Conhecimento de profissionais da atenção básica sobre as competências de promoção da saúde

Iriana Lays Lima Sobral, Lucas Dias Soares Machado, Silvia Helena Pereira Gomes, Alice Maria Correia Pequeno, Sharmênia de Araújo Soares Nuto, Maria de Fátima Antero Sousa Machado

Resumo


Objetivo: Reconhecer no processo de trabalho dos profissionais da atenção básica, junto a Estratégia Saúde da Família, os domínios de competências em promoção da saúde diante das ações praticadas com base no referencial das Competências em Promoção da Saúde (CompHP). Métodos: Trata-se de estudo descritivo e exploratório de natureza qualitativa, realizado no município de Acopiara, Ceará, Brasil. Participaram do estudo, desenvolvido no período de março a junho de 2016, nove profissionais com atuação definida na Estratégia Saúde da Família. Os dados foram coletados através de entrevista semiestruturada e organizados a partir da técnica da análise temática das falas dos participantes. Resultados: Os profissionais desconhecem o referencial do CompHP, bem como os seus domínios e as competências propostas. Entretanto, evidencia-se que os domínios: de diagnóstico, comunicação, liderança, possibilidade de mudanças e advocacia em saúde são manifestados nas falas dos participantes. Deste modo, os saberes e práticas dos profissionais articulam-se aos domínios de competências do CompHP supracitados. Os domínios não manifestados pelos profissionais foram: parceria, planejamento, implementação e avaliação em saúde. Conclusão: Observou-se o desconhecimento dos profissionais quanto à existência e proposta no referencial do CompHP, o que revela a necessidade de incluí-los nos momentos formativos, em todo e qualquer nível de formação.

Palavras-chave


Promoção da Saúde; Atenção Primária à Saúde; Educação Baseada em Competências

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Mendes R, Fernandez JC, Sacardo DP. Promoção da saúde e participação: abordagens e indagações. Saúde Debate. 2016;40(108):190-203.

Bonaldi AP, Ribeiro MD. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: as ações de promoção da saúde no cenário da estratégia saúde da família. Rev APS. 2014;17(2):195-203.

Buss PM, Chamas C, Faid M, Morel C. Desenvolvimento, saúde e política internacional: a dimensão da pesquisa & inovação. Cad Saúde Pública. 2016;32(Sup 2):e00046815.

World Health Organization. Health promotion [acesso em 2018 Fev 18] Disponível em: http://www.who.int/healthpromotion/en/

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria Nº 2.446/GM, de 11 de Novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS). Brasília, DF, 2014.

Gomes JRAA, Hamann EM, Gutierrez MMU. Aplicação do WHOQOL-BREF em segmento da comunidade como subsídio para ações de promoção da saúde. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(2):495-516.

Moysés ST, Sá RF. Planos locais de promoção da saúde: intersetorialidade(s) construída(s) no território. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(11):4323-9.

Heidemann ITSB, Wosny AM, Boehs AE. Promoção da Saúde na Atenção Básica: estudo baseado no método de Paulo Freire. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(8):3553-9.

Dempsey C, Barry M, Battel-Kirk B. The CompHP core competencies framework for health promotion handbook: workpackage 4. Galway: Executive Agency for Health Promotion and Consumers: National University of Ireland; 2011.

Battel-Kirk B, Barry MM, Taub A, Lysoby LA. A review of the international literature on health promotion competencies: identifying frameworks and core competencies. Glob Health Promot. 2009;16(2):12-20.

Pinheiro DGM, Scabar TG, Maeda ST, Fracolli LA, Pelicioni MCF, Chiesa M. Competências em promoção da saúde: desafios da formação. Saúde Soc. 2015; 24(1):180-8.

Fragelli TBO, Shimizu HE. Prospecções para desenvolvimento de políticas públicas de formação de profissionais de saúde a partir da análise do cenário brasileiro de competências. Physis (Rio J). 2013;23(1):197-208.

Cresweel JW. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 3ª ed. Porto Alegre: Penso; 2014.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades [acesso em 2016 Jan 22]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=230190#topo

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13ª ed. São Paulo: Hucitec; 2013.

Silva PFA, Baptista TWF. Os sentidos e disputas na construção da Política Nacional de Promoção da Saúde. Physis (Rio J.). 2014;24(2):441-65.

Bonaldi AP, Ribeiro MD. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: as ações de promoção da saúde no cenário da estratégia saúde da família. Rev APS. 2014;17(2):195-203.

Silva KL, Araujo FL, Santos FBO, Andrade AM, Basílio NC, Sena RR. O que vem se falando por aí em competências no ensino da promoção da saúde na formação do enfermeiro? ABCS Health Sci. 2015;40(3):286-93.

Battel-kirk B, Barry MM. Developing competency-based accreditation for health promotion in Europe. Rev Med (São Paulo). 2013;92(2):87-96.

Battel-Kirk B, Barry MM, Zanden G, Contu P, Gallardo C, Martinéz A, et al. Opertationalising and piloting the IUHPE European accreditation system for health promotion. Glob Health Promot. 2015; 22(3):25-34.

Silva KVLG, Gonçalves GAA, Santos SB, Machado MFAS, Rebouças CBA, Silva VM, et al. Training of adolescent multipliers from the perspective of health promotion core competencies. Rev Bras Enferm. 2018;71(1):89-96.

Soranz D, Pisco LAC. Primary Health Care Reform in the cities of Lisbon and Rio de Janeiro: context, strategies, results, learning and challenges. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(3):679-86.

Haeser LM, Büchele F, Brozozowski FS. Considerações sobre a autonomia e a promoção da saúde. Physis (Rio J). 2012;22(2):605-20.

Bispo JP Júnior, Gerschman S. Potencial participativo e função deliberativa: um debate sobre a ampliação da democracia por meio dos conselhos de saúde. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(1):7-16.

Torres MV, Leal KKF, Chaves YM. O processo de territorialização no bairro São Pedro em Teresina, Piauí: uma visão de saúde na população. ConScientiae Saúde. 2011;10(4):672-81.

Evangelista SC, Sampaio JV, Machado LDS, Tamboril LDS, Moreira MRC, Viana MCA, et al. Percurso das ações de promoção da saúde na residência multiprofissional: análise à luz de um referencial europeu. Tempus (Brasília). 2016,10(4):69-82.

Batista KBC, Gonçalves OSJ. Formação dos profissionais de saúde para o SUS: significado e cuidado. Saúde Soc. 2011;20(4):884-99.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.6653

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia