Correlação entre atividade física e comportamento sedentário em estudantes

Otávio Amaral de Andrade Leão, Tiago Silva dos Santos, Marcelo Cozzensa da Silva

Resumo


Objetivo: Avaliar a correlação entre atividade física (AF) e comportamento sedentário (CS) de estudantes de Educação Física (EF) ao longo de um ano no curso de graduação. Métodos: Estudo quantitativo e longitudinal, envolvendo todos os acadêmicos dos cursos de licenciatura (diurno e noturno) e bacharelado da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) em 2014 (n=115) e o seu acompanhamento em 2015. A primeira coleta de dados ocorreu no início do primeiro semestre e o acompanhamento, após um ano no curso. A AF e o CS foram mensurados através da versão longa do International Physical Activity Questionnaire e realizou-se a análise de dados por meio do teste de correlação de Pearson. Resultados: A AF dos estudantes apresentou uma alta mediana na primeira e na segunda análise, e seu CS apresentou uma alta média na linha de base e no acompanhamento. Os dados não demonstram correlação entre AF e CS na linha de base (r=- 0,002). No entanto, após um ano, identificou-se uma correlação fraca, mas positiva (r=0,12). Conclusão: A correlação entre o comportamento sedentário e a atividade física em ambos os períodos é baixa, apesar de se observar um aumento tímido após o primeiro ano de graduação.

Palavras-chave


Atividade Motora; Estudantes; Estilo de Vida Sedentário.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, et al. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. Lancet. 2011;377(9781):1949-61.

Lee IM, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet. 2012;380(9838):219-29.

World Health Organization. Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva: WHO; 2011.

Wen CP, Wai JP, Tsai MK, Yang YC, Cheng TY, Lee MC, et al. Minimum amount of physical activity for reduced mortality and extended life expectancy: a prospective cohort study. Lancet. 2011;378(9798):1244-53.

Sedentary Behaviour Research Network. Letter to the editor: standardized use of the

terms “sedentary” and “sedentary behaviours”. Appl Physiol Nutri Metab. 2012;37:540-2.

Patel AV, Bernstein L, Deka A, Feigelson HS, Campbell PT, Gapstur SM, et al. Leisure time spent sitting in relation to total mortality in a prospective cohort of US adults. Am J Epidemiol. 2010;172(4):419-29.

Owen N, Healy GN, Matthews CE, Dunstan DW. Too much sitting: the population health science of sedentary behavior. Exerc Sport Sci Rev. 2010;38(3):105-13.

Ekelund U, Steene-Johannessen J, Brown WJ, Fagerland MW, Owen N, Powell KE, et al. Does physical activity attenuate, or even eliminate, the detrimental association of sitting time with mortality? A harmonised meta-analysis of data from more than 1 million men and women. Lancet. 2016;388(10051):1302-10.

Malta D, Andrade S, Santos M, Rodrigues G, Mielke G. Tendências dos indicadores de atividade física em adultos: Conjunto de capitais do Brasil 2006-2013. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015;20(2):141-51.

Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Ekelund U. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet. 2012;380(9838):247-57.

Hansen BH, Kolle E, Dyrstad SM, Holme I, Anderssen SA. Accelerometer-determined physical activity in adults and older people. Med Sci Sports Exerc. 2012;44(2):266-72.

Sallis JF, Bull F, Guthold R, Heath GW, Inoue S, Kelly P, et al. Progress in physical activity over the Olympic quadrennium. Lancet. 2016;388(10051):1325-36.

Azevedo MR, Menezes AM, Assunção MC, Gonçalves H, Arumi I, Horta BL, et al. Tracking of physical activity during adolescence: the 1993 Pelotas Birth Cohort, Brazil. Rev Saúde Pública. 2014;48(6):925-30.

Colares V, Franca CD, Gonzalez E. Condutas de saúde entre universitários: diferenças entre gêneros. Cad Saúde Pública. 2009;25(3):521-8.

Franca CD, Colares V. Estudo comparativo de condutas de saúde entre universitários no início e no final do curso. Rev Saúde Pública. 2008;42(3):420-7.

Sousa TF, José HPM, Barbosa AR. Condutas negativas à saúde em estudantes universitários brasileiros. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(12):3563-75.

Berbigier MC, Magalhães CR. Educação nutricional em universitários e estratégias para promoção de saúde institucional: revisão integrativa. Rev Bras Promoç Saúde. 2017;30(2):264-74.

Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, et al. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2001;6(2):5-18.

Silva PAC, Vaz VPS, Silva MC. Nível de atividade física no lazer e deslocamento e fatores associados em alunos de Educação Física em Coimbra - Portugal. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015;20(6):559-62.

Mielke GI, Silva IC, Owen N, Hallal PC. Brazilian adults' sedentary behaviors by life domain: population-based study. PloS one. 2014;9(3):e91614.

Santos TS, Leão OAA, Leite JS, Silva MC. Atividade física em acadêmicos de Educação Física: um estudo longitudinal. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;22(1):76-84.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.7200

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia