Participação de usuários da atenção primária em práticas de promoção da saúde

Maria Andressa Gomes Barbosa, Nathália Paula de Souza, Silvana Gonçalves Brito de Arruda, Silvia Pereira da Silva de Carvalho Melo

Resumo


Objetivo: Analisar os fatores associados à participação de usuários da atenção primária em práticas de promoção da saúde. Métodos: Estudo transversal de caráter descritivo e analítico, realizado no município de Vitória de Santo Antão/Pernambuco, em 2016, com 148 participantes, acima de 20 anos, cadastrados em Unidades de Saúde da Família ou no projeto de Extensão Cintura Fina. A coleta de dados ocorreu através de questionário semiestruturado, no qual constavam dados sociodemográficos, perfil clínico, hábitos alimentares, além de conhecimento e participação em práticas e atividades de promoção da saúde. A associação entre as variáveis foi realizada através do teste qui-quadrado de Pearson, adotando o nível de significância p<0,05. Resultados: Dos 148 participantes, 76,4% (n=113) foram entrevistados nas Unidades de Saúde da Família e 23,6% (n=35) no projeto de extensão, e tinham média de idade de 52,9 anos. Além disso, 93,2% (n=138) eram do sexo feminino e 57,4% (n=85) possuíam renda familiar de até um salário mínimo. A participação em grupos/atividades de promoção da saúde foi diretamente proporcional ao aumento da idade (p=<0,001), presença de comorbidades (p=0,005), uso contínuo de medicamentos (p=0,001) e o conhecimento sobre a existência dos grupos/atividades (p=0,001). Por outro lado, a participação mostrou-se menor entre os que trabalhavam (p=0,049) e residiam em domicílios com maior número de pessoas (p=0,001). Conclusão: As variáveis que se mostraram associadas à participação em atividades de promoção da saúde foram idade, presença de comorbidades, uso de medicamentos, conhecimento sobre a existência de práticas educativas, trabalho e número de pessoas por domicílio.

Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Participação da Comunidade; Promoção da Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal; 1988.

Brasil. Emenda Constitucional n° 64 de 2010. Diário Oficial da União, Brasília, 05 fev. 2010 [acesso em 2016 Fev 10]. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc64.htm

Oliveira MAC, Pereira IC. Atributos essenciais da atenção Primária e a estratégia Saúde da família. Rev Bras Enferm [Internet]. 2013 [acesso em 2016 Fev 10]; 66(esp):158-64. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v66nspe/v66nspea20.pdf

Ministério da Saúde (BR). Guia alimentar para a população brasileira. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Miranda GMD. Saúde e desigualdade: o desafio brasileiro em um cenário de transição demográfica, epidemiológica e mudanças sociais [tese]. Recife: Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz; 2015.

Ministério da Saúde (BR). Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Ministério da Saúde (BR). Vigilância das doenças crônicas não transmissíveis [acesso em 2017 Mar 02]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/671-secretaria-svs/vigilancia-de-a-a-z/doencas-cronicas-nao-transmissiveis/14125-vigilancia-das-doencas-cronicas-nao-transmissiveis

Ministério da Saúde (BR), Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Santos RP, Horta PM, Souza CS, Santos CA, Oliveira HBS, Almeida, LMR, et al. Aconselhamento sobre alimentação e atividade física: prática e adesão de usuários da atenção primária. Rev Gaúch Enferm [Internet]. 2012 [acesso em 2016 Fev 12];33(4):14-21. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v33n4/02.pdf

Marin MJS, Moracvick MYAD, Rodrigues LCR, Santos SC, Santana FHS, Amorin DMR. Conhecendo os motivos da não adesão às ações educativas em saúde. Rev Min Enferm [Internet]. 2013 [acesso em 2016 Fev 16];17(3):500-4. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/668

Toledo MTT, Abreu MN, Lopes ACSL. Adesão a modos saudáveis de vida mediante aconselhamento por profissionais de saúde. Rev Saúde Pública [Internet]. 2013 [acesso em 2016 Fev 18];47(3):540-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v47n3/0034-8910-rsp-47-03-0540.pdf

Ministério da Saúde (BR). Política nacional de promoção da saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Estimativas populacionais para os municípios e para as Unidades da Federação brasileiros em 01.07.2015 [acesso em 2016 Dez 15]. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2015/estimativa_2015_TCU_20160712.pdf Acesso em jan 2017

Andrade KA, Toledo MTT, Lopes MS, Carmo GES, Lopes ACS. Aconselhamento sobre modos saudáveis de vida na Atenção Primária e práticas alimentares dos usuários. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2012 [acesso em 2016 Mar 18];46(5):1117-24. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v46n5/12.pdf

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977.

Clares JWB, Freitas MC, Almeida PC, Galiza FT, Queiroz TA. Perfil de idosos cadastrados numa unidade básica de saúde da família de Fortaleza-CE. Rev Rene [Internet]. 2011 [acesso em 2016 Out 20];12(Nesp):988-94. Disponível em: http://www.revistarene.ufc.br/vol12n4_esp_pdf/a14v12esp_n4.pdf

Dias FA, Tavares DMS. Fatores associados à participação de idosos em atividades educativas grupais. Rev Gaúch Enferm [Internet]. 2013 [acesso em 2016 Out 20];34(2):70-7. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/22329/26040

Borges PLC, Bretas RP, Azevedo SF, Barbosa JMM. Perfil dos idosos frequentadores de grupos de convivência em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2008 [acesso em 2016 Out 20]; 24(12):2798-808. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n12/08.pdf

Sociedade Brasileira de Cardiologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. São Paulo, 2010; 95(1 Supl 1):1-51.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel-Brasil 2011: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Pereira IC, Oliveira MAC. O trabalho do agente comunitário na promoção da saúde: revisão integrativa da literatura. Rev Bras Enferm [Internet]. 2013 [acesso em 2016 Nov 10];66(3):412-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v66n3/a17v66n3.pdf

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. (Cadernos HumanizaSUS. Atenção Básica, v. 2)

Conselho Federal de Nutricionistas (BR). Resolução CFN n° 380/2005 [acesso em 2017 Mar 1]. Disponível em: http://www.cfn.org.br/novosite/pdf/res/2005/res380.pdf

Ministério da Saúde (BR). Portaria GM nº 154, de 24 de janeiro de 2008 [acesso em 2017 Mar 1]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/legislacao/portaria154_24_01_08.pdf

Andrade KA, Toledo MTT, Lopes MS, Carmo GES, Lopes ACS. Aconselhamento sobre modos saudáveis de vida na Atenção Primária e práticas alimentares dos usuários. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2012 [acesso em 2016 Nov 16];46(5):1117-24. Disponível em: http://revistas.usp.br/reeusp/article/view/48133/51950

Cervato-Mancuso AM, Tonacio LV, Silva ER, Vieira VL. A atuação do nutricionista na Atenção Básica à Saúde em um grande centro urbano. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2012 [acesso em 2016 Nov 16];17(12):3289-300. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n12/14.pdf

Taddeo PS, Gomes KWL, Caprara A, Gomes AMA, Oliveira GC, Moreira TMM. Acesso, prática educativa e empoderamento de pacientes com doenças crônicas. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2012 [acesso em 2016 Nov 20];17(11):2923-30. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n11/v17n11a08.pdf

Brito PP, Costa MP. Forma de participação dos usuários nas práticas educativas de uma equipe de saúde da família como meio de transformação. Rev APS [Internet]. 2015 [acesso em 2016 Nov 23];18(4):463-9. Disponível em: https://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/view/2118/930

Bortoluz S, Lima LA, Nedel FB. Condições de saúde e utilização de um serviço de atenção primária em pacientes hipertensos e/ou diabéticos. Ciênc Saúde [Internet]. 2016 [acesso em 2016 Nov 28];9(3):156-66. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faenfi/article/view/22009/15027

Alemida FLF, Gomes IS, Salgado SML, Freitas EL, Almeida RWS, Oliveira WC, et al. Promoção da saúde, qualidade de vida e envelhecimento: a experiência do projeto "Em Comum-Idade: uma proposta de ações integradas para a promoção da saúde de idosos das comunidades de Viçosa-MG". Rev ELO [Internet]. 2014 [acesso em 2016 Nov 28];3(2):71-80. Disponível em: http://www.elo.ufv.br/index.php/elo/article/view/52/50

Onocko-Campos RT, Campos GWS, Ferrer AL, Corrêa CRS, Madureira PR, Gama CAP, et al. Avaliação de estratégias inovadoras na organização da Atenção Primária à Saúde. Rev Saúde Pública [Internet]. 2012 [acesso em 2016 Nov 28];46(1):43-50. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v46n1/2502.pdf

Franco ECD. A estratégia de saúde da família na perspectiva do usuário. Rev Enferm UFSM [Internet]. 2012 [acesso em 2016 Dez 01];2(1):49-58. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/4002/3142

Teixeira C, Silva CCS, Bernardes GS, Sá NPP, Prado RS. O vínculo entre usuários e equipes em duas unidades de saúde da família em um muni­cípio do estado do Rio de Janeiro. Rev APS [Internet]. 2013 [acesso em 2016 Dez 01];16(4):444-54. Disponível em: https://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/viewFile/1725/768




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.6693

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia