Utilização de leite materno em lactário por bebês internados em unidades de terapia intensiva

Manoella Pires Pinzon, Fernanda Oliveira Marques, Bruna Bellincanta Nicoletto

Resumo


Objetivo: Avaliar a quantidade de leite materno coletado e com destino à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal, em um hospital amigo da criança, no Sul do Brasil. Métodos: Estudo observacional, transversal e analítico, realizado no lactário do Hospital Geral de Caxias do Sul, no período de julho a dezembro de 2016. Foram coletados dados da quantidade de leite materno, considerando: entrada total para todos os setores, entrada e saída com destino à UTI Neonatal, desprezos por alta/óbito, degelo vencido e validade expirada. As variáveis categóricas estão apresentadas em números absolutos e percentuais e variáveis contínuas, como média ± desvio padrão. Realizou-se análise estatística através do programa Statistical Package for Social Sciences (SPSS), versão 20.0, considerando significância estatística p<0,05. Resultados: O valor de entrada total no lactário foi de 177.053 mL, a entrada de leite materno para a UTI Neonatal apresentou-se em 153.898 mL, e teve como saída 87,21% desse volume. Os números de desprezo representaram 4,04, 1,14 e 0,55%, respectivamente, sendo por alta/óbito, degelo e validade. A média diária do semestre de esgota para a UTI Neonatal foi 836,40±382,67 mL, e a média diária de utilização de leite materno para a UTI Neonatal de 729,44±341,54 mL. Conclusão: O lactário apresentou alta porcentagem de esgota e utilização de leite materno e baixo desprezo, demonstrando bom controle de armazenamento e sua importância dentro do hospital amigo da criança.

Palavras-chave


Leite Humano; Unidades de Terapia Intensiva Neonatal; Bancos de Leite; Extração de Leite

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


American Academy of Pediatrics. Breastfeeding and the use of human milk. Pediatrics. 2012;129(3):827-41.

Centers for Disease Control and Prevention. Breastfeeding [acesso em 2017 Mar 31]. Disponível em: https://www.cdc.gov/breastfeeding/promotion/index.htm

World Health Organization. Breastfeeding [acesso em 2017 Mar 31]. Disponível em: http://www.who.int/topics/breastfeeding/en/

Rodrigues C, Teixeira R, Fonseca MJ, Zeitlin J, Barros H, Portuguese EPICE (Effective Perinatal Intensive Care in Europe) Network. Prevalence and duration of breast milk feeding in very preterm infants: A 3-year follow-up study and a systematic literature review. Paediatr Perinat Epidemiol. 2018;1-10.

Victora CG, Bahl R, Barros AJ, França GV, Horton S, Krasevec J, et al. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, and lifelong effect. Lancet. 2016;387(10017):375-90.

Ministério da Saúde (BR). II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Boccolini CS, Boccolini PMM, Monteiro FR, Venâncio SI, Giugliani ER, et al. Breastfeeding indicators trends in Brazil for three decades. Rev Saúde Pública. 2017;51:108.

Martin CR, Ling Pei-Ra, Blackburn GL. review of infant feeding: key features of breast milk and infant formula. Nutrients. 2016; 8(5):279.

Sassá AH, SchmidtII KT, Rodrigues BC, Ichisato SMT, Higarashi IH, Marcon SS. Bebês pré-termo: aleitamento materno e evolução ponderal. Rev Bras Enferm. 2014;67(4):594-600.

Lonnerdal B, Forsum E. Casein contente of humam milk. Am J Clin Nutr. 1985;41(1):113-20.

Schneider N, Garcia-Rodenas CL. Early nutritional interventions for brain and cognitive development in preterm infants: a review of the literature. Nutrients. 2017;9(3):E187.

Lechner BE, Vohr BR. Neurodevelopmental outcomes of preterm infants fed human milk. Clin Perinatol. 2017;44(1):69-83.

Bonet M, Forcella E, Blondel B, Draper ES, Agostino R, Cuttini M, et al. Approaches to supporting lactation and breastfeeding for very preterm infants in the NICU: a qualitative study in three European regions. BMJ Open 2015;5(6):e006973.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada, n° 171. Regulamento Técnico para o funcionamento de Bancos de Leite Humano, de 4 de setembro de 2006 [acesso em 2017 Mar 31]. Disponível em: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/rdc-171-de-4-de-setembro-de-2006

Rede Global de Bancos de Leite Humano. PCLH - Hospital Criança Conceição: relatórios 2017 [acesso em 2017 Maio 19]. Disponível em: rblh.fiocruz.br/pt-br/pclh-hospital-crianca-conceicao

Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano. A rede brasileira de bancos de leite humano: dados estatísticos [acesso em 2017 Maio 19]. Disponível em: http://www.redeblh.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=352

Meneses TM, Oliveira MI, Boccolini CS. Prevalence and factors associated with breast milk donation in banks that receive human milk in primary health care units. J Pediatr (Rio J). 2017;93(4):382-88.

Nascimento MBR, Issler H. Aleitamento materno em prematuros: manejo clínico hospitalar. J Pediatr (Rio J). 2004;80(5 Supl):S163-72.

Organização Mundial da Saúde. Evidências científicas dos dez passos para o sucesso no aleitamento materno. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2001.

Cruz MR, Sebastião LT. Amamentação em prematuros: conhecimentos, sentimentos e vivências das mães. Distúrb Comun. 2015;27(1):76-84.

Halleux V, Pieltain C, Senterre T, Rigo J. Use of donor milk in the neonatal intensive care unit. Semin Fetal Neonatal Med. 2017;22(1):23-9.

Grazziotin AL, Grazziotin MC, Letti LA. Disposal of human milk donated to a human milk bank before and after measures to reduce the amount of milk unsuitable for consumption. J Pediatr (Rio J). 2010;86(4):290-4.

Lopes SS, Laignier MR, Primo CC, Leite FM. Baby-friendly hospital initiative: evaluation of the ten steps to successful breastfeeding. Rev Paul Pediatr. 2013;31(4):488-93.

Fundo das Nações Unidas para a Infância. Iniciativa Hospital Amigo da Criança [acesso em 2015 Out 23]. Disponível em: http://www.unicef.org/brazil/pt/activities_9994.htm




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.7252

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia