Práticas e percepções de educadores quanto ao aleitamento materno

Bianca da Silva Alcantara Pereira, Elisangela Bellafronte, Maria de Lourdes de Almeida, Rosane Meire Munhak da Silva, Reinaldo Antonio Silva Sobrinho, Adriana Zilly

Resumo


Objetivo: Conhecer as práticas e percepções de profissionais da educação sobre o aleitamento materno. Métodos: Estudo exploratório e descritivo, de abordagem qualitativa. A coleta de dados ocorreu em 2015, com 19 profissionais da educação atuantes em berçários das creches de um município de fronteira do Sul do Brasil. Utilizou-se a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo para organizar e tabular os dados qualitativos. Resultados: A construção dos discursos do sujeito coletivo permitiu visualizar que, na percepção das professoras, o aleitamento materno é considerado negativo e não há benefícios nessa prática para crianças matriculadas no berçário I, principalmente pela indisponibilidade da mãe em ir à creche. Deste modo, considerou-se o local como não sendo um bom lugar para mãe amamentar. A percepção da profissional sobre o aleitamento materno o coloca como uma barreira à sua prática profissional e, por isso, o ensino, a manutenção e a promoção à amamentação não ocorrem. Além disso, foram mencionadas dificuldades quanto à infraestrutura escolar para a implementação do aleitamento. Conclusão: As profissionais consideram que o aleitamento materno pode ser uma barreira à sua prática profissional, relatam as dificuldades existentes para essa prática e, efetivamente, não o incentivam.

Palavras-chave


Aleitamento Materno; Berçários; Educação Infantil; Educação em Saúde.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Boccolini CS, Boccolini PMM, Monteiro FR, Venancio SI, Giugliani ERJ. Tendência de indicadores do aleitamento materno no Brasil em três décadas. Rev Saúde Pública. 2017;51:108.

Maia EM, Santiago LB, Sampaio ACF, Lamounier JA. Programa de apoio ao aleitamento materno exclusivo para mães trabalhadoras da iniciativa privada. Rev Med Minas Gerais. 2015;25(1):19-24.

Victora CG, Bahhl R, Barros AJD, França GVA, Horton S, Kraseyec J, et al. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms and lifelong effect. Lancet. 2016;387(10017):475-90.

Souza MHN, Sodre VRD, Silva FNF. Prevalência e fatores associados à prática da amamentação de crianças que freqüentam uma creche comunitária. Cienc Enferm. 2015;21(1):55-67.

Brasileiro AA, Ambrosano GMB, Marba STM, Possobon RF. Breastfeeding among children of women workers. Rev Saúde Pública. 2012;46(4):642-8.

Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu-Paraná. Secretaria Municipal de Educação [acesso em 2015 Fev 20]. 2014. Disponível em: http://www.pmfi.pr.gov.br/Portal/VisualizaObj.aspx?IDObj=13572

Lefevrè F, Lefevrè AMC. Pesquisa de representação social: um enfoque qualiquantitativo: a metodologia do discurso do sujeito coletivo. 2ª ed. Brasília: Liberlivro; 2012.

Martins GDF, Becker SMS, Leão LCS, Lopes RCS, Piccinini CA. Fatores associados a não adaptação do bebê na creche: da gestação ao ingresso na instituição. Psicol Teor Pesqui. 2014;30(3):241-50.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Brasil. Consolidação das Leis do Trabalho. Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. [acesso em 2018 Maio 23]. Disponível em: http://www.trtsp.jus.br/geral/tribunal2/LEGIS/CLT/TITULOIII.html

Wilhelm LA, Demori CC, Alves CN, Barreto CN, Cremonese L, Ressel LB. A vivência da amamentação na ótica de mulheres: contribuições para a enfermagem. Rev Enferm UFSM. 2015;5(1):160-8.

Rocha MG, Costa ES. Interrupção precoce do aleitamento materno exclusivo: experiência com mães de crianças em consultas de puericultura. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(4):547-52.

Araújo NL, Lima LHO, Oliveira EAR Carvalho ES, Dualibe FT, Formiga LMF. Alimentação dos lactentes e fatores relacionados ao aleitamento materno. Rev Rene. 2013;14(6):1064-72.

World Health Organization. Implementation guidance: protecting, promoting and supporting breastfeeding in facilities providing maternity and newborn services: the revised baby-friendly hospital initiative. Geneva: WHO; 2018.

Barbieri MC, Bercini LO, Brondani KJM, Ferrari RAP, Tacla MTGM, Sant’anna FL. Aleitamento materno: orientações recebidas no pré-natal, parto epuerpério. Semina Ciênc Biol Saúde. 2015;36(1):17-24.

Andrade ISN. Aleitamento materno e seus benefícios: primeiro passo para a promoção saúde. Rev Bras Promoç Saúde. 2014;27(2):149-50.

Goergen IB, Bosco SMD, Adami FS. Relação entre o peso ao nascer e o tempo de aleitamento materno com o estado nutricional atual de crianças. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(3):344-50.

Pudla KJ, Gonzaléz-Chica DA, Vasconcelos FAG. Efeito do aleitamento materno sobre a obesidade em escolares: influência da escolaridade da mãe. Rev Paul Pediatr. 2015;33(3):294-301.

Pomiecinski F, Guerra VMCO, Mariano REM, Landim RCSL. Estamos vivendo uma epidemia de alergia alimentar? Rev Bras Promoç Saúde. 2017;30(3):1-3.

Bossi TJ, Soares E, Lopes RCS, Piccinini CA. Adaptação à creche e o processo de separação-individuação: reações dos bebês e sentimentos parentais. Psico. 2014;45(2):250-60.

Souza JPO, Prudente AM, Silva DA, Pereira LA, Rinaldi AEM. Avaliação do conhecimento de funcionárias de escolas municipais de educação infantil sobre aleitamento materno e alimentação complementar. Rev Paul Pediatr. 2013;31(4):480-7.

Braga NP, Rezende MA, Fujimori E. Amamentação em creches no Brasil. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2009;19(3):465-74.

Warkentin S, Viana KJ, Zapana PM, Taddel JAAC. Fatores associados à interrupção do aleitamento materno exclusivo. J. Brazilian Soc Food Nutr. 2012:37(2):105-17.

Brasil. Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei 8.069/90, de 13 de Julho de 1990. Brasília: Senado Federal; 1990.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília, 1988.

São Paulo. Secretaria Municipal de Educação. Projeto de Lei 416/2016 que estabelece diretrizes aos centros educacionais infantis para permitir o aleitamento materno [acesso em 2018 Maio 23]. Disponível em: https://www.imprensaoficial.com.br/Certificacao/GatewayCertificaPDF.aspx?notarizacaoID=408ac142-58e7-4f49-a19a-8388d630bf1a

Martins RJ, Gonçalves TM. Apropriação do espaço na pré-escola segundo a psicologia ambiental. Psicol Soc. 2014;26(3):622-31.

Secretaria de Estado da Saúde do Paraná. Resolução SESA nº 0162, de 14 de fevereiro de 2005. Estabelece normas técnicas para os Centros de Educação Infantil. Curitiba: SESA; 2005.

Peres PLP, Pegoraro AO. Condições desiguais como causas para a interrupção do aleitamento. Rev Enferm UERJ. 2014;22(2):278-85.

Addati L, Cassirer N, Gilchrist K. Maternity and paternity at work: law and practice across the world. Geneva: National Labour Office; 2014.

Rollins NC, Bhandari N, Hajeebhoy N, Horton S, Lutter CK, Martines JC, et al. Why invest, and what it will take to improve breastfeeding practices? Lancet. 2016;387(10017):491-504.

Machado JS, Cechim PLR. Aleitamento materno exclusivo. Motivações e desmotivações das nutrizes de Eldorado do Sul (Brasil). Invest Educ Enferm. 2013;31(3):377-84.

Ribeiro JRIS. A percepção dos pais sobre as competências dos bebés [dissertação]. Lisboa: Instituto Universitário de Psicologia Aplicada; 2011.

Leal ARL. O ensino bilíngue na creche internacional curumim: uma experiência prática com crianças até 3 anos. EntreVer. 2013;3(5):64-75.

Secretaria de Estado da Educação do Paraná, Superintendência da Educação, Departamento de Educação e Trabalho. Orientações Curriculares para o Curso de Formação de Docentes da Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental, em Nível Médio, na Modalidade Normal. Curitiba: SEED/PR; 2014.

Nylander PIA, Santos RCB, Magalhães LS, Afonso T, Cavalcante LIC. Educadores infantis: aspectos da formação profissional e do trabalho em creche. Temas Psicol. 2012;20(2):666-77.

Oliveira TSC, Silva MC, Santos JN, Rocha DS, Alves CRL, Capanema FD, et al. Anemia entre pré-escolares: um problema de saúde pública em Belo Horizonte, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(1):59-66.

Pedrasa DF, Queiroz D, Sales MC. Doenças infecciosas em crianças pré-escolares brasileiras assistidas em creches. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(2):501-18.

Pedrasa DF. Linear growth of children attending public day care centers in the municipality of Campina Grande, Paraíba, Brazil. Rev Bras Epidemiol. 2016;19(2):451-63.

Longo-Silva G, Silveira JAC, Menezes RCE, Toloni MHA. Age at introduction of ultra-processed food among preschool children attending day-care centers. J Pediatr (Rio de J). 2017;93(5):508-16.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.7493

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia