Conhecimento de puérperas sobre amamentação e introdução alimentar

Juliana de Brito de Souza Rosa, Susana Elena Delgado

Resumo


Objetivo: Verificar o conhecimento materno sobre amamentação e introdução alimentar e identificar as dificuldades de aleitamento no alojamento conjunto de um hospital universitário. Métodos: Estudo quantitativo, observacional e transversal, realizado em 2016, em Canoas, Rio Grande do Sul, com amostra de 40 binômios mãe-bebê internados em alojamento conjunto de um hospital universitário. Utilizou-se protocolo adaptado do Fundo das Nações Unidas para a Infância para avaliar os comportamentos favoráveis e desfavoráveis durante a amamentação por meio de entrevista contendo: dados sociodemográficos; tipo de parto; idade gestacional e peso do bebê; conhecimento sobre amamentação exclusiva e seus benefícios; idade da introdução alimentar e tipos de alimento. Utilizou-se estatística descritiva e associação entre as variáveis. Resultados: A frequência de dificuldades na amamentação variou entre 5% e 45% conforme o aspecto avaliado. As escoriações do tecido mamário associaram-se com bebê que não mantém a pega, sucções rápidas com estalidos e lábio inferior virado para dentro (p<0,05) na amamentação. Sobre o conhecimento, 65% (n=26) desconheciam os benefícios da amamentação para a mãe, 88% (n=35) citaram o crescimento e 75% (30), a imunidade e o vínculo como benefícios para o filho; 45% (n=18) não sabiam definir aleitamento exclusivo e 95% (n=18) citaram que a introdução da alimentação complementar deveria ocorrer após os 6 meses. Conclusão: As mães investigadas possuem conhecimento limitado sobre amamentação, desconhecem os benefícios para a saúde da mulher, porém citaram benefícios em relação aos filhos. Observaram-se aspectos desfavoráveis no momento da amamentação.

Palavras-chave


Alojamento Conjunto; Aleitamento Materno; Nutrição da Criança.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Medeiros AMC, Batista BG, Barreto IDC. Breastfeeding and speech-language pathology: knowledge and acceptance of nursing mothers of a maternity. Audiol Commun Rev. 2015;20(3):183-90.

Marques MCF, Melo AM. Amamentação no alojamento conjunto. Rev Cefac. 2008;10(2):261-71.

Silva MA, Farias MCAD, Sousa AKA, Abreu RMSX. Atuação da enfermagem em alojamento conjunto: percepção de puérperas. REBES. 2015;5(2):35-44.

Jesus ALBC. Influências dos fatores maternos e práticas de aleitamento materno no ingurgitamento mamário [dissertação]. Coimbra: Escola Superior de Enfermagem; 2013.

Carvalhães MABL, Corrêa CRH. Identificação de dificuldades no inicio do aleitamento materno mediante aplicação de protocolo. J Pediatr. 2003;79(1):13-20.

Azevedo ARR, Alves VH, Souza RMP, Rodrigues DP, Branco MBLR, Cruz AFN. O manejo clínico da amamentação: saberes dos enfermeiros. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2015;19(3):439-45.

Corrêa EN, Corso ACT, Moreira EAM, Kazapi IA. Alimentação complementar e características maternas de crianças menores de dois anos de idade em Florianópolis (SC). Rev Paul Pediatr. 2009;27(3):258-64.

Ministério da Saúde (BR). Dez passos para alimentação saudável. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013 [acesso em 2017 abr 4]. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/images/arquivos/dez_passos_alimentacao_saudavel_guia.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde 2013: ciclos de vida. Brasil e grandes regiões. Rio de Janeiro: IBGE; 2015.

Rodrigues AP, Padoin SMM, Guido LA, Lopes LFD. Fatores do pré-natal e puerpério que interferem na autoeficácia em amamentação. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014;18(2):251-67.

Santana JM, Brito SM, Santos DB. Amamentação: conhecimento e prática de gestantes. Mundo Saúde. 2013;37(3):259-67.

Brasil. Portaria nº 1.067, de 4 de julho de 2005. Polítca Nacional de atenção à Saúde Obstétrica e Neonatal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2005.

Escarce AG, Araújo NG, Friche AAL, Motta AR. Influência da orientação sobre aleitamento materno no comportamento das usuárias de um hospital universitário. Rev Cefac. 2013;15(6):1570-82.

Leite RFB, Muniz MCMC, Andrade ISN. Conhecimento materno sobre Fonoaudiologia e amamentação em alojamento conjunto. Rev Bras Promoç Saúde. 2009;22(1):36-40.

Martins RMC, Montrone AVG. Implementação da Iniciativa Unidade Básica Amiga da Amamentação: educação continuada e prática profissional. Rev Eletrônica Enferm. 2009;11(3):545-53.

Demitto MO, Silva TC, Páschoa ARZ, Mathias TAF, Bercini LO. Orientações sobre amamentação na assistência pré-natal: uma revisão integrativa. Rev Rene. 2010;11:223-9.

Carvalho ACO, Saraiva ARB, Gonçalves GAA, Soares JR, Pinto SL. Aleitamento materno: promovendo o cuidar no alojamento conjunto. Rev Rene. 2013;14(2):241-51.

Benabou S, Duran ECM, Vale IN. Avaliação da técnica de amamentação em alojamento conjunto de um hospital universitário. Rev Enferm UFPE. 2012;6(11):2735-43.

Schincaglia RM, Oliveira AC, Sousa LM, Martins KA. Práticas alimentares e fatores associados à introdução precoce da alimentação complementar em crianças menores de 6 meses na região noroeste de Goiânia. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(3):465-74.

Amaral LJX, Sales SS, Carvalho DPSGP, Cruz GKP, Azevedo IS, Ferreira MA Júnior. Fatores que influenciam na interrupção do aleitamento materno exclusivo em nutrizes. Rev Gaúch Enferm. 2015; 35(Esp):127-34.

Frota MA, Mamede ALS, Vieira LJES, Albuquerque CM, Martins MC. Práticas culturais sobre aleitamento materno entre famílias cadastradas em um programa de Saúde da Família. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(4):895-901.

Xavier BS, Nobre RG, Azevedo DV. Amamentação: conhecimento e experiência de gestantes. Nutrire. 2015;40(3):270-7.

Melo MCP, Luna ICF, Gomes AIR, Bastos LDM, Bringel NMM. Aleitamento materno e suas particularidades: uma abordagem teórico-prática sobre o tema. Enciclopédia Biosfera. 2010;6(11):1-11.

Vendruscolo JF, Bolzan GM, Crestani AH, Souza APR, Moraes AB. A relação entre aleitamento materno e transição alimentar e os indicadores de risco para o desenvolvimento infantil. Disturb Comun. 2012;24(1):41-52.

Cunha LEO, Soares AED, Costa GA, Lessa NMV. As desvantagens da introdução alimentar precoce e/ou tardia de alimentos complementares. In: Anais do 3° Congresso de Ciências da Saúde, 12° Semana de iniciação Científia e 3° Semana de Extensão; Coronel Fabriciano. Minas Gerais: UNILESTE/MG; 2011.

Toloni MHA, Silva GL, Goulart RMM, Taddei JAAC. Alimentação nos primeiros anos de vida: o advento dos alimentos industrializados. Pediatr Mod. 2014;50(4):155-61.

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmitd MI, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública. 2012;46(Supl 1):126-34.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.6199

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia