Novas formas de cuidado através das práticas integrativas no sistema único de saúde

Wagner Couto Assis, Flávia Rocha Britto, Larissa de Oliveira Vieira, Eluzinete Sales dos Santos, Rita Narriman Silva de Oliveira Boery, Ana Cristina Santos Duarte

Resumo


Objetivo: Relatar a experiência na realização de oficina de fomento à reflexão sobre a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC). Síntese dos dados: Relato descritivo de experiência realizada no primeiro semestre de 2017, na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, em Jequié, Bahia, Brasil. A oficina ocorreu em cooperação com uma disciplina do Mestrado Acadêmico do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde (PPGES), da mesma universidade, com aproximadamente quatro horas de duração. Discentes com formação em Enfermagem, Psicologia e Odontologia mediaram a oficina, que teve como participantes estudantes dos cursos de Enfermagem e de Odontologia, sendo realizada com dinâmicas que abordavam a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares a partir da musicoterapia. Por meio das narrativas individuais, os participantes expressaram os significados da experiência e seus aprendizados. Conclusão: A realização de oficinas cria espaços de reflexão para que os futuros profissionais entendam a necessidade de incluir as Práticas Integrativas e Complementares em sua prática clínica e nos processos de trabalho. A experiência possibilitou vivências multiprofissionais, permitindo riqueza de olhares para o tema e a troca de experiência dos que vivenciaram a oficina, as quais serão incorporadas à rotina de trabalho como um processo efetivo, contínuo e ajustado às necessidades do Sistema Único de Saúde, valorizando a integralidade em saúde e a promoção global do cuidado humano.

Palavras-chave


Terapias Complementares; Saúde Pública; Atenção Primária à Saúde; Musicoterapia.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Organización Mundial de la Salud. Estrategia de la OMS sobre medicina tradicional 2002-2005. Genebra: Organización Mundial de la Salud; 2002.

Telesi E Junior. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estud Av. 2016;30(86):99-112.

Fischbom AF, Machado J, Fagundes NC, Pereira NM. A política das práticas integrativas e complementares do SUS: o relato de experiência sobre a implementação em uma unidade de ensino e serviço de saúde. Cinergis. 2016:17(4):358-63.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Portaria n. 971. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 2006.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Portaria n. 1600. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 2017.

Brasil. Portaria n. 971, de 3 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Portaria n. 702. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 2018.

Lima KMSV, Silva KL, Tesser CD. Práticas integrativas e complementares e relação com promoção da saúde: experiência de um serviço municipal de saúde. Interface Comun Saúde Educ. 2014;18(49):261-72.

Randow R, Campos KFC, Roquete FF, Silva LTH, Duarte VES, Guerra VA. Periferização das práticas integrativas e complementares na atenção primária à saúde: desafios da implantação do lian gong como prática de promoção à saúde. Rev Bras Promoç Saúde. 2016;29(Supl):111-7.

Sousa IM, Tesser CD. Medicina tradicional e complementar no Brasil: inserção no Sistema Único de Saúde e integração com a atenção primária. Cad Saúde Pública (Online). 2017 [acesso em 2018 Jan 06];33(1):e00150215. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2017000105006&script=sci_abstract&tlng=pt

Ministério da Saúde (BR), Secretária de Atenção a Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Queiroz MS. O sentido do conceito de medicina alternativa e movimento vitalista: uma perspectiva teórica introdutória. In: Nascimento MC, organizador. As duas faces da montanha: estudos sobre medicina chinesa e acupuntura. São Paulo: Hucitec; 2006. p.17-39.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Portaria MS/GM n. 2.488, de 21 de outubro de 2011. Atualiza a Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Scholze AS. Acolhimento com classificação de risco para a Estratégia Saúde da Família: a prática em uma unidade docente-assistencial. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(31):219-26.

Araújo TC, Silva LWS. Música: estratégia cuidativa para pacientes internados em unidade de terapia intensiva. Rev Enferm UFPE Online. 2013;7(5):1319-25.

Freitas LA, Azevedo EB, Costa LFP, Cordeiro RC, Silva G, Ferreira MO Filha. Musicoterapia como Modalidade Terapêutica Complementar para Usuários em Situação de Sofrimento Mental. Rev Enferm UFPE Online. 2013;7(12):6725-31.

Koelsch S. Brain correlates of music-evoked emotions. Nat Rev Neurosci. 2014;15(3):170-80.

Cyrino EG, Toralles-Pereira ML. Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e aprendizagem baseada em problemas. Cad Saúde Pública. 2004,20(3):780-8.

Monteiro DHM, Fermoseli AFO. Musicoterapia: contribuição como ferramenta terapêutica no auxilio a tratamentos de patologias adversas inseridas no âmbito da saúde. Cad Graduação Ciênc Biológicas Saúde. 2014:2(2):91-110.

Albuquerque MCS, Nascimento LO, Lyra ST, Trezza MCSF, Brêda MZ. Os efeitos da música em idosos com doença de Alzheimer de uma instituição de longa permanência. Rev Eletrônica Enferm (Goiânia). 2012:14(2):404-13.

Gurgel GD Jr, Sousa IMC, Oliveira SRA, Santos FAS, Diderichsen F. The National Health Services of Brazil and Northern Europe: universality, equity, and integrality-time has come for the latter. Int J Health Serv. 2017:47(4):690-702.

Caires JS, Andrade TA, Amaral JB, Calasans MTA, Rocha MDS. Utilização das terapias complementares nos cuidados paliativos: benefícios e finalidades. Cogitare Enferm. 2014;19(3):514-20.

Schveitzer MC, Esper MV, Silva MJP. Práticas integrativas e complementares na Atenção Primária em Saúde: em busca da humanização do cuidado. Mundo Saúde. 2012;36(3):442-51.

Câmara RMY, Campos MRM, Câmara RY. Musicoterapia como recurso terapêutico para a saúde mental. Cade Bras Saúde Mental. 2013;5(12):94-117.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.7575

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia