Programa mais médicos: uma revisão integrativa

Ana Caroline Pereira Martins, Paulo Afrânio Sant’anna, Jucimere Fagundes Durães Rocha, Maria Aparecida Vieira

Resumo


Objetivo: Descrever o conhecimento produzido na literatura acerca da criação do Programa Mais Médicos e sua repercussão no Brasil. Métodos: Revisão integrativa, realizada no período de 2013 a 2016, nas bases de dados: Scientific Electronic Library Online (SciELO), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e na Coleciona SUS, utilizando-se os descritores: programa, médicos, atenção primária, atenção básica, saúde. Resultados: Foram selecionadas 21 publicações que atenderam aos critérios de inclusão, mas encontravam-se em periódicos com estratos intermediários e apresentaram baixo nível de evidência. Os principais resultados se referem à criação do Programa Mais Médicos (PMM) e sua repercussão na classe médica, na população e na mídia. O PMM foi criado tendo como objetivo ampliar o acesso e atenuar as desigualdades em saúde através da distribuição de médicos em municípios considerados prioritários, ocasionou grande repercussão no Brasil, com posicionamentos diversos entre os órgãos governamentais, usuários, mídia e, em especial, entre a classe médica brasileira. Conclusão: Diminuir as desigualdades de alocação de médicos, no entanto, é uma ação difícil e que exige ações em longo prazo. Soma-se a necessidade de implantar estratégias como melhoraria de infraestrutura, melhor distribuição de insumos e equipamentos, apoio logístico e rede de atenção à saúde resolutiva, eficiente e eficaz em todos os níveis de atenção.

Palavras-chave


Programas Nacionais de Saúde; Médicos; Atenção Primária à Saúde; Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Campos FE, Machado MH, Girardi SN. A fixação de profissionais de saúde em regiões de necessidades. Divulg Saúde Debate. 2009;(44):13-24.

Scheffer M. Programa Mais Médicos: em busca de respostas satisfatórias. Interface Comun Saúde Educ. 2015;19(54):637-40.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde. Pacto Nacional pela Saúde: mais hospitais e unidades de saúde, mais médicos e mais formação. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Marciel R Filho. Estratégias para a distribuição e fixação de médicos em Sistemas Nacionais de Saúde: o caso brasileiro [tese]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2007.

Brasil. Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e no 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 out. 2013. Seção 1.

Oliveira JPA, Sanchez MN, Santos LMP. The Mais Médicos (More Doctors) Program: the placement of physicians in priority municipalities in Brazil from 2013 to 2014. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(9):2719-27.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enferm. 2008;17(4):758-64.

Erdmann AL, Marziale MHP, Pedreira MLG, Lana FCF, Pagliuca LMF, Padilha MI, et al. A avaliação de periódicos científicos qualis e a produção brasileira de artigos da área de enfermagem. Revista Latinoam Enferm. 2009;17(3):403-9.

Koller SH. Manual de produção científica. Porto Alegre: Penso; 2014.

Pinto AC, Andrade JB. Fator de impacto de revistas científicas: qual o significado deste parâmetro? Quím Nova. 1999; 22(3):448-53.

Marques F. Para ampliar o impacto. Pesqui Fapesp. 2015;259:32-5.

Melnyk BM, Fineout-Overholt E. Evidence-based practice in nursing & healthcare: a guide to best practice. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2005.

Santos MAM, Souza EG, Cardoso JC. Avaliação da qualidade da estratégia saúde da família e do programa mais médicos na área rural de Porto Velho, Rondônia. Rev Eletr Gestão Sociedade. 2016;10(26):1327-46.

Vargas AFM, Campos MM, Vargas DS. O risco dos extremos: uma análise da implantação do programa mais médicos em um contexto de volatilidade orçamentária. Rev Eletr Gestão Sociedade. 2016;10(26):1313-26.

Silva AG Junior, Andrade HS, Alexandre GC, Alves MGM, Costa BR. Oferta de vagas de graduação e residência médicas no estado do rio de janeiro a partir do programa mais médicos (2013-2015). Rev Eletr Gestão Sociedade. 2016;10(26):1347-59.

Alencar APA, Xavier SPL , Laurentino PAS, Lira PF, Nascimento VB, Carneiro N, et al. Impacto do Programa Mais Médicos na atenção básica de um município do sertão central nordestino. Rev Eletr Gestão Sociedade. 2016;10(26):1290-301.

Melo CF, Baião DC, Costa MC. A percepção dos usuários cearenses sobre o programa mais médicos. Rev Eletr Gestão Sociedade. 2016;10(26):1302-12.

Macedo AS, Alcântara VC, Andrade LFS, Ferreira PA. O papel dos atores na formulação e implementação de políticas públicas: dinâmicas, conflitos e interesses no Programa Mais Médicos. Cadernos EBAPE.BR. 2016;14(Esp):596-618.

Bertão IR. A atuação de um médico do Programa Mais Médicos para o Brasil e a mudança processo de trabalho da equipe de Estratégia de Saúde da Família. Tempus (Brasília). 2015;9(4):217-24.

Rodrigues CCP, Quaresma MSM, Monteiro RC. Educação em saúde no Programa Mais Médicos para o Brasil: o papel do supervisor no processo educacional. Tempus (Brasília). 2015;9(4):151-8.

Rodrigues KMA. O Programa Mais Médicos do Governo Federal: um aporte pedagógico na saúde para a construção da cidadania. Tempus (Brasília). 2015;9(4):35-47.

Souza BPA, Paulette AC. Projeto Mais Médicos para o Brasil em Pernambuco: uma abordagem inicial. Tempus (Brasília). 2015; 9(4):11-34.

Lima RCGS, Garcia CAS, Kerkoski E, Chesani FH. Programa Mais Médicos no Estado de Santa Catarina: breve relato de experiências iniciais. Tempus (Brasília). 2015;9(4):67-80.

Silva RJO, Sousa D. O Programa Mais Médico na Perspectiva dos Atores Sociais Responsáveis por sua Implantação e dos Beneficiários no Município de Boqueirão, PB. Rev Administração Contabilidade Sustentabilidade. 2015;5(3):59-75.

Molina J, Suárez J, Cannon LRC, Oliveira G, Fortunato MA. O Programa Mais Médicos e as Redes de Atenção à Saúde no Brasil. Divulg Saúde Debate. 2014;(52):190-201.

Landim IC. Um estudo sobre a relação entre a democracia digital e a participação política a partir do debate sobre o Programa Mais Médicos no Facebook. Rev Mídia Cotidiano. 2013;3(3):533-61.

Scremin L, Javorski E. O enquadramento das notícias sobre os estrangeiros do Programa Mais Médicos. Cad Esc Comun Unibrasil. 2013;(Esp):1-15.

Di Jorge FM. Estudo jurídico do Programa Mais Médicos. Acta JUS. 2013;1(1):24-34.

Silva RP, Barcelos AC, Hirano BQL, Izzo RS, Calafate JMS, Soares TO. A experiência de alunos do PET-Saúde com a saúde indígena e o Programa Mais Médicos. Interface Comun Saúde Educ. 2015;19(Supl 1):1005-14.

Santos LMP, Costa AM, Girardi SN. Programa Mais Médicos: uma ação efetiva para reduzir iniquidades em saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(11):3547-52.

Ribeiro RC. Programa Mais Médicos: um equívoco conceitual. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(2):421-4.

Morais I, Alkmin D, Lopes J, Santos M, Leonel M, Santos R, et al. Jornais Folha de São Paulo e Correio Braziliense: o que dizem sobre o Programa Mais Médicos?. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(Esp 2):112-20.

Bardanachvili E. Quantidade não é qualidade. Rev Radis. 2015;(152):24-8.

Rother ET. O desafio das revistas brasileiras em busca de citações. J Health Inform. 2012;4(3):1-2.

Nassi-Calò L. Declaração recomenda eliminar o uso do Fator de Impacto na Avaliação de Pesquisa. SciELO em Perspectiva [acesso em 2016 Nov 20]. Disponível em: http://blog.scielo.org/blog/2013/07/16/declaracao-recomenda-eliminar-o-uso-do-fator-de-impacto-na-avaliacao-de-pesquisa/

Mutti, CF, Paula CC, Souto MD. Assistência à saúde da criança com câncer na produção científica brasileira. Rev Bras Cancerol. 2010;56(1):71-83.

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Análise da produção científica a partir de publicações em periódicos especializados. In: Indicadores de ciência, tecnologia e inovação em São Paulo 2010. São Paulo: FAPESP; 2011. p. 1-72.

Lima ACMACC, Silva AL, Guerra DR, Barbosa IV, Bezerra KC, Oriá MOB. Diagnósticos de enfermagem em pacientes com acidente vascular cerebral: revisão integrativa. Rev Bras Enferm. 2016;69(4):785-92.

Cruz DALM, Pimenta CAM. Prática baseada em evidências, aplicada ao raciocínio diagnóstico. Rev Latinoam Enferm. 2005;13(3):415-22.

Sousa MF, Franco MS, Rocha DG, Andrade NF, Prado EAJ, Mendonça AVM. Por que mais médicos no Brasil? Da política à formação. Tempus (Brasília). 2015;9(4):159-74.

Conselho Regional de Medicina do Estado de Saúde Paulo. Mais Médicos. Jornal CREMESP. 2013;308:6.

- Carvalho MS, Sousa MF. Como o Brasil tem enfrentado o tema provimento de médicos? Interface Comun Saúde Educ. 2013;17(47):913-26.

- Oliveira JPA, Sanchez MN, Santos LMP. O Programa Mais Médicos: provimento de médicos em municípios brasileiros prioritários entre 2013 e 2014. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(9):2719-27.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.6515

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia