Da prática baseada em evidências para a saúde coletiva informada por evidências: revisão narrativa

Patrick Alexander Wachholz, Silvana Andre Molina Lima, Paulo Jose Fortes Villas Boas

Resumo


Objetivo: Revisar na literatura a descrição dos conceitos e o emprego das evidências científicas no âmbito da Saúde Coletiva (SC). Métodos: Realizou-se uma revisão narrativa utilizando e combinando as palavras-chave "Saúde Pública" OR "Saúde Coletiva"; "Medicina baseada em evidências" e "Política informada por evidências" por meio da consulta as bases de dados Lilacs, SciELO e MedLine. As buscas foram limitadas ao período entre janeiro de 1990 a dezembro de 2016, no idioma português e/ou inglês. A seleção dos estudos foi realizada por dois autores, de modo independente, por meio da leitura do título, resumo e texto completo. Para o processo de síntese, as temáticas encontradas foram agrupadas em três grandes eixos norteadores: as evidências e a prática em saúde, as evidências em SC, e os avanços e desafios da Saúde Coletiva Informada pelas Evidências (SCIE). Resultados: Os achados desta revisão apontam que as tomadas de decisão na SC são mais complexas do que as decisões clínicas individuais, pois envolvem avaliações de impactos orçamentários e políticos, reforçando a relevância da adoção de práticas informadas pelas evidências neste campo. Conclusão: Os meios de apropriação e emprego das evidências no campo da SC são complexos, pois envolvem pressupostos de plausibilidade e adequação nem sempre observados em intervenções individuais. Ainda assim, o campo beneficia-se da aproximação observada na SCIE e, em particular, na tomada de decisões em saúde.

Palavras-chave


Saúde Pública; Medicina Baseada em Evidências; Tomada de Decisões.

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Síntese de evidências para políticas de saúde: estimulando o uso de evidências científicas na tomada de decisão. Brasilia: Ministério da Saúde; 2015.

Dias RISC, Barreto JOM, Vanni T, Candido AMSC, Moraes LH, Gomes MAR. Estratégias para estimular o uso de evidências científicas na tomada de decisão. Cad Saúde Colet (Rio J). 2015;23(3):316-22.

Juarez Garcia MS. Nivel de evidencia en salud pública. Rev Soc Peru Med Interna. 2006;19(2):55-7.

Evidence-Based Medicine Working Group. Evidence-based medicine: a new approach to teaching the practice of medicine. JAMA. 1992;268(17):2420-5.

Sackett DL, Rosenberg WM. On the need for evidence-based medicine. J Public Health Med. 1995;17(3):330-4.

Jenicek M. Epidemiology, evidenced-based medicine, and evidence-based public health. J Epidemiol. 1997;7(4):187-97.

Lopes AA. Medicina baseada em evidências: a arte de aplicar o conhecimento científico na prática clínica. Rev Assoc Méd Bras. 2000;46(3):285-8.

Glasziou P, Longbottom H. Evidence-based public health practice. Aust N Z J Public Health. 1999;23(4):436-40.

Shelton JD. Evidence-based public health: not only whether it works, but how it can be made to work practicably at scale. Glob Health Sci Pract. 2014;2(3):253–8.

Ammerman A, Smith TW, Calancie L. Practice-based evidence in public health: improving reach, relevance, and results. Annu Rev Public Health. 2014;35:47-63.

Gray JA. Evidence-based public health--what level of competence is required? J Public Health Med. 1997;19(1):65–8.

Mowat D. Evidence-based decision-making in public health. Ethos Gub. 2007;4:231-48.

Cediel-Becerra NM, Krause G. Evidence-based public health decision-making tools which can also be used for prioritising disease. Rev Salud Pública. 2013;15(5):694-706.

Ministério da Saúde (BR), Universidade Federal de Goiás. ASIS - Análise da situação de saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. v. 1 [acesso em 2015 Jan 12]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/asis_analise_situacao_saude_volume_1.pdf

Tandon A, Murray CJ, Lauer JA, Evans DB. Measuring overall health system performance for 191 countries [Internet]. (Global Programme on Evidence Discussion Paper Series, 30) [acesso em 2016 Out 21]. Disponível em: http://www.who.int/healthinfo/paper30.pdf

Pan American Health Organization. Health Agenda for the Americas 2008-2017 [Internet]. Panama: 2007 [acesso em 2016 Out 21]. Disponível em: http://new.paho.org/hq/dmdocuments/2009/Health_Agenda_for_the_Americas_2008-2017.pdf

Pan American Health Organization. Public health in the Americas: conceptual renewal, performance assessment and bases for action. Washington: WHO Regional Office for the Americas; 2003.

Buendía-Rodríguez JA, Sánchez-Villamil JP. Using systematic reviews for evidence-based health promotion: basic methodology issues. Rev Salud Pública. 2006;8(Supl 2):94-105.

Souza LEPF. Saúde pública ou saúde coletiva? Espaç Saúde. 2014;15(4):7-21.

Victora CG, Habicht J-P, Bryce J. Evidence-based public health: moving beyond randomized trials. Am J Public Health. 2004;94(3):400-5.

Duarte EC. A informação, a análise e a ação em saúde. Epidemiol Serv Saúde. 2003;12(2):61-2.

Threlfall AG, Meah S, Fischer AJ, Cookson R, Rutter H, Kelly MP. The appraisal of public health interventions: the use of theory. J Public Health (Oxf). 2015;37(1):166-71.

Vidal EIO. O que esperamos das revisões sistemáticas no futuro. Cad Saúde Pública [Internet]. 2016 [acesso em 2017 Jul 14];32(9):eED010916. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000900101&lng=en

Mowat DL, Hockin J. Building capacity in evidence-based public health practice. Can J Public Health. 2002;93(1):19–20.

Lonas J. Connecting research and policy. Can J Policy Res. 2002;1:140-4.

Hatt LE, Chatterji M, Miles L, Comfort AB, Bellows BW, Okello FO. A false dichotomy: RCTs and their contributions to evidence-based public health. Glob Health Sci Pract. 2015;3(1):138-40.

World Health Organization. WHO Handbook for guideline development [Internet].. Geneva: WHO; 2012 [acesso em 2016 Ago 4]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/75146/1/9789241548441_eng.pdf

Balshem H, Helfand M, Schünemann HJ, Oxman AD, Kunz R, Brozek J, et al. GRADE guidelines: 3. Rating the quality of evidence. J Clin Epidemiol. 2011;64(4):401-6.

Brannon PM, Taylor CL, Coates PM. Use and applications of systematic reviews in public health nutrition. Annu Rev Nutr. 2014;34:401-19.

Cook DJ, Mulrow CD, Haynes RB. Systematic reviews: synthesis of best evidence for clinical decisions. Ann Intern Med. 1997;126(5):376-80.

El Dib RP, Atallah AN, Andriolo RB. Mapping the Cochrane evidence for decision making in health care. J Eval Clin Pract. 2007;13(4):689-92.

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes metodológicas Elaboração de revisão sistemática e metanálise de estudos observacionais comparativos sobre fatores de risco e prognóstico. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Stroup DF, Berlin JA, Morton SC, Olkin I, Williamson GD, Rennie D, et al. Meta-analysis of observational studies in epidemiology: a proposal for reporting. Meta-analysis Of Observational Studies in Epidemiology (MOOSE) group. JAMA. 2000;283(15):2008-12.

Moat KA, Lavis JN. Supporting the use of research evidence in the Americas through an online “one-stop shop”: the EVIPNet VHL. Cad Saude Publica. 2014;30(12):2697-701.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Avaliação de tecnologias em saúde: institucionalização das ações no Ministério da Saúde. Rev Saúde Pública. 2006;40(4):743-7.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.6753

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia