Caracterização dos usuários e do padrão de uso das academias ao ar livre

Ana Regina Leão Ibiapina, Maycom do Nascimento Moura, Maria Luci Esteves Santiago, Thais Norberta Bezerra de Moura

Resumo


Objetivo: Verificar as características dos usuários e o padrão de uso das academias ao ar livre (AAL). Métodos: Pesquisa descritiva, exploratória e quantitativa, realizada em 2015, com 308 usuários de 22 AAL de Teresina, Piauí. A coleta ocorreu por meio de preenchimento de formulário que continha questões sociodemográficas, comportamentais, de saúde, perfil nutricional, utilização dos aparelhos e do espaço, distância da residência e companhia para as práticas. Em cada local, realizaram-se quatro visitas, com duração média de uma hora. Variáveis analisadas com medidas de tendência central e dispersão. Resultados: Encontrou-se tempo médio de utilização das AAL de 22,2 +17,7 meses, média de idade de 53,8+ 12,4 anos, prevalência do sexo feminino (78,2%, n= 241), ensino médio completo (42,2%, n= 130), raça/cor parda (55,5%, n= 171) e média de IMC 25,85 + 3,981 kg/m². Averiguou-se que 63% (n= 194) dos usuários levam até 10 minutos para chegar à academia, 87% (n= 268) frequentam entre três a cinco vezes por semana, 54,2% (n= 167) permanecem entre 20 a 40 minutos e 49,4% (n= 152) não utilizam pelo menos um dos aparelhos devido à alguma dor (39,2%, n=60). Embora na maioria (70,8%, n= 218) das AAL exista profissional de educação física, considerou-se um acompanhamento desse profissional a necessidade mais urgente (36,7%, n= 113). Conclusão: Prevaleceu, nas academias ao ar livre investigadas, a presença de usuárias pardas, com ensino médio completo, que moram próximo à academia e a utilizam de três a cinco vezes por semana, permanecendo 20 a 40 minutos no local.

Palavras-chave


Academias de Ginástica; Exercício; Políticas Públicas.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Lee IM, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet. 2012;380(9838):219-29.

Bueno DR, Marucci MFN, Codogno JS, Roediger MA. Os custos da inatividade física no mundo: estudo de revisão. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(4):1001-10.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Avaliação de efetividade de programas de atividade física no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Possamai L, Zogo A, Boni J, Jacques M, Dorst L, Dorst D. Fitness for elders: a comparison between practioners and non-practioners oF exercise. Age (Dordr). 2015;37(3):1-8.

Bauman AE, Reis RS, Sallis JF, Wells JC, Loos RJF, Martin BW. Correlates of physical activity: why are some people physically active and others not? Lancet. 2012;380(9838):258-71.

Cohen DA, Marsh T, Williamson S, Golinelli D, Mckenzie TL. Impact and costeffectiveness of family fitness zones: a natural experiment in urban public parks. Health Place. 2012;18(1):39-45.

Silva JF, Nascimento JRA Júnior, Araújo APS, Oliveira DV. Análise comparativa da qualidade de vida de idosas praticantes de exercícios físicos em centros esportivos e nas academias da terceira idade. Rev Bras Ciênc Envelh Hum. 2016;13(3):285-98.

Lima AM, Parizotto ZAM. Fatores Motivacionais para a prática de exercício físico entre frequentadores de academia ao ar livre de Amambai-MS. FIEP Bulletin. 2013;83(2):1-6.

Sá GBAR, Dornelles GC, Cruz KG, Amorim RCA, Andrade SSCA, Oliveira TP, et al. The Health Academy Program as a strategy to promote health and healthy lifestyles: the national implementation scenario. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(6):1849-59.

Souza CA, Fermino RC, Añez CRR, Rei RS. Perfil dos frequentadores e padrão de uso das academias ao ar livre em bairros de baixa e alta renda de Curitiba-PR. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2014;19(1):86-97.

Lepsen AM, Silva MC. Perfil dos frequentadores das academias ao ar livre da cidade de Pelotas – RS. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2015;20(4):413-24.

Pinheiro LW, Coelho JM Filho. Perfil dos idosos usuários das academias ao ar livre para a terceira idade. Rev Bras Promoç Saúde. 2017;30(1):93-101.

Lemos EC. Perfil sócio demográfico e de estilo de vida dos usuários do Programa Academia da Cidade [monografia]. Recife: Fundação Oswaldo Cruz; 2010.

Lemos EC, Gouveia GC, Luna CF, Silva GB. Programa academia da cidade: descrição de fatores de adesão e não adesão. Rev Bras Ciênc Mov. 2016;24(4):75-84.

Costa BVL, Mendonça RD, Santos LC, Peixoto SV, Alves M, Lopes ACS. Academia da Cidade: um serviço de promoção da saúde na rede assistencial do Sistema Único de Saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(1):95-102.

Salin MS. Espaços públicos para a pratica de atividade física: o caso das academias da melhor idade de Joinville-SC [tese]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2013.

Organização Mundial da Saúde. Global recommendations on physical activity for health. Geneva: OMS; 2010.

Kruchelski S, Grande D, Wendling NMS. Utilização do ambiente construído: academias ao ar livre em Curitiba. Rev Gestão Pública Curitiba. 2011;2(2):67-80.

Nascimento MAS, Zucolotto DCC, Sartorelli DS. Associação entre a percepção de atributos ambientais e excesso de peso: um estudo realizado em um município de pequeno porte. Cad Saúde Pública, 2015;31(1):173-82.

Mazo GZ, Quinaud PT, Salin MS, Virtuoso JF. Academias da saúde de Florianópolis: diferenças regionais na percepção dos idosos quanto aos serviços prestados, motivos de ingresso e permanência e nível de atividade física. ACM Arq Catarin Med. 2013;42(1):56-62.

Santos RML, Albuquerque JMC, Moura SKMUF, Rosenstiel L, Rabay AAN, Silva CAN. Exercício físico ao ar livre, motivação e aderência: um estudo sobre a satisfação das necessidades psicológicas em mulheres. Rev Bras Ciênc Saúde. 2015;19(2):33-8.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.6688

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia