Fatores emocionais associados ao hábito de fumar em usuários de um programa antitabagismo

Cintia Juliana Bettio, Laís Alves de Souza Bonilha, Albert Schiaveto de Souza, Sônia Maria Oliveira de Andrade, Adriane Pires Batiston

Resumo


Objetivo: Caracterizar a população atendida por um programa de tratamento do tabagismo e identificar os fatores emocionais associados ao hábito de fumar. Métodos: Estudo transversal, realizado em 2016, com dados secundários extraídos dos registros do programa de tratamento do fumante do município de Água Clara, Mato Grosso do Sul, Brasil. Os dados analisados referem-se a 173 participantes que realizaram a entrevista inicial do programa, de janeiro de 2012 a setembro de 2015. Foram estudadas as variáveis: sexo, idade, história tabagística, grau de dependência da nicotina, fatores emocionais e outras condições de saúde-doença. Analisaram-se os dados por meio de estatística descritiva, e a associação do grau de dependência aos fatores emocionais foi analisada pelo teste exato de Fisher. Resultados: Verificou-se a predominância do sexo feminino (63,6%, n=110); com idade média de 45,99 anos; média de idade de início do hábito de fumar de 14,38 anos; e média de tempo de uso do cigarro de 31,62 anos. Dos sintomas apresentados, predominaram os transtornos emocionais (75,1%, n=130), com confirmação de 38,2% (66) para depressão. Com relação ao grau de dependência da nicotina, 68,2% (118) apresentaram grau “elevado ou muito elevado”, sendo observada associação entre nível “elevado e muito elevado” de dependência e fatores emocionais, como ansiedade e depressão (p<0,05). Conclusão: Os participantes do programa são mulheres em idade adulta, com tempo prolongado de uso do cigarro e decorrente presença de comprometimentos na saúde. Foi observada associação entre fatores emocionais como ansiedade e depressão e o maior grau de dependência da nicotina.

Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família; Programa Nacional de Controle do Tabagismo; Promoção da Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Lopez MRA, Jansen K, Souza LDM, Pinheiro RT, Tomasi E, Silva RA. Prevalence and profile of daily smokers seen at three primary halth care units in Pelotas, Southern Brasil. Trends Psychiatry Psychother. 2012;34(3):154-60.

Banks E, Weber MF, Liu B, Grenfell R, Egger S, Paige E, et al. Tobacco smoking and all-cause mortality in a large Australian cohort study: findings from a mature epidemic with current low smoking prevalence. BMC Med. 2015;13(38):2-10.

Malcon MC, Menezes AMB, Assunção MCF, Neutzling MB, Challal P. Efetividade de uma intervenção educacional em tabagismo entre adolescentes escolares. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(1):01-12.

Sattler AC, Cade NV. Prevalência da abstinência ao tabaco de pacientes tratados em unidades de saúde e fatores relacionados. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(1):253-64.

Pinto M, Ugá MAD. Os custos de doenças tabaco-relacionadas para o sistema único de saúde. Cad Saúde Pública. 2010;26(6):1234-45.

Portes LH, Campos EMS, Teixeira MTB, Caetano R, Ribeiro LC. Ações voltadas para o tabagismo: análise de sua implementação na atenção primária à saúde. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(2):439-48.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: tabagismo 2008. Rio de Janeiro: IBGE; 2009.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva. A situação do tabagismo no Brasil: dados dos inquéritos do sistema internacional de vigilância da Organização Mundial de Saúde, realizados no Brasil entre 2002 e 2009. Rio de Janeiro: Inca; 2011.

Lawrence D, Mitrou F, Zubrick SR. Smoking and mental illness: results from population surveys in Australia and the United States. BMC Public Health. 2009;9:285-85.

Okoli C, Khara M. Correlates of secondhand tobacco smoke exposure among individuals with a history of substance use and/or psychiatric disorders participating in a tobacco treatment program in Vancouver, Canada. Community Ment Health J. 2014;50(6):729-36.

Silva ST, Martins MC, Faria FR, Cotta RMM. Combate ao tabagismo no brasil: a importância estratégica das ações governamentais. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(2):539-52.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância à Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde.Política Nacional de Promoção da Saúde: PNaPS: Revisão da Portaria MS/GM nº687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Thirthalli J, Kumar CN, Arunachal G. Epidemiology of comorbid substance use and psychiatric disorders in Asia. Curr Opin Psychiatry. 2012;25(3):172-80.

Rowe P. Essential statistics for the pharmaceutical sciences. Chichester, England: John Wiley & Sons Ltda; 2007.

Moraes SA, Lopes DA, Freitas ICM. Diferenças sexo-específicas na prevalência e nos fatores associados à procura por serviços de saúde em estudo epidemiológico de base populacional. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(2):323-40.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde do homem. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Ybarra ML, Holtrop JS, Prescott TL, Rahbar MH, Strong D. Pilot rct results of stop my smoking USA: a text messaging-based smoking cessation program for young adults. Nicotine Tob Res. 2013;15(8):1388-99.

Theme MM Filha, Souza PRB Júnior, Damacena GN, Szwarcwald CL. Prevalência de doenças crônicas não transmissíveis e associação com autoavaliação de saúde: Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Rev Bras Epidemiol.2015;18(Supl 2):83-96.

Pereira EDB, Freitas EPP, Moreira BA, Paula FA, Santos RDP, Matos AGC. Impacto do tabagismo na saúde bucal dos pacientes atendidos em um ambulatório de clínica médica. Rev Bras Promoç Saúde. 2014;27(1):37-42.

Bhunu C, Mushayabasa S. A theoretical analysis of smoking and alcoholism. J Math Model Algor. 2012;11(4):387-408.

Dierker L, Selya A, Piasecki T, Rose J, Mermelstein R. Alcohol problems as a signal for sensitivity to nicotine dependence and future smoking. Drug Alcohol Depend. 2013;132(3):688-93.

Holt LJ, Litt MD, Cooney NLM. Prospective analysis of early lapse to drinking and smoking among individuals in concurrent alcohol and tobacco treatment. Psychol Addic Behav. 2012;26(3):561-72.

Jamal M, Does AJWVD, Cuijpers P, Penninx BWJH. Association of smoking and nicotine dependence with severity and course of symptoms in patients with depressive or anxiety disorder. Drug Alcohol Depend. 2012;126(1-2):138-46.

Milani HS, Kharaghani R, Safa M, Samadi R, Farhadi MH, Ardakami MRK, et al. Pattern of smoking and nicotine dependence in patients with psychiatric disorders. Tanaffos. 2012;11(1):55-60. Afonso F, Pereira MG. Preditores da morbidade psicológica em fumantes, motivados para deixar de fumar, e em abstinentes. Rev SBPH. 2012;15(2):96-116.

Evatt DP, Kassel JD. Smoking, arousal, and affect: the role of anxiety sensitivity. J Anxiety Disord. 2010;24(1):114-23. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19819669

American Psychiatric Association. DSM-IV – Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed; 2002.

Breslau N, Novak SP, Kessler RC. Psychiatric disorders and stages of smoking. Biol Psychiatry. 2004;55(1):69-76.

Kay-Lambkin F, Edwards S, Baker A, Kavanagh D, Kelly B, Bowman J, et al. The impact of tobacco smoking on treatment for comorbid depression and alcohol misuse. Int J Ment Health Addiction. 2013;11(6):619-33.

Faria MLVC, Guerrini IA. Limitações do paradigma científico hegemônico no acolhimento ao sofrimento psíquico na atenção básica. Interface Comunic. Saúde, Educ. 2012;16(42):779-92.

Lemieux A, Olson L, Nakajima M, Schulberg L, Al’Absi M. Life adversity is associated with smoking relapse after a quit attempt. Addict Behav. 2016;60:71-7.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.6536

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia