Entre o nascer e o morrer: cuidados paliativos na experiência dos profissionais de saúde

Ana Maria Ferreira Alves, Maria Lucimeyre Rabelo França, Anna Karynne Melo

Resumo


Objetivo: Compreender como os profissionais de saúde de uma unidade de terapia intensiva neonatal (UTIN), em um hospital-maternidade de alto risco, experienciam os cuidados paliativos neonatais. Métodos: Estudo qualitativo, realizado com método fenomenológico crítico, tendo como instrumento uma entrevista não estruturada, realizada no período de outubro a dezembro de 2015, do qual participaram oito profissionais de saúde da referida UTIN. Surgiram quatro categorias: Experienciando cuidados paliativos; Significando o bebê sem prognóstico; As famílias dos bebês e a afetação dos profissionais; e O atravessamento da morte na experiência vivida dos profissionais. Resultados: Os principais achados do estudo indicaram que os cuidados paliativos para os profissionais podem ser retratados a partir de diferentes aspectos. Para eles, o olhar e o cuidar dos bebês sem prognóstico estão entrelaçados ao surgimento do envolvimento afetivo; a experiência de contato com a família também aparece como uma forma de serem afetados, pois surgem sentimentos não antes emergentes; e o momento da morte do bebê é um desafio cheio de dificuldades para enfrentar. Conclusão: Percebe-se que, mesmo sem o programa de cuidados paliativos na instituição, existe a iniciativa de realizar uma prática que se aproxima desses cuidados, principalmente ao buscar conforto para esse bebê e maior inclusão da família, o que já mostra sensibilização para tal perspectiva.

Palavras-chave


Unidades de Terapia Intensiva Neonatal; Pessoal de Saúde; Cuidados Paliativos.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 930, de 10 de maio de 2012. Define as diretrizes e objetivos para a organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido grave ou potencialmente grave e os critérios de classificação e habilitação de leitos de Unidade Neonatal no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial [da] República Federativa; Brasília; 2012 Maio 10 [acesso em 2015 Jul 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0930_10_05_2012.html

Barros FC, Matijasevich A, Requejo JH, Giugliani E, Maranhão AG, Monteiro CA, et al. Recent trends in maternal, newborn, and child health in Brazil: progress toward Millennium Development Goals 4 and 5. Am J Public Health. 2010;100(10):1877-89.

Kenner C, Press J, Ryan D. Recommendations for palliative and bereavement care in the NICU: a family-centered integrative approach. J Perinatol. 2015; 35(Suppl 1):S19-23.

Ministério da Saúde (BR), Coordenação-Geral de Informação e Análise Epidemiológica. Painel de monitoramento da mortalidade infantil e fetal. 2017 [acesso em 2017 nov 10]. Disponível em: http://svs.aids.gov.br/dashboard/mortalidade/infantil.show.mtw

Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt DAS, Carvalho ML, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad Saúde Pública. 2014;30(Supl):S192-S207.

Barbosa SMM, Lima e Souza J, Bueno M, Sakita NK, Bussotti EA. Particularidades em cuidados paliativos: período neonatal. In: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo. Cuidado paliativo. São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo; 2008. p. 139-52.

Marçola L, Barbosa SMM, Zobolia I, Polastrinia RTV, Ceccon MEJ. Análise dos óbitos e cuidados paliativos em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Paul Pediatr. 2017;35(2):125-9.

Catlin A, Carter B. Creation of a neonatal end-of-life palliative care protocol. J Perinatol. 2002;22(3):184-95.

Bhatia J. Palliative Care in the fetus and newborn. J Perinatol. 2006;26 Suppl 1:S24-6.

Kilcullen M, Ireland S. Palliative care in the neonatal unit: neonatal nursing staff perceptions of facilitators and barriers in a regional tertiary nursery. BMC Palliative Care. 2017; 16(32):1-12.

Merleau-Ponty M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes; 2006.

Melo AKS. Lebenswelt: para um resgate da(s) fenomenologia(s) no campo Saúde Coletiva [tese]. Fortaleza: UECE/UFC/UNIFOR; 2014.

Gomes AMA, Paiva ED, Valdés MTM, Frota MA, Albuquerque CM. Fenomenologia, humanização e promoção da saúde: uma proposta de articulação. Saúde Soc. 2008;17(1):143-52.

Oliveira NF. Terminalidade em unidade de terapia intensiva pediátrica e neonatal: condutas médicas que antecedem o óbito em hospital de referência no nordeste brasileiro [dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2011.

Keele L, Keenan HT, Sheetz J, Bratton SL. Differences in characteristics of dying children who receive and do not receive palliative care. Pediatrics. 2013;132(1):72-8.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.130, de 5 de agosto de 2015. Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [acesso em 2017 Nov 28]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2015/prt1130_05_08_2015.html

Minayo CS. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc Saúde Colet. 2012;17(3):621-6.

Bosi MLM. Pesquisa qualitativa em saúde coletiva: panorama e desafios. Ciênc Saúde Colet. 2012;17(3):575-86.

Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – EBSERH. Maternidade Escola Assis Chateaubriand. 2017 [acesso em 2017 Nov 10]. Disponível em: http://www.ebserh.gov.br/web/meac-ufc/inicio

Moreira V. O método fenomenológico de Merleau-Ponty como ferramenta crítica na pesquisa em psicopatologia. Psicol Reflex Crít. 2004;17(3):447-56.

Amatuzzi MM. Etapas do processo terapêutico: um estudo exploratório. Psicol Teor Pesqui. 1993;9(1):1-21.

Mendes J, Silva LJ, Santos MJM. Cuidados paliativos neonatais e pediátricos para Portugal – um desafio para o século XXI. Acta Ped Port. 2012;43(5):218-22.

Soares C, Rodrigues M, Rocha G, Martins A, Guimarães H. Fim de vida em neonatologia: integração dos cuidados paliativos. Acta Ped Port. 2013;26(4):318-26.

Menin GE, Pettenon KP. Terminalidade da vida infantil: percepções e sentimentos de enfermeiros. Rev Bioét. 2015;23(3):608-14.

Carter BS. More than medication: perinatal palliative care [editorial]. Acta Pediátrica. Editorial. 2016;105: 1255-6.

Mumford J. ‘To arrive where we started, and know the place for the first time’: Heidegger, phenomenology, the way human beings first appear in the world, and fresh perspectives on the abortion debate. New Bioeth. 2013;19(2):72-83.

Willems DL, Verhagen E, Wijlick EV. Infants’ best interests in end-of-life care for newborns. Pediatrics. 2014;134(4):1163-8.

Santana JCB, Dutra BS, Carlos JMM, Barros JKA. Ortotanásia nas unidades de terapia intensiva: percepção dos enfermeiros. Rev Bioét. 2017;25(1):158-67.

Kübler-Ross E. Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Martins Fontes; 2011.

Kovács MJ. Sofrimento da equipe de saúde no contexto hospitalar: cuidando do cuidador profissional. Mundo Saúde. 2010;34(4):420-9.

Brasil. Ministério da saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [acesso em 2017 Nov 28]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt4279_30_12_2010.html




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.6712

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia