Representações sociais acerca dos riscos de acidentes de trabalho

Pablo Luiz Santos Couto, Andréia Cristina Gomes, Fernanda Fernandes Alves, Edmar Castelan, Rachel Verdan Dib, Magno Conceição Mercês, Antônio Marcos Tosoli Gomes

Resumo


Objetivo: Analisar as representações sociais de profissionais de enfermagem acerca dos riscos de acidentes de trabalho. Métodos: Estudo do tipo qualitativo, com eixo teórico na teoria das representações sociais, realizado com 70 profissionais de enfermagem (enfermeiros e técnicos) em regime de plantão noturno em um Hospital Regional do Município de Guanambi, Bahia, Brasil, no período de março e abril de 2017. Utilizou-se como técnica de coleta de dados a associação livre de palavras e a entrevista em profundidade. As evocações foram analisadas mediante a análise de conteúdo. Resultados: As palavras evocadas pelos entrevistados, com maior significação e frequência, para o termo indutor riscos ocupacionais, foram: acidente, segurança e bactéria. Para o outro termo indutor, riscos biológicos, foram: sangue, bactéria, secreção e contaminação. As representações sociais acerca dos riscos de acidentes de trabalho demonstram que o conhecimento científico é difundido no grupo, reforçando o quanto o assunto faz parte do cotidiano de trabalho, uma vez que é propagado e compartilhado entre eles. Os participantes representam os riscos e os acidentes como algo distante de suas realidades laborais, ou seja, pensam que não correm o risco de se contaminarem ou de sofrerem outro tipo de acidente. Conclusão: Os resultados demonstraram, através das representações sociais, que os profissionais de enfermagem sabem da existência dos riscos para os acidentes de trabalho, como os riscos ocupacionais e os riscos biológicos, reconhecendo o perigo, mas com o outro, não consigo, o que sugere uma dificuldade em distinguir a própria insegurança.

Palavras-chave


Saúde do Trabalhador; Acidentes de Trabalho; Enfermagem

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Neves ZCP, Tiplle AFV, Mendonça KM, Souza ACS, Pereira MS. Legislações e recomendações brasileiras relacionadas à saúde e segurança ocupacional dos trabalhadores da saúde. Rev Eletrônica Enferm. 2017;19:1-8.

Contreras GT, Torrealba BJ, Salinas MF. Enfermedades respiratorias laborales en Chile. Ley 16.744. Rev Chil Enferm Respir. 2014;30(1):27-34.

Miranda FMA, Cruz EDA, Félix JCV, Kalinke LP, Mantovani MF, Sarquis LMM. Perfil dos trabalhadores brasileiros vítimas de acidente de trabalho com fluidos biológicos. Rev Bras Enferm. 2017;70(5):1117-24.

Bezerra AMF, Bezerra KKS, Bezerra WKT, Athayde ACR, Vieira AL. Riscos ocupacionais e acidentes de trabalho em profissionais de enfermagem no ambiente hospitalar. Rev Bras Educ Saúde. 2015;5(2):1-7.

Neittzel RL, Long RN, Sun K, Sayler S, Von Thaden TL. Injury risk and noise exposure in firefighter training operations. Ann Occup Hyg. 2016;60(4):405-20.

Oliveira EC, Ponte MAC, Dias MAS, Silva ASR, Torres ARA, Ferreira VES. Análise epidemiológica de acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre profissionais de enfermagem. Sanare (Sobral, Online). 2015 [acesso em 2016 Dez 2];14(01):27-32. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/603/320

Tinubu BMS, Mbada CE, Oyeyemi AL, Fabunmi AA. Work-related musculoskeletal disorders among nurses in Ibadan, South-west Nigeria: a cross-sectional survey. BMC Musculoskelet Disord. 2016;11:12.

Wang Y, Xie J, Fang F, Wu S, Wang H, Zhang X, et al. The prevalence of primary headache disorders and their associated factors among nursing staff in North China. J Headache Pain. 2015;16(4):1-7.

Silva FFA, Farias HNCF, Costa RHS, Souza NL, Carvalho JBL, Silva RAS. Riscos de acidentes com materiais perfurocortantes no setor de urgência de um hospital público. J Res Fundam Care Online. 2016;8(4):5074-9.

Carvalho DC, Rocha JC, Gimenes MCA, Santos EC, Valim MD. Acidentes de trabalho com material biológico na equipe de enfermagem de um hospital do Centro-Oeste brasileiro. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2018;22(1):e20170140.

Lee ML, Howard ME, Horrey WJ, Liang Y, Anderson C, Shreeve MS. High risk of near-crash driving events following night-shift work. PNAS. 2016; 113(1):176-81.

Brasil. Lei Nº 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço de empresa ou de empregador doméstico ou pelo exercício do trabalho dos segurados referidos [acesso em 2016 Dez 2]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213compilado.htm

Brasil. Ministério do Trabalho. Portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978. Dispõe sobre NR 6-Equipamento de Proteção Individual – EPI [acesso em 2016 Dez 2]. Disponível em: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/839945.pdf

Brasil. Ministério do Trabalho. Portaria n.º 485, de 11 de novembro de 2005. Dispõe sobre NR 32 - Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde [acesso em 2016 Dez 2]. Disponível em:http://www.trtsp.jus.br/geral/tribunal2/ORGAOS/MTE/Portaria/P485_05.html

Moscovici S. Representações Sociais: Investigações em Psicologia Social. Petropólis: Vozez; 2012.

Lopes Joaquim F, Cavalcanti Valente GS. A relação da biossegurança com o custo-efetividade nas hospitalizações: nexos com a educação permanente. Enferm Glob. 2013;30(1):355-69.

Van der Molen HF, den Herder A, Warning J, Frings-Dresen MHW. National evaluation of strategies to reduce safety violations for working from heights in construction companies: results from a randomized controlled trial. BMC Public Health. 2016; 16(19):1-8.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento. 13ª ed. São Paulo: Editora Hucitec; 2013.

Coutinho MPL. Representações sociais: abordagem interdisciplinar. Paraíba: Ed Universitária/UFPB; 2003.

Gaskell G. Entrevistas individuais e grupais. In: Bauer MW, Gaskell G, organizadores. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petropólis: Vozes; 2002. p. 64-89.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2010.

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução n o 466, de 12 de dezembro de 2012 [acesso em 2016 Dez 2]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/reso466.pdf

Jovchelovitch S. Vivendo a vida com os outros:intersubjetividade, espaço público e representações sociais. In: Guareschi PA, Jovchelovitch S. Textos em representações sociais. Petrópolis: Vozes; 2012. p. 63-88.

Martins JT, Bobroff MCC, Andrade AN, Menezes GDO. Equipe de enfermagem de emergência: riscos ocupacionais e medidas de autoproteção. Rev Enferm UERJ. 2014;22(3):334-40.

Facchin LT, Gir E, Pazin-Filho A, Hayashida M, Canini SRMS. under-reporting of accidents involving biological material by nursing professionals at a brazilian emergency hospital. Int J Occup Saf Ergon. 2013;19(4):623-9.

Barros AA, Oliveira RM, Pinheiro AC, Leitão IMTA, Vale AP, Silva LMS. Práticas de incentivo à cultura de segurança por lideranças de enfermagem segundo enfermeiros assistenciais. Rev Enferm UFPE Online. 2014;8(12):4330-6.

Sousa AFL, Queiroz AAFLN, Oliveira LB, Moura MEB, Batista OMA, Andrade D. Representações sociais da Enfermagem sobre biossegurança: saúde ocupacional e o cuidar prevencionista. Rev Bras Enferm. 2016;69(5):864-71.

Souza FT, García MC, Rangel PPS, Rocha PK. Percepção da enfermagem sobre os fatores de risco que envolvem a segurança do paciente pediátrico. Rev Enferm UFSM. 2014;4(1):152-62.

Araújo TM, Caetano JÁ, Barros LM, Lima ACF, Costa RM, Monteiro VA. Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissionais de Enfermagem. Referência. 2012;7(3):7-14.

Wagner W. Descrição, explicação e método na pesquisa das representações sociais. In: Guareschi PA, Jovchelovitch S. Textos em representações sociais. Petrópolis: Vozes; 2012. p. 149-86.

Oliveira RJ, Cunha T. Estresse do profissional de saúde no ambiente de trabalho: causas e consequências. Cad Saúde Desenv. 2014;3(2):78-93.

Oliveira JDS, Alchieri JC, Pessoa JM Júnior, Miranda FAN, Almeida MG. Representações sociais de enfermeiros sobre o estresse laboral em um serviço de urgência. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(4):984-9.

Teixeira CAB, Gherardi-Donato ECS, Pereira SS, Cardoso L, Reisdorfer E. Estresse ocupacional e estratégias de enfrentamento entre profissionais de enfermagem em ambiente hospitalar. Enferm Glob. 2016; 44(3):299-309.

Guareschi PA, Jovchelovitch S. Textos em representações sociais. Petrópolis: Vozes; 2012.

Ruas EFG, Santos LS, Barbosa DA, Belasco AGS, Bettencourt ARC. Acidentes ocupacionais com materiais perfuro cortantes em hospitais de Montes Claros-MG. REME Rev Min Enferm. 2012;16(3):437-43.

Moraes KKO, Almeida LF, Silva LPM, Santos MLGF, Silva ES, Jesus CS. Exposição da equipe de enfermagem aos riscos biológicos em unidade de terapia intensiva: revisão integrativa. Rev Inova Saúde. 2016;5(2):163-84.

Ferreira LA, Peixoto CA, Paiva L, Silva QCG, Rezende MP, Barbosa MH. Adesão às precauções padrão em um hospital de ensino. Rev Bras Enferm. 2017;70(1):96-103.

Santos JLG, Vieira M, Assuiti LFC, Gomes D, Meirelles BHS, Santos SMA. Risco e vulnerabilidade nas práticas dos profissionais de saúde. Rev Gaúch Enferm. 2012;33(2):205-12.

Lubenow JAM, Moura MEB, Nunes BMVT, Figueiredo MLF, Sales LC. Representações sociais dos acidentes com materiais perfurocortantes. Rev Latinoam Enferm. 2012;20(6):1176-1185.

Negrinho NBS, Malaguti-Toffano SE, Reis RK, Pereira FMV, Gir E. Fatores associados à exposição ocupacional com material biológico entre profissionais de enfermagem. Rev Bras Enferm. 2017;70(1):133-8.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.7074

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia