Estilo de vida e adesão ao tratamento de hipertensão arterial sistêmica em homens idosos

Aline de Sousa Falcão, Maira Geny Carvalho e Silva, Adalberto Fortes Rodrigues Junior, Silmara da Rocha Moura, Flávia Raymme Soares e Silva, Antônia Sylea de Jesus Sousa, Erisonval Saraiva da Silva, Igho Leonardo do Nascimento Carvalho

Resumo


Objetivo: Avaliar estilo de vida e adesão ao tratamento de hipertensão arterial sistêmica (HAS) em homens idosos. Métodos: Trata-se de estudo transversal, descritivo, com abordagem quantitativa, desenvolvido com 254 homens idosos, obedecendo aos seguintes critérios de inclusão: sexo masculino, idade igual ou superior a 60 anos e estar em acompanhamento da evolução da HAS na atenção primária. A coleta aconteceu por meio da aplicação de dois questionários: um semi-estruturado, contendo questões relacionadas a dados pessoais e familiares de condições de saúde e de estilo de vida, e o Questionário de Adesão ao Tratamento de Hipertensão Arterial Sistêmica (QTAHAS), entre outubro e dezembro de 2016. Resultados: A maioria dos homens idosos apresentou idade entre 70 e 79 anos (93; 36,5 %), estado civil casado/união estável (174; 68,5 %), aposentado (200; 78,7%). Houve predomínio dos hipertensos que deixam de tomar a medicação para HAS ao menos uma vez por ano, e comem praticamente sem gordura e sem doces e bebidas açucaradas (120; 47,2%). O estilo de vida é marcado pela coexistência de grupos alimentares que favorecem ao controle e descontrole da adesão ao tratamento de hipertensão em homens idosos. Conclusão: Constatou-se a adesão parcial dos homens idosos avaliados, os quais utilizam alguns hábitos saudáveis como mecanismo compensatório para manter práticas que dificultam a adesão ao tratamento.

Palavras-chave


Idoso; Estilo de vida; Hipertensão Arterial.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


World Health Organization. Adherence to long-term therapies: policy for action. Genebra: WHO; 2001 [acesso em 2016 Out 20]. Disponível em: http://www.who.int/chronic_conditions/en/adherencerep.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas da população residente no Brasil e unidades da Federação com data de referência em 1º de julho de 2013. Rio de Janeiro: IBGE; 2013 [acesso em 2017 Out 15]. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2015/estimativa_dou.shtm

Nunes TM, Martins AM, Manoel AL, Trevisol DJ, Trevisol FS, Cavalcante RASQ, et al. Hipertensão arterial sistêmica em idosos do município de Tubarão, SC – Brasil: estudo populacional. Int J Cardiovasc Sci. 2015;28(5):370-6.

Freitas JGA, Nielson SEO, Porto CC. Adesão ao tratamento farmacológico em idosos hipertensos: uma revisão integrativa da literatura. Rev Soc Bras Clin Med. 2015;13(1):75-84.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95(1 Supl 1):1-51.

Cipullo JP, Martin JFV, Ciorlia LAS, Godoy MRP, Cação JC, Loureiro AAC, et al. Prevalência e fatores de risco par hipertensão em uma população urbana brasileira. Arq Bras Cardiol. 2010;94(4):519-26.

Scala LC, Magalhães LB, Machado A. Epidemiologia da hipertensão arterial sistêmica. In: Moreira SM, Paola AV. Sociedade Brasileira de Cardiologia: livro texto da Sociedade Brasileira de Cardiologia. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2015. p. 780-5.

Ministério da Saúde (POR), Uva MS, Victorino P, Roquette R, Machado A, Dias CM. Prevalência e incidência da hipertensão arterial na população portuguesa. Lisboa: Ministério da Saúde; 2014.

Coutinho FHP, Sousa IMC. Percepção dos indivíduos com hipertensão arterial sobre sua doença e adesão ao tratamento medicamentoso na estratégia de saúde da família. Rev Baiana Saúde Pública. 2011;35(2):397-411.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da Saúde; 2013 [acesso em 2017 Set 10]. (Cadernos da Atenção Básica, n. 37). Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_37.pdf

Sociedade Brasileira de Hipertensão, Departamento de Hipertensão Arterial. Hipertensão ou Pressão alta. São Paulo: SBH; 2016 [acesso em 2016 Set 22]. Disponível em: www.sbh.org.br/geral/faq.asp

Ministério da Saúde (BR), Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012 [acesso em 2016 Set 22]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/smp_como_funciona.php

Gravina CF, Grespan SM, Borges JL. Tratamento não-medicamentoso da hipertensão no idoso. Rev Bras Hipertens. 2007;14(1):33-6.

Contiero AP, Pozati MPS, Challouts RI, Carreira L, Marcon SS. Idoso com hipertensão arterial: dificuldades de acompanhamento na Estratégia Saúde da Família. Rev Gaúch Enferm. 2009;30(1):62-70.

Baldissera VDA, Carvalho MDB, Pelloso SM. Adesão ao tratamento não-farmacológico entre hipertensos de um centro de saúde escola. Rev Gaúch Enferm. 2009;30(1):27-32.

Soares MM, Silva LOL, Dias CA, Rodrigues SM, Machado CJ. Adesão do idoso ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica: revisão integrativa. Cogitare Enferm. 2012;17(1):144-50.

Rodrigues MTP. Adesão ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica: desenvolvimento de um instrumento avaliativo com base na Teoria da Resposta ao Item (TRI) [tese]. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará, Universidade Federal do Ceará, Universidade de Fortaleza; 2012.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Caderneta de saúde da pessoa idosa. 4ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2017 [acesso em 2017 Out 22]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/27/CADERNETA-PESSOA-IDOSA-2017-Capa-miolo.pdf

QATHAS. Questionário de adesão ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica [acesso em 2016 Out 16]. Disponível em: http://www.qathas.com.br/

Machado CR. Prevalência de hipertensão arterial e fatores associados, Cambé – PR [monografia]. Londrina: Centro Universitário Filadélfia; 2012.

Picon RV, Fuchs FD, Moreira LB, Fuchs SC. Prevalence of hypertension among elderly persons in urban Brazil: a systematic review with meta-analysis. Am J Hypertens. 2013;26(4):541-8.

Dourado CS, Macedo-Costa KNF, Oliveira JS, Leabedal ODCP, Silva GRF. Adesão ao tratamento de idosos com hipertensão em uma unidade básica de saúde de João Pessoa, Estado da Paraíba. Acta Sci. Health Sci. 2011;33(1):9-17.

Bastos-Barbosa RG, Ferriolli E, Moriguti, JC, Nogueira CB, Nobre F, Ueta J, et al. Adesão ao tratamento e controle da pressão arterial em idosos hipertensos. Arq Bras Cardiol, 2012;99(1):636-41.

Kim MM, Howard DL, Kaufman JS, Holmes D. Predicting medication use in an elderly hypertensive sample: revisiting the Established Populations for Epidemiologic Studies of the Elderly Study. J Natl Med Assoc. 2008;100(12):1386-93.

Mendes GS, Moraes CF, Gomes L. Prevalência de hipertensão arterial sistêmica em idosos no Brasil entre 2006 e 2010. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(32):273-8.

Menezes TN, Oliveira ECT, Fischer MATS, Esteves GH. Prevalência e controle da hipertensão arterial em idosos: um estudo populacional. Rev Port Saúde Pública. 2016;34(2):117–24.

Pierin AMG, Marroni SN, Taveira LAF, Bensenor IJM. Controle da hipertensão arterial e fatores associados na atenção primária em unidades básicas de saúde localizadas na região oeste da cidade de São Paulo. Ciênc Saúde Colet. 2011;16(Supl 1):1389-400.

Ferreira RA, Barreto SM, Giatti L. Hipertensão arterial referida e utilização de medicamentos de uso contínuo no Brasil: um estudo de base populacional. Cad Saúde Púlica. 2014;30(4):815-26.

World Health Organization. Global atlas on cardiovascular disease prevention and control. Mendis S, Puska P, Norrving B, editors. Geneva: WHO; 2011.

Alves-Silva LS. Hipertensão arterial sistêmica e morbidade cardiovascular: foco na epidemiologia no Brasil. Rev Bras Hipertens. 2014;17(3-4):163-8.

Radovanovic CAT, Santos LA, Carvalho MDB, Marcon SS. Hipertensão arterial e outros fatores de risco associados às doenças cardiovasculares em adultos. Rev Latinoam. Enferm. 2014;22(4):547-53.

Bonadiman RL, Bonadiman SL, Silva DA. Avaliação da adesão ao tratamento medicamentoso e não medicamentoso de pacientes hipertensos atendidos no PSF Guaritá, Itaperuna-RJ. Acta Biomed Bras. 2012;3(1):73-84.

Machado ALG. Efeito do circulo de cultura na adesão ao tratamento e no letramento em saúde de idosos hipertensos [tese]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2015.

Vieira CPB, Nascimento JJ, Barros SS, Luz MHBA, Valle ARMC. Prevalência referida, fatores de risco e controle da hipertensão arterial em idosos. Ciênc Cuid Saúde. 2016;15(3):413-20.

Nogueira IC, Santos ZMSA, Mont´Alverne DGB, Martins ABT, Magalhães CBA. Efeitos do exercício físico no controle da hipertensão arterial em idosos: uma revisão sistemática. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2012;15(3):587-601.

Girotto E, Andrade SM, Cabrera MAS, Matsuo T. Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico e fatores associados na atenção primária da hipertensão arterial. Ciênc Saúde Coletiva 2013;18(6):1763-72.

Silva LFRS, Marino JMR, Guidoni CM, Girotto E. Fatores associados à adesão ao tratamento anti-hipertensivo por idosos na atenção primária. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2014;35(2):271-8.

Pereira IMO. Proposta de intervenção interdisciplinar para a adesão dos pacientes ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica. Liph Science. 2015;2(2):21-40.

Souza JD, Martins MV, Franco FS, Martinho KO, Tinôco AL. Padrão alimentar de idosos: caracterização e associação com aspectos socioeconômicos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(6):970-7.

Dias EG, Souza ELS, Mishima SM. Contribuições da enfermagem na adesão ao tratamento da hipertensão arterial: uma revisão integrativa da literatura brasileira. R Epidemiol Controle Infecç. 2016;6(3):138-44.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.7402

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia