O uso do world café como método de pesquisa junto às equipes de saúde

Marcelo Pedra Martins Machado, Maria Fabiana Damásio Passos

Resumo


Objetivo: Apresentar as características do World Café, identificando os principais aspectos que o torna uma estratégia de coleta de dados qualitativa que contribui para a interação e estimula a participação dos sujeitos de pesquisa. Métodos: Para tanto, foi utilizado como ponto de partida a utilização da referida técnica junto às equipes de saúde que atuam com pessoas em situação de rua no Distrito Federal – Brasil. Resultados e Conclusâo: Verificou-se que o World Café foi de grande relevância para a discussão de temas que são considerados balizadores para as práticas das equipes.

Palavras-chave


World Café; Equipes de Saúde; Políticas Públicas; Ação Interativa.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Bertolozzi, M.R., Nichiata, L.Y.I., Takahashi, R.F., Ciosak, S.I., Hino, P., Val, L.F., Guanillo, M.C.L.T.U., Pereira, E.G., Os conceitos de vulnerabilidade e adesão na Saúde Coletiva Rev Esc Enferm USP 2009; 43 (Esp 2): 1326-30. www.ee.usp.br/reeusp/

Brown, J., & Isaacs, D. (2008). The World Café: Awakening Collective Intelligence and Committed Action. In M. Torvey Collective Intelligence: Creating a Prosperous World at Peace.Earth Intelligence Network, Virginia.

Mandeli, M. C., Roland, M. I., Souza, G., Germani, A. C., Gouveia, N. & Dias, S. L. (2013). “Catando e reciclando saúde”: Relatos do 1º encontro universidade – movimento nacional de catadores de recicláveis. Cadernos Gestão Social, 4(2), 285–295.

Minayo, M. C. & Sanches, O. (1993). Quantitativo-qualitativo: Oposição ou complementaridade? Caderno de Saúde Pública, 9(3), 239-262.

Monteiro, S. O marco conceitual da vulnerabilidade social. 30 Sociedade em Debate, Pelotas, 17(2): 29-40, jul-dez./2011.

Rouquaryol, M. Z. A medida da saúde coletiva. In: epidemiologia & saúde, 4ªed. Cap.3 p.23-71 Rio de Janeiro: Medsi, 1993.

Serapioni, M. (2000). Métodos qualitativos e quantitativos na pesquisa social em saúde: Algumas estratégias para a integração. Ciência & Saúde Coletiva, 5(1), 187-192. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000100016

The World Café Community (2015). Café to go! A quick reference guide for hosting world café. Disponível em http://www.theworldcafe.com/wp-content/uploads/2015/07/Cafe-To-Go-Revised.pdf

Turrini, R. N. T., Lebrão, M. L., & Cesar, C. L. G. (2008). Resolutividade dos serviços de saúde por inquérito domiciliar: percepção do usuário. Cadernos de Saúde Pública, 24(3), 663-674.

Merhy, E.E. Em busca da qualidade dos serviços de saúde: Os serviços de porta aberta para a saúde e o modelo tecno-assistencial em defesa da vida (ou como aproveitar os ruídos do cotidiano dos serviços de saúde e colegiadamente reorganizar o processo de trabalho na busca da qualidade das ações de saúde). In: Cecílio LC de O, organizador. Inventando a mudança na saúde. São Paulo: Hucitec, 1994, p. 117-60.

Macareta, I.M. Traços de uma clínica de território: intervenção clínico-política na atenção básica com a rua. [Tese]. Niterói: Programa de Pós-graduação em Psicologia. Universidade Federal Fluminense; 2015.

Dagani, V.C. A resolutividade dos problemas de saúde: opinião de usuários em uma Unidade Básica de Saúde. [Dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2002.

D´Aguiar, J.M.M. O Programa Saúde da Família no Brasil: a resolutividade do PSF no município de Volta Redonda (RJ). [Dissertação]. Rio de Janeiro: Mestrado em Saúde Pública, ENSP/Fiocruz; 2001.

Travassos C, Martins M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cadernos de Saúde Pública, 2004, 20(2): 5190-8.

Almeida, P.F. de, Fausto, M.C.R., Giovanella, L. Fortalecimento da atenção primária à saúde: estratégia para potencializar a coordenação dos cuidados. Rev Panam Salud Publica, 2011, 29(2): 84-95.

Chioro, A. & Scaff, A. Saúde e cidadania: a implantação do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 1999.

Organização Pan Americana da Saúde. Rede Interagencial de Informação para a Saúde [RIPSA]. Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações. 2 ed. Brasília: OPAS; 2008.

Rouquayrol, M.Z. Medida da saúde coletiva. In: Rouquayrol MZ, Silva MGC da. Epidemiologia e saúde. 4 ed. Rio de Janeiro: Medsi; 1993. p. 23-71.

Machado, M.P.M. As práticas de cuidado produzidas pelas equipes de consultório na rua no Distrito Federal: características e desafios. [Dissertação]. Brasília: Mestrado Profissional em Políticas Públicas em Saúde, Escola Fiocruz de Governo/Fiocruz Brasília, 2017.T




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.8647

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia