferm. 2014;16(1):161-9.

Vilela SDC, Carvalho AMP, Pedrão LJ. Relação interpessoal como forma de cuidado em enfermagem nas estratégias de saúde da família. Rev Enferm UERJ. 2014;22(1):96-102.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (Viva): 2009, 2010 e 2011. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.p229

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia