Percepção de coordenadores de saúde bucal sobre a rede de atenção à saúde bucal

Brunna Verna Castro Gondinho, Luciane Miranda Guerra, Jaqueline Vilela Bulgareli, Lívia Fernandes Probst, Karine Laura Cortellazzi, Rosana de Fátima Possobon, Antonio Carlos Pereira, Vinícius Alexandre da Silva Oliveira

Resumo


Objetivo: Aprofundar a temática “Redes de atenção à saúde bucal”, suas dificuldades de implantação e sugestões para sua operacionalização, segundo as percepções de coordenadores de saúde bucal. Métodos: Estudo de natureza qualiquantitativa, realizado com os quatro gestores das cidades, sedes das macrorregiões de saúde do Piauí, que responderam a questões referentes ao tema, sua realidade, dificuldades e sugestões. As respostas foram analisadas através do discurso do sujeito coletivo. Resultados: Os gestores pontuaram possíveis caminhos para a implementação da rede temática da saúde bucal e dificuldades a serem superadas: falta de adequação do setor de saúde às necessidades territoriais, precária estruturação dos níveis de atenção à saúde, insuficiência de recursos humanos e necessidade de maior conhecimento em relação às redes de atenção à saúde. Conclusão: Salienta-se que segundo os gestores inquiridos é possível a operacionalização do eixo temático saúde bucal em um contexto de implantação das Redes de Atenção à Saúde, ao mesmo tempo em que é preciso que sejam considerados os obstáculos assinalados para que seja possível construir os meios de superação dos mesmos.

Palavras-chave


Gestão em Saúde; Assistência à Saúde; Saúde Bucal

Texto completo:

PDF/A

Referências


World Health Organization. The world health report 2000: health systems, improving performance. Geneva: WHO, 2000.

Frenk, J. Bridging the divide: comprehensive reform to improve health in Mexico. Nairobi, Comission on Social Determinants of Health, 2006.

Mendes, EV. As redes de atenção à saúde. Ciênc Saude Coletiva. 2010;15(5):2297-305.

Paim, J; Travassos, C; Almeida, C; Bahia, L.; Macinko, J. O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios. The Lancet, Saúde no Brasil maio de 2011, p.11-31.

Lavras C. Descentralização, regionalização e estruturação de redes regionais de atenção à saúde no SUS. In: Ibanez N, Elias PEM, Seixas PHD, organizadores. Política e Gestão Pública em Saúde. São Paulo: Hucitec Editora: Cealag, 2011.

Mendes, EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes da Política Nacional de Saúde BucaL Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Brasil. Departamento de Atenção Básica, Secretaria de Atenção à Saúde, Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica 17: saúde bucal. Brasília: Minis­tério da Saúde; 2006. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Godoi, H; Mello, ALSF; Caetano, JC. Rede de atenção à saúde bucal: organização em municípios de grande porte de Santa Catarina, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30(2):318-332, fev, 2014.

Secretaria Estadual de Saúde do Piauí. Atualização do Plano Diretor de Regionalização do Estado do Piauí (PDR)– Pi: Diretoria de Unidade de Planejamento – DUP Piauí: 2015.20.p.

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O sujeito coletivo que fala. Interface-Comunic, Saúde, Educ. 2006; 10(20):517-524 [acesso em 2010 Nov 18]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v10n20/17.pdf.

Lefèvre F, Lefèvre AMC. Pesquisa de representação social. Um enfoque qualiquantitativo. Brasília: Líber Livro editora; 2012.

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O discurso do sujeito Coletivo. Caxias do Sul: Editora Educs; 2003.

Minayo MCS. O desfio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2007.

Pucca Jr, GA. Saúde bucal: a construção de um bem universal. Revista Espaço Acadêmico; n. 122; Jul: 2011; 109-110.

Antunes JLF & Narvai PC. Políticas de saúde bucal do Brasil. Rev Saúde Pública 2010;44(2):360-5.

Mello ALSF et al. Saúde bucal na rede de atenção e processo de regionalização. Ciência & Saúde Coletiva, 19(1):205-214, 2014.

Santos M. O país distorcido: o Brasil, a globalização e a cidadania. São Paulo: Publifolha; 2002.

Monken, M; Barcellos, C. Vigilância em saúde e território utilizado: possibilidades teóricas e metodológicas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21(3):898-906, mai-jun, 2005.

Silva, NEK; Sancho, LG; Figueiredo, WS. Entre fluxos e projetos terapêuticos: revisitando as noções de linhas de cuidado em saúde e itinerários terapêuticos. Ciência & Saúde Coletiva, 21(3): 843-851, 2016.

Malta, DC; Merhy, EE. O percurso da linha do cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface (Botucatu) 2010; 34(14): 593-606.

Ceccim, RB; Feuerwerker, LCM. O Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1):41- 65, 2004.

Narvai, PC; Frazão, P. Saúde bucal no Brasil: muito além do céu da boca. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008.

Narvai, PC. Avanços e desafios da Política Nacional de Saúde Bucal no Brasil. Tempus – Actas de Saúde Colet, 2011; 5 (3), 21-34.

Souza, GC; Lopes, MLDS; Roncalli, AG; Medeiros-Júnior, A; Clara-Costa, IC. Referência e contra referência em saúde bucal: regulação do acesso aos centros de especialidades odontológicas. Rev. salud pública. 17 (3): 416-428, 2015.

Cecilio, LCO; Andreazza, R; Carapinheiro, G; Araújo, ECA; Oliveira, LA; Andrade, MGG et al. A Atenção Básica à Saúde e a construção das redes temáticas de saúde: qual pode ser o seu papel?. Ciência & Saúde Coletiva, 17(11):2893-2902, 2012.

Martelli, P. J. L. et al. Análise do modelo de atenção à saúde bucal em municípios do estado de Pernambuco. Ciência & Saúde Coletiva, 13(5):1669-1674, 2008.

Silva, SF. Organização de redes regionalizadas e integradas de atenção à saúde: desafios do Sistema Único de Saúde (Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, 16(6): 2753-2762, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.8637

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia