Mortalidade de jovens por violência no Brasil: desigualdade espacial e socioeconômica

Ana Edimilda Amador, Marilane Vilela Marques, Marta Rovery de Souza, Dyego Leandro Bezerra de Souza, Isabelle Ribeiro Barbosa

Resumo


Objetivo: Analisar a distribuição da mortalidade de jovens por violência no Brasil de acordo com indicadores socioeconômicos. Métodos: Trata-se de um estudo ecológico, cujas unidades de análise foram as 482 Regiões Imediatas de Articulação Urbana (RIAU) do Brasil. A variável dependente foi a Taxa de Mortalidade Padronizada (TMP) por violência em jovens (15-29 anos). Realizou-se a análise bivariada para avaliação da correlação espacial entre a variável desfecho e as variáveis independentes e a significância dos clusters. Também se aplicou o teste de correlação de Pearson, entre as variáveis. Obteve-se o número de óbitos por meio do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) e os dados da população por meio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Resultados: Constatou-se fraca dependência espacial entre as variáveis contextuais e a TMP nas RIAU, com valores de Moran próximos de zero. Constatou-se fraca correlação de Pearson (r<0,3). Entretanto, observou-se a formação de clusters de altas taxas de mortalidade e piores condições socioeconômicas na Região Norte e no litoral do Nordeste. Conclusão: Foi observada uma distribuição desigual da mortalidade por violência no Brasil, mesmo com fraca correlação com as variáveis socioeconômicas selecionadas.

Palavras-chave


Mortalidade; Violência; Determinantes Sociais da Saúde.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Gawryszewski VP, Kahn T, Mello Jorge MHP. Informações sobre homicídios e sua integração com o setor saúde e segurança pública. Rev Saúde Pública. 2005; 39(4):627-33.

Ruotti C, Almeida JF, Regina FL, Massa VC, Peres MFT. A vulnerabilidade dos jovens à morte violenta: um estudo de caso no contexto dos “Crimes de Maio”. Saúde Soc. 2014;23(3):733-48.

Martins CBG, Jorge MHPM. Óbitos por causas externas em Cuiabá, 0 a 24 anos: perfil das vítimas e famílias segundo a intencionalidade. Rev Bras Epidemiol. 2013;16(2):454-68.

Minayo MCS. A Violência Social sob a Perspectiva da Saúde Pública. Cad. Saúde Públ., 1994;10(Supl 1):S7-S18.

Silva JG. Homicídio de jovens no Brasil: o desafio de compreender a consequência fatal da violência [tese]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2014.

Barata RB. O que queremos dizer com desigualdades sociais em saúde? In: Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2009. (Temas em Saúde collection). p. 11-21.

Ministério da Justiça (BR). Diagnóstico dos homicídios no Brasil: subsídios para o Pacto Nacional pela Redução de Homicídio. Brasília: Ministério da Justiça; 2015.

Patrício AP. O papel da violência interpessoal compreendida como a manifestação de uma endemia social: uma análise geográfica sobre o fenômeno no Brasil e Rio Grande do Norte [dissertação]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2014.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Diniz AMA. Migração, desorganização social e violência urbana em Minas Gerais. Rev RA´EGA. 2005;9:9-23.

Waiselfisz JJ. Mapa da violência 2011: os jovens do Brasil. Brasília. Instituto Sangari; 2011.

Costa DH, Schenker M, Njaine K, Souza ER. Homicídios de jovens: os impactos da perda em famílias de vítimas. Physis (Rio de J). 2017;27(3):685-705.

Guilherme RC, Reis CN. Plano Estratégico de Ação Social do MERCOSUL: a transferência de renda em contexto de ofensiva neoliberal. Rev Katálysis. 2018;21(1):108-24.

Andrade L, Nihei OK, Pelloso SM, Carvalho MDB. Homicídios juvenis e informalidade em um município brasileiro da tríplice fronteira Brasil, Paraguai e Argentina. Rev Panam Salud Publica. 2012;31(5):380-7.

Fonzar UJV, Soares DFPP, Santil FLP. Espacialização das três principais causas de morte no município de Maringá, Estado do Paraná, em 1996. Acta Sci Health Sci. 2002;24(3):765-74.

Cerqueira D, Lima RS, Bueno S, Valencia LI, Hanashiro O, Machado PHGM, et al. Atlas da Violência 2017. Rio de Janeiro: IPEA; 2017 [acesso em 2018 Maio 7]. Disponível em: http://ipea.gov.br/atlasviolencia/

Sousa ASB, Silva SC, Cavalcante MFA. Mortalidade por causas externas em adultos jovens em Teresina-PI no período de 2001-2011. Rev Interd. 2016;9(1):57-65.

Secretaria Geral da Presidência da República (BR), Secretaria Nacional de Juventude, Ministério da Justiça. Índice de vulnerabilidade juvenil à violência e desigualdade racial 2014. Brasília: Presidência da República; 2015. (Série Juventude Viva).

Barbosa KS, Coelho NMMS. A questão étnico-racial do sonho americano: o encarceramento dos pobres e negros no Estado policial. Rev Bras Segur Pública. 2017;11(1):164-82.

Medeiros TJ, Malfitano APS. Entre a violência e a cidadania: um olhar sobre a mortalidade juvenil. Mundo Saúde. 2015;39(1):62-73.

Nobrega JM. A queda da desigualdade de renda no Brasil e os homicídios na Região Nordeste. Rev Espaço Acadêmico, 2009;9(98):72-80.

Malta DC, Minayo MCS, Soares AM Filho, Silva MA, Montenegro MMS, Ladeira RM, et al. Mortalidade e anos de vida perdidos por violências interpessoais e autoprovocadas no Brasil e Estados: análise das estimativas do Estudo Carga Global de Doença, 1990 e 2015. Rev Bras Epidemiol, 2017; 20 Supl 1:142-56.

Câmara dos Deputados (BR). Relatório Final Comissão Parlamentar de Inquérito Homicídios de Jovens Negros e Pobres. Brasília: Câmara dos Deputados; 2015 [acesso em 2018 Maio 7]. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1361419

Waiselfisz JJ. Mapa da Violência 2016: homicídios por armas de fogo no Brasil. Brasília: FLACSO; 2016.

Sinhoretto J. A filtragem racial na seleção policial de suspeitos: segurança pública e relações raciais. In: Figueiredo I. Segurança pública e direitos humanos: temas transversais. Brasil: Ministério da Justiça; 2014. p. 121-59.

Cerqueira D. Causas e consequências do crime no Brasil [tese]. Rio de Janeiro: PUC; 2014.

Waiselfisz J. Mapa da Violência 2014: os jovens no Brasil. Brasília: FLACSO; 2014.

Figueira MG. Proposta de uma matriz de indicadores para as ações de gestão de informação da SENASP. Rev Bras Segur Pública. 2015;9(2):110-28.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.7992

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia