Fatores associados à violência contra as mulheres na atenção primária de saúde

Eliane Rolim de Holanda, Viviane Rolim de Holanda, Marilena Silva de Vasconcelos, Valesca Patriota de Souza, Marli Teresinha Gimeniz Galvão

Resumo


Objetivo: Investigar os fatores associados à violência contra as mulheres na atenção primária à saúde baseando-se no Modelo de Atenção às Condições Crônicas (MACC). Métodos: Estudo retrospectivo e transversal, realizado em município da Zona da Mata Pernambucana, em que se analisaram 512 fichas de atendimento à mulheres em situação de violência, relativas ao período de 2008 a 2012, disponibilizadas pela Secretaria Executiva da Mulher. Para averiguar a relação entre as variáveis data da notificação, características sociodemográficas da vítima e do agressor (idade, estado civil, escolaridade, ocupação, renda, situação de moradia), tipo de violência sofrida, relação entre os envolvidos, tempo de relacionamento, causa atribuída à violência e uso de álcool e de droga, aplicou-se o teste Qui-Quadrado, com p≤0,05. Resultados: Verificou-se a predominância da violência física (65%) praticada por companheiro conjugal (p<0,001) em mulheres jovens (p<0,001), com baixa escolaridade (p<0,001), em união estável (p<0,001) e com condições econômicas precárias (p=0,013). O consumo de álcool pelo agressor (p<0,001) apareceu como principal comportamento de risco. Conclusão: A violência contra as mulheres obteve associação com a idade, com a escolaridade, com a renda da vítima, com o uso abusivo de álcool pelo agressor e com a relação conjugal.

Palavras-chave


Violência Contra a Mulher; Atenção Primária à Saúde; Promoção da Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Lei n° 11340 de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Diário Oficial da União; Brasília; 8 ago. 2006.

Alexandre LBSP. Políticas públicas de saúde da mulher. In: Fernandes RAQ, Narchi NZ, organizadores. Enfermagem e saúde da mulher. 2ª ed. Barueri: Manole; 2012. p. 7-27.

Presidência da República (BR), Secretaria de Políticas para as Mulheres. Rede de enfrentamento à violência contra as mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres; 2011 [acesso em 2017 Out 26]. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/omv/entenda-a-violencia/pdfs/rede-de-enfrentamento-a-violencia-contra-as-mulheres

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011 [acesso em 2017 Out 26]. Disponível em: http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&category_slug=servicos-saude-095&alias=1402-as-redes-atencao-a-saude-2a-edicao-2&Itemid=965

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012.

Barros EM, Silva MA, Falbo GH Neto, Lucena SG, Ponzo L, Pimentel AP. Prevalence and factors associated with intimate partner violence among women in Recife/Pernambuco, Brazil. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(2):591-8.

Rodríguez-Borrego MA, Vaquero-Abellán M, Bertagnolli RL. Estudo transversal sobre fatores de risco de violência por parceiro íntimo entre enfermeiras. Rev Latinoam Enferm. 2012;20(1):11-8.

Gomes NP, Diniz NMF, Camargo CL, Silva MP. Homens e mulheres em vivência de violência conjugal: características socioeconômicas. Rev Gaúch Enferm. 2012;33(2):109-16.

Oliveira RNG, Fonseca RMGS. A violência como objeto de pesquisa e intervenção no campo da saúde: uma análise a partir da produção do Grupo de Pesquisa Gênero, Saúde e Enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2014; 48(Nesp 2):32-9.

Leite MTS, Figueiredo MFS, Dias OV, Vieira MA, Souza LPS, Mendes DC. Ocorrência de violência contra a mulher nos diferentes ciclos de vida. Rev Latinoam Enferm. 2014;22(1):85-92.

Andrade JO, Castro SS, Heitor SFD, Andrade WP, Atihe CC. Indicadores da violência contra a mulher provenientes das notificações dos serviços de saúde de Minas Gerais-Brasil. Rev Texto & Contexto Enferm. 2016;25(3):1-9.

Acosta DF, Gomes VL, Barlem EL. Perfil das ocorrências policiais de violência contra a mulher. Rev Acta Paul Enferm. 2013;26(6):547-53.

Leite FMC, Amorim MHC, Wehrmeister FC, Gigante DP. Violência contra a mulher em Vitória, Espírito Santo, Brasil. Rev Saúde Pública. 2017;51:33.

Mathias AKRA, Bedone AJ, Osis MJD, Fernandes AMS. Prevalência da violência praticada por parceiro masculino entre mulheres usuárias da rede primária de saúde do Estado de São Paulo. Rev Bras Ginecol Obstet. 2013;35(4):185-91.

Vieira LJES, Ferreira RC, Moreira GAR, Gondim APS, Araujo MAL, Silva RM. Fatores associados à sobreposição de tipos de violência contra a mulher notificada em serviços sentinela. Rev Latinoam Enferm. 2013; 21(4):1-8.

Acosta FD, Gomes VLO, Fonseca AD, Gomes GC. Violência contra a mulher por parceiro íntimo: (in)visibilidade do problema. Texto & Contexto Enferm. 2015; 24(1):121-7.

Silva CD, Gomes VLO, Mota MS, Gomes GC, Amarijo CL. Violence against women: aggressors drug users. Rev Pesqui Cuid Fundam [Internet]. 2015 [acesso em 2017 Out 26];7(2):2494-2504. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=BDENF〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=26838&indexSearch=ID

Ilha MM, Leal SMC, Soares JSF. Mulheres internadas por agressão em um hospital de pronto socorro: (in)visibilidade da violência. Rev Gaúch Enferm. 2010;31(2):328-34.

Osis MJD, Duarte GA, Faúndes A. Violência entre usuárias de unidades de saúde: prevalência, perspectiva e conduta de gestores e profissionais. Rev Saúde Pública. 2012;46(2):351-8.

Silva ACLG, Coelho EBS, Njaine K. Violência conjugal: as controvérsias no relato dos parceiros íntimos em inquéritos policiais. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(4):1255-62.

García-Moreno C, Jansen HAFM, Elsberg M, Heise L, Watts CH. Prevalence of intimate partner violence: findings from the WHO multi-country study on women's health and domestic violence. Lancet. 2006;368(9543):1260-9.

Almeida LR, Silva ATMC, Machado LS. O objeto, a finalidade e os instrumentos do processo de trabalho em saúde na atenção à violência de gênero em um serviço de atenção básica. Interface Comum Saúde Educ. 2014;18(48):47-60.

Lucena KDT, Vianna RPT, Nascimento JA, Campos HFC, Oliveira ECT. Associação entre a violência doméstica e a qualidade de vida das mulheres. Rev Latinoam Enferm. 2017;25:e2901.

Lindner SR, Coelho EBS, Bolsoni CC, Rojas PF, Boing AF. Prevalência de violência física por parceiro íntimo em homens e mulheres de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil: estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2015;31(4):815-26.

Paixão GPN, Gomes NP, Diniz NMF, Couto TM, Vianna LAC, Santos SMP. Situações que precipitam conflitos na relação conjugal: o discurso de mulheres. Texto & Contexto Enferm. 2014;23(4):1041-9.

Silva EB, Padoin SM, Vianna LA. Violência contra a mulher: limites e potencialidades da prática assistencial. Rev Acta Paul Enferm. 2013;26(6):608-13.

Mangueira SO, Lopes MVO. Família disfuncional no contexto do alcoolismo: análise de conceito. Rev Bras Enferm. 2014;67(1):149-54.

Magalhães R. Avaliação da Política Nacional de Promoção da Saúde: perspectivas e desafios. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(6):1767-76.

Silva KL, Sena RR, Belga SMMF, Silva PM, Rodrigues AT. Promoção da saúde: desafios revelados em práticas exitosas. Rev Saúde Pública. 2014;48(1):76-85.

Acosta DF, Gomes VLO, Oliveira DC, Gomes GC, Fonseca AD. Aspectos éticos e legais no cuidado de enfermagem às vítimas de violência doméstica. Texto & Contexto Enferm. 2017;26(3):e6770015.

Arboit J, Padoin SMM, Vieira LB, Paula CC, Costa MC, Cortes LF. Atenção à saúde de mulheres em situação de violência: desarticulação dos profissionais em rede. Rev Esc Enferm USP. 2017;51:e03207.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.6580

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia