Atenção multiprofissional ao idoso em condição crônica na Estratégia Saúde da Família

Andressa Christiny da Silva Ferreira, Magda de Mattos

Resumo


Objetivo: Identificar a percepção da equipe multiprofissional sobre atenção à saúde dos idosos em condição crônica. Métodos: Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, desenvolvida em duas Unidades de Saúde da Família localizadas em um município da região sul do estado de Mato Grosso, Brasil, com nove profissionais de saúde. A coleta de dados ocorreu no período de fevereiro a julho de 2017, por meio de entrevista semiestruturada. De acordo com a análise de conteúdo, emergiram duas categorias: “Conhecimento teórico sobre o idoso crônico” e “Vivenciando a prática na promoção e prevenção de agravos à saúde dos idosos”. Resultados: Os profissionais demonstraram conhecer os principais aspectos que envolvem a condição crônica do idoso, contudo a atenção multiprofissional à saúde do idoso na Estratégia de Saúde da Família é uma prática fragmentada no cuidado e na educação em saúde. Conclusão: A atenção multiprofissional ao idoso em condição crônica ainda necessita de um envolvimento paritário de todos os seus membros, e carece de um maior conhecimento teórico e envolvimento da equipe com observação sistemática da política de promoção à saúde do idoso, a fim de realizar um atendimento de qualidade a esse grupo etário.

Palavras-chave


Idoso; Doença Crônica; Assistência à Saúde; Estratégia Saúde da Família.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19(3):507-19.

Organização Mundial de Saúde. Compartilhando responsabilidades na promoção de justiça, Sinus, 2014. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Silva MRF. Envelhecimento e proteção social: aproximações entre Brasil, América Latina e Portugal. Serv Soc Soc. 2016;(126):215-34.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS n° 687, de 30 de março de 2006. Institui a Política Nacional de Promoção da Saúde [acesso em 2018 Jun 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0687_30_03_2006.html

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº2.528 de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa [acesso em 2018 Jun 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt2528_19_10_2006.html

Valcarenghi RV, Lourenço LFL, SiewertI JS, Alvarez AM. Produção científica da Enfermagem sobre promoção de saúde, condição crônica e envelhecimento. Rev Bras Enferm. 2015;68(4):705-12.

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012.

Silva CG, Sena LB, Rolim ILTP, Sousa SMA, Sardinha AHL. Cuidados de enfermagem a pacientes com condições crônicas de saúde: uma revisão integrativa. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2017;9(2):599-605.

Goulart FAA. Doenças crônicas não transmissíveis: estratégias de controle e desafios e para os sistemas de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI, et al. Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública. 2012; 46(Supl 1):126-34.

Vello LS, Popim RC, Carazzai EM, Pereira MAO. Saúde do idoso: percepções relacionadas ao atendimento. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2014;18(2):330-5.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Bussab WO, Morettin PA. Estatística básica. São Paulo: Saraiva; 2002.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas da população dos municípios brasileiros com data de referencia em 1º de julho de 2017 [Internet]. Rio de Janeiro; 2017 [acesso em 2018 Jun 20]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=510760

Ministério da Saúde (BR). CNES: Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde [acesso em 2018 Jun 20]. Disponível em: http://datasus.saude.gov.br/sistemas-e-aplicativos/cadastros-nacionais/cnes

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Carnut L. Cuidado, integralidade e atenção primária: articulação essencial para refletir sobre o setor saúde no Brasil. Saúde Debate. 2017;41(115):1177-86.

Leite MT, Pai SD, Quintana JM, Costa MC. Doenças crônicas não transmissíveis em idosos: saberes e ações de agentes comunitários de saúde. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2015;7(2):2263-76.

World Health Organization. World report on ageing and health. [acesso em 2018 Jul 02]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle

Brito KQD, Menezes TN, Olinda RA. Incapacidade funcional: condições de saúde e prática de atividade física em idosos. Rev Bras Enferm. 2016;69(5):825-32.

Azevedo PAC, Modesto CMS. A (re)organização do núcleo de cuidado familiar diante das repercussões da condição crônica por doença cardiovascular. Saúde Debate. 2016;40(110):183-94.

Sá PHVO, Cury GC, Ribeiro LCC. Atividade física de idosos e a promoção da saúde nas unidades básicas. Trab Educ Saúde. 2016;14(2):545-58.

Lee IM, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet. 2012;380(9838):219-29.

World Health Organization. A global brief on hypertension: silent killer, global public health crisis. Geneva: WHO; 2013 [acesso em 2018 Jun 30]. Disponível em: http://ish-world.com/downloads/pdf/global_brief_hypertension.pdf

Peckham S, Falconer J, Gillam S, Hann A, Kendall S, Nanchahal K, et al. The organisation and delivery of health improvement in general practice and primary care: a scoping study Health Serv Deliv Res [Internet]. 2015;3(29) [acesso em 2018 Jun 20]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26131542

Santos ROM. O vínculo longitudinal como dispositivo do cuidado: Saúde da Família e doenças crônicas em uma comunidade do Rio de Janeiro [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2015.

Brenk-Franz K, Strauss B, Tiesler F, Fleischhauer C, Ciechanowski P, Schneider N, et al. The influence of adult attachment on patient self-management in primary care - the need for a personalized approach and patient-centred care. PLoS One. 2015;10(9):e0136723.

Moraes SDTA, Buchalla CM, Valenti VE, Leite L, Tanaka ACA, Macedo H Júnior, et al. Acolhendo o acolhedor: o caminho mais curto para a humanização da assistência. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum [Internet] 2009 [acesso em 2018 Jun 13];19(3):393-402. Disponível: http://www.revistasusp.sibi.usp.br/pdf/ rbcdh/v19n3/06.pdf

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Humanização – PNH. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Lima CA, Oliveira APS, Macedo BF, Dias OV, Costa SM. Relação profissional-usuário de saúde da família: perspectiva da bioética contratualista. Rev Bioét. 2014;22(1):152-60.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Muniz EA, Freitas CASL, Oliveira EN, Lacerda MR. Home care for the elderly in the family health strategy: perspectives on the care organization. Rev Enferm UFPE. 2017;11(Supl 1):296-302.

Ministério da Saúde (BR). Caderneta de saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde; 2008 [acesso em 2018 Jun 20]. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/caderneta_saude_pessoa_idosa.pdf

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. (Série A. Normas e Manuais Técnicos / Cadernos de Atenção Básica, n. 19).




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.7576

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia