Epidemiologia da mortalidade neonatal no Ceará no período de 2005-2015

Ana Nery Melo Cavalcante, Maria Alix Leite Araújo, Shirley Virino Silveira Lopes, Tássia Ívila Freitas de Almeida, Rosa Lívia Freitas de Almeida

Resumo


Objetivo: Analisar os diferenciais da mortalidade infantil, sua distribuição espacial no estado do Ceará e traçar o perfil epidemiológico dos óbitos neonatais. Métodos: Estudo ecológico, tendo os municípios como unidade de análise, que utilizou técnicas de análise espacial e regressão linear para identificar aglomerados espaciais e tendências da mortalidade na série de 2005 a 2015. Os dados foram coletados no DATASUS, no Sistema de Informação de Mortalidade e no Sistema de Nascidos Vivos, utilizando-se a base cartográfica do estado do Ceará, por município, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Resultados: A taxa de mortalidade infantil no período analisado foi de 14,7 por mil nascidos vivos, com redução significativa da linha de tendência com ajuste linear de 63% (R2 =88; p<0,001), predomínio do componente neonatal precoce (53,7%) e distribuição heterogênea da mortalidade infantil entre os municípios. A maioria das crianças era do sexo masculino (56,3%), prematuras (60,7%), apresentaram baixo peso ao nascer (64,1%), nasceram de parto vaginal (57,6%), tiveram óbito após o parto (84,3%) e como causa do óbito, afecções originadas no período neonatal e malformações congênitas (96,2%). Segundo as genitoras, destacou-se a faixa etária de 20 a 34 anos (51,6%), com escolaridade inferior a 12 anos de estudo (62,8%). Conclusão: Aglomerados de autocorrelação espacial foram identificados para a mortalidade geral e a neonatal precoce. Apesar da redução significativa da mortalidade no período, alguns municípios apresentaram taxas acima da média do estado.

Palavras-chave


Mortalidade Infantil; Perfil de Saúde; Perinatologia; Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


Gava C, Cardoso AM, Basta PC. Infant mortality by color or race from Rondônia, Brazilian Amazon. Rev Saúde Pública. 2017;51:1-9.

Caldas ADR, Santos RV, Borges GM, Valente JG, Portela MC, Marinho GL. Mortalidade infantil segundo cor ou raça com base no Censo Demográfico de 2010 e nos sistemas nacionais de informação em saúde no Brasil. Cad Saúde Pública. 2017;33(7):1-13.

Noronha GA, Torres TG, Kale PL. Análise da sobrevida infantil segundo características maternas, da gestação, do parto e do recém nascido na coorte de nascimento de 2005 no Município do Rio de Janeiro-RJ, Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2012;21(3):419-30.

Paula JD Jr, Lucas ES, Cunha LMC, Machado MGM, Pedrosa RL. Profile of neonatal mortality in the municipality of Ubá/ MG, Brazil (2008-2010). Rev Bras Pesqui Saúde. 2016;18(3):24-31.

Simões CCS. Perfis de saúde e de mortalidade no Brasil: uma análise de seus condicionantes em grupos populacionais específicos. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde - OPAS/OMS; 2002. 126 p.

Silveira MF, Santos IS, Barros AJD, Matijasevich A, Barros FC, Victora CG. Aumento da prematuridade no Brasil: revisão de estudos de base populacional. Rev Saúde Pública. 2008;42(5):957-64.

Brasil. Portaria nº 1.459, de 24 de Junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Diário Oficial da União; Brasília, 27 Jun. 2011; Seção 1.

Batista M Filho, Cruz RSBLC. A saúde das crianças no mundo e no Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2015;15(4):451-4.

Carvalho RAS, Santos VS, Melo CM, Gurgel RQ, Oliveira CCC. Inequalities in health: living conditions and infant mortality in Northeastern Brazil. Rev Saúde Pública. 2015;49:1-9.

Governo do Brasil. Mortalidade infantil continua em queda no Brasil. [Internet]. 2016. [acesso em 2017 Ago 26]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/editoria/saude/2016/11/mortalidade-infantil-continua-em-queda-no-brasil.

Secretaria de Saúde (CE). Informe Epidemiológico Mortalidade Infantil [Internet]. 2014. [acesso em 2017 Ago 26]. Disponível em: http://ww9.saude.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/9/2018/06/informe_mortalidade_infantil_set_2014.pdf.

Secretaria de Saúde (CE), Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde, Núcleo de Vigilância Epidemiológica. Boletim Epidemiológico de Mortalidade Materna, Infantil e Fetal [Internet]. 2017. [acesso em 2018 Jun 20]. Disponível em: http://www.saude.ce.gov.br/index.php/boletins?download...mortalidade-materna-infantil.

Pedrosa NL, Santos VF, Paiva SS, Galvão MTG, Almeida RLF, Kerr LRFS. Specialized care for people with AIDS in the state of Ceara, Brazil. Rev Saúde Pública. 2015;49:1-7.

Almeida MCS, Gomes CMS, Nascimento LFC. Análise espacial da mortalidade neonatal no estado de São Paulo, 2006–2010. Rev Paul Pediatr. 2014;32(4):374-80.

Arruda TAM, Amorim MMR, Souza ASR. Mortalidade determinada por anomalias congênitas em Pernambuco, Brasil, de 1993 a 2003. Rev Assoc Med Bras. 2008;54(2):122–6.

Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad Saúde Pública. 2014;30(Supl 1):S192-207.

Lima JC, Mingarelli AM, Segri NJ, Zavala AAZ, Takano OA. Population-based study on infant mortality. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(3):931-9.

Morais OL Neto, Barros MBA. Fatores de risco para mortalidade neonatal e pós-neonatal na Região Centro-Oeste do Brasil: linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis. Cad Saúde Pública. 2000;16(2):477-85.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.8739

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia