Estado nutricional e fatores associados em idosos: evidências com base em inquérito telefônico

Celia Cristina Diogo Ferreira, Gina Torres Rego Monteiro, Taynãna César Simões

Resumo


Objetivo: Avaliar o estado nutricional e fatores associados em idosos. Métodos: Trata-se de um estudo transversal, realizado entre junho e outubro de 2016, com 720 idosos. Utilizaram-se informações demográficas, socioeconômicas, comportamentais e de estado de saúde, de indivíduos com idade maior ou igual a 60 anos, provenientes do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por inquérito telefônico (VIGITEL), no ano de 2013. Foram ajustadas as medidas de associação para sobrepeso e obesidade, de acordo com variáveis estudadas, segundo modelo logístico binomial. Resultados: A maioria dos participantes era do sexo feminino (59,7%, n=430), com escolaridade até o ensino fundamental (70,5%, n=508) e não trabalhavam (75,2%, n=541). A prevalência de excesso de peso e de obesidade nos idosos foi de 57,5% (n=414) e 19,9% (n=143), respectivamente. Substituíam refeições principais por lanche (cinco ou mais vezes na semana) 33,8% (n=243) dos idosos. Referiram pressão alta 62,8% (n=452) dos idosos, 21,2% (n=153) eram diabéticos, 35,4% (n=255) apresentavam colesterol alto e 35,4% (n=255) tinham dislipidemia. Ser hipertenso e ter dislipidemia aumentavam a chance de ter excesso de peso. O aumento da idade diminuiu a chance de ter excesso de peso. A obesidade foi positivamente associada à hipertensão arterial, à dislipidemia e ao sexo feminino. Conclusão: Observou-se alto percentual de excesso de peso e obesidade, sendo os idosos com pressão alta, dislipidemia e hábito de substituir as refeições principais por lanche os com maiores chances de apresentar excesso de peso e obesidade.

Palavras-chave


Sobrepeso; Obesidade; Idosos; Inquéritos Epidemiológicos.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Closs VE, Schwanke CHA. A evolução do índice de envelhecimento no Brasil, nas suas regiões e unidades federativas no período de 1970 a 2010. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2012;15(3):443-58.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo de 2010 [acesso em 2016 Jan 10]. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/

Bezerra FC, Almeida MI, Nóbrega-Therrien SM. estudos sobre envelhecimento no brasil: revisão bibliográfica. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., 2012;15(1):155-67.

Silva JVF, Silva EC, Rodrigues PARA, Miyazawa AP. A relação entre o envelhecimento populacional e as doenças crônicas não transmissíveis: sério desafio de saúde pública. Cadernos Graduação Ciênc Biol Saúde. 2015;2(3):91-100.

Venturini CD, Engroff P, Sgnaolin V, El Kik RM, Morrone FB, Silva IG Filho, De Carli GA. Consumo de nutrientes em idosos residentes em Porto Alegre (RS), Brasil: um estudo de base populacional. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(12):3701-11.

Ferreira SAD. Potencialidade dos inquéritos em saúde: uma contribuição para a epidemiologia nutricional [tese]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2011.

Mássimo EAL, Souza HNF, Freitas MIF. Doenças crônicas não transmissíveis, risco e promoção da saúde: construções sociais de participantes do Vigitel. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(3):679-88.

Malta DC, Iser BPM, Claro RM, Moura L, Bernal RTI, Nascimento AF, et al. Prevalência de fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis em adultos: estudo transversal, Brasil, 2011. Epidemiol Serv Saúde. 2013;22(3):423-34.

Ministério da Saúde (BR). VIGITEL – Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal em 2013. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Ainsworth BE, Haskell WL, Herrmann SD, Meckes N, Bassett DR Jr, Tudor-Locke C, et al. Compendium of physical activity: second update of codes and MET values. Med Sci Sports Exerc. 2011;43(8):1575-81.

Rao JNK, Scott AJ. On chi-squared tests for multiway contingency-tables with cell proportions estimated from survey data. Ann Stat. 1984;12:46-60.

Francisco PMSB, Donalisio MR, Barros MBA, Cesar CLG, Carandina L, Goldbaum M. Medidas de associação em estudo transversal com delineamento complexo: razão de chances e razão de prevalência. Rev Bras Epidemiol. 2008;11(3):347-55.

Dobson AJ. An introduction to generalized linear models. 2nd ed. London: Chapman and Hall/CRC; 2001.

R Development Core Team. R: A language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing; 2010 [acesso em 2017 Mar 5]. Disponível em: http://www.R-project.org

Costa CS, Schneider BC, Cesar JA. Obesidade geral e abdominal em idosos do Sul do Brasil: resultados do estudo COMO VAI? Ciênc Saúde Colet. 2016;21(11):3585-96.

Venturini CD, Engroff P, Gomes I, De Carli GA. Prevalência de obesidade associada à ingestão calórica, glicemia e perfil lipídico em uma amostra populacional de idosos do Sul do Brasil. Rev Bras Geriatr Gerontol, 2013;16(3):591-601.

Pereira IFS, Spyrides MHC, Andrade LMB. Estado nutricional de idosos no Brasil: uma abordagem multinível. Cad Saúde Pública, 2016;32(5):e001788142016.

Ferreira PM, Rosado GP. Perfil de usuários e percepção sobre a qualidade do atendimento nutricional em um programa de saúde para a terceira idade. Rev Bras Geriatr Gerontol., 2012;15(2):243-54.

Santos RR, Bicalho MAC, Mota P, Oliveira DR, Moraes EN. Obesidade em idosos. Rev Med Minas Gerais. 2013;23(1):62-71.

Matsudo SM, Matsudo VKR, Barros TL Neto. Impacto do envelhecimento nas variáveis antropométricas, neuromotoras e metabólicas da aptidão física. Rev Bras Ciênc Mov. 2000;8(4):21-32.

Almeida RSV, Melo TGC, Pereira IFM, Cabido CET. Treinamento de força e desempenho do sistema neuromuscular em idosos. e-Scientia. 2014;7(1):16-26.

Pimenta FB, Pinho L, Silveira MF, Botelho ACC. Fatores associados a doenças crônicas em idosos atendidos pela Estratégia de Saúde da Família. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(8):2489-98.

Menezes TN, Sousa NDS, Moreira AS, Pedraza DF. Diabetes mellitus referido e fatores associados em idosos residentes em Campina Grande, Paraíba. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014; 17(4):829-83.

Freitas MC, Ceschini L, Ramallo BT. Resistência à insulina associado à obesidade: efeitos anti-inflamatórios do exercício físico. Rev Bras Ciênc Mov. 2014;22(3):139-47.

Garcez MR, Pereira JL, Fontanelli MM, Marchioni DML, Fisberg RM. Prevalência de dislipidemia segundo estado nutricional em amostra representativa de São Paulo. Arq Bras Cardiol. 2014;103(6):476-84.

Mártires MAR, Costa MAM, Santos CSV. Obesidade em idosos com hipertensão arterial sistémica. Texto & Contexto Enferm. 2013;22(3):797-803.

Selem SSC, Castro MA, César CLG, Marchioni DML, Fisberg RM. Validade da hipertensão autorreferida associa-se inversamente com escolaridade em brasileiros. Arq Bras Cardiol. 2012;100(1):52-9.

Oliveira JG Neto, Carvalho DA, Sá GGM, Monteiro MM, Lopes KDCL, Martins MCC. Pressão arterial e perfil socioeconômico de idosos atendidos na Estratégia Saúde da Família de Floriano-PI. Rev Saúde Pública. 2014;7(2):17-28.

Machado RHV, Feferbaum R, Leone C. Consumo de frutas no Brasil e prevalência de obesidade. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2016;26(2):243-52.

Malta DC, Bernal RTI, Nunes ML, Oliveira MM, Iser BPM, Andrade SSCA, et al. Prevalência de fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis em adultos: estudo transversal, Brasil 2012. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(4):609-22.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Arruda AP, Hotamisligil GS. calcium homeostasis and organelle function in the pathogenesis of obesity and diabetes. Cellular Metabolism. 2015;22(3):381-97.

Deon RG, Rosab RD, Zanardoc VPS, Clossd VE, Schwanke CHA. Consumo de alimentos dos grupos que compõem a pirâmide alimentar americana por idosos brasileiros: uma revisão. Ciênc Saúde Colet. 2015;8(1):26-34.

Gadenz SD, Benvegnú LA. Hábitos alimentares na prevenção de doenças cardiovasculares e fatores associados em idosos hipertensos. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(12):3523-33.

Sarno F, Claro RM, Levy RB, Bandoni DH, Ferreira SRG, Monteiro CA. Estimativa de consumo de sódio pela população brasileira, 2008-2009. Rev Saúde Pública. 2013;47(3):571-8.

Lima-Costa MF, Barreto SM. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiol Serv Saúde. 2003;12(4):189-201.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.6279

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia