Utilização de plantas medicinais por pacientes hipertensos e diabéticos: estudo transversal no nordeste brasileiro

Taís Batista Virgínio, Karla Soares de Castro, Ana Luiza Almeida de Lima, Juliana Vieira Rocha, Isabela Melo Bonfim, Adriana Rolim Campos

Resumo


Objetivo: Descrever a utilização de plantas medicinais por pacientes hipertensos e/ou diabéticos atendidos em unidades de atenção primária à saúde e em um ambulatório especializado. Métodos: Pesquisa quantitativa, descritiva, exploratória e transversal, realizada em 16 Unidades de Atenção Primária à Saúde da Regional VI e em um ambulatório especializado do Hospital Universitário Walter Cantídio, em Fortaleza, Ceará, Brasil, de abril de 2014 a janeiro de 2015, com 122 participantes. Realizou-se uma entrevista, na qual foi aplicado um formulário composto por 41 perguntas, distribuídas em três partes: dados sociodemográficos; dados sobre a patologia, tratamento e adesão medicamentosa convencional; e dados sobre uso de plantas medicinais. A análise descritiva e inferencial dos dados partiu do programa Statistical Package for the Social Sciences, versão 20.0. Resultados: Dos 122 participantes, 66 (54,09%) eram do nível terciário de atenção, 50,82% eram maiores de 60 anos (n=62), 70,49% eram mulheres (n=86), 31,97% apresentavam ensino fundamental incompleto (n= 39), 45,08% eram aposentados/pensionistas (n=55), 55,74% viviam com companheiro (n=68) e 32,79% eram hipertensos/diabéticos (n=40). Verificou-se associação significativa entre uso de plantas e nível de atenção (p=0,0001), escolaridade (p=0,021) e patologia de base (p=0,0001). Conclusão: O uso de plantas medicinais se faz presente na população pesquisada e a elevada prevalência da utilização requer mais estudos acerca dos benefícios e malefícios dessa prática, bem como a capacitação dos profissionais envolvidos, com consequente segurança, eficácia e consumo racional pelos pacientes.

Palavras-chave


Plantas medicinais; Hipertensão; Diabetes Mellitus.

Texto completo:

PDF/A

Referências


World Health Organization. Traditional medicine strategy 2002-2005. Geneva: World Health Organization; 2002.

Ministério da Saúde (BR), Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Rodrigues AG, Santos MG, De Simoni C. Fitoterapia na saúde da família. In: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Programa de Atualização em Medicina de Família e Comunidade (PROMEF). Porto Alegre: Artmed; 2011. p. 131-65.

Castro MS, Barros NF, Alegre SM, Hoehne EL. O uso de terapia alternativa e complementar por pacientes diabéticos do tipo 2. Brasília Méd. 2010;47(1):17-25.

Nicoletti MA, Oliveira MA Jr, Bertasso CC, Caparossi PY, Tavares APL. Principais interações no uso de medicamentos fitoterápicos. Infarma [Internet]. 2007 [acesso em 2015 Jan 18];19(1-2):32-40. Disponível em: http://www.revistas.cff.org.br/infarma/article/view/222

Silva BQ, Hahn SR. O uso de plantas medicinais por indivíduos com hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus ou dislipidemias. R Bras Farm Hosp Serv Saúde [Internet]. 2011 [acesso em 2015 Jan 18];2(3):36-40. Disponível em: http://www.sbrafh.org.br/rbfhss/public/artigos/RBFHSSV2N3%20artigo07.pdf

Piuvezam G, Medeiros WR, Costa AV, Emerenciano FF, Santos RC, Seabra DS. Mortality from cardiovascular diseases in the elderly: Comparative analysis of two five-year periods. Arq Bras Cardiol [Internet]. 2015 [acesso em 2015 Jan 18];105(4):371-80. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/2015nahead/0066-782X-abc-20150096.pdf

Zeni ALB, Parisotto AV, Mattos G, Helena ETS. Utilização de plantas medicinais como remédio caseiro na Atenção Primária em Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2017 [acesso em 2015 Jan 11];22(8):2703-2712. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232017002802703&script=sci_abstract&tlng=pt

Parisius LM, Stock-Schröer B, Berger S, Hermann K, Joos S. Use of home remedies: across-sectional survey of patients in Germany. BMC Fam Pract [Internet]. 2014 [acesso em 2015 Jan 18];15:116. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24916173

Veiga VF Jr. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Rev Bras Farmacogn [Internet]. 2008 [acesso em 2015 Jan 18];18(2):308-13. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-695X2008000200027&script=sci_abstract&tlng=pt

Alexandre RF, Bagatini F, Simões CMO. Interações entre fármacos e medicamentos fitoterápicos à base de ginkgo ou ginseng. Rev Bras Farmacogn [Internet]. 2008 [acesso em 2015 Jan 18];18(1):117-26. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-695X2008000100021

Vieira RCF. Estudo do uso de plantas medicinais e/ou produtos à base de plantas medicinais com o tratamento complementar, por pacientes atendidos no Centro de Pesquisas Oncológicas CEPON/SC [dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2008.

Veiga VF Jr, Pinto AC, Maciel MAM. Plantas medicinais: cura segura? Quím Nova [Internet]. 2005 [acesso em 2015 Jan 18];28(3):519-28. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-40422005000300026&script=sci_abstract&tlng=pt

Newall CA, Anderson LA, Phillipson JD. Plantas medicinais: guia para professional de saúde. São Paulo: Editorial Premier; 2002.

Piriz MA, Mesquita MK, Cavada CT, Palma JS, Ceolin T, Heck RM. Uso de plantas medicinais: impactos e perspectivas no cuidado de enfermagem em uma comunidade rural. Rev Eletrônica Enferm [Internet]. 2013 [acesso em 2015 Jan 18];15(4):992-9. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/19773

Viganó J, Viganó JÁ, Cruz-Silva CTA. Utilização de plantas medicinais pela população da região urbana de Três Barras do Paraná. Acta Sci Health Sci [Internet]. 2007 [acesso em 2015 Jan 18];29(1):51-8. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHealthSci/article/view/106

Antonio GD, Tesser CD, Moretti-Pires RO. Phytotherapy in primary health care. Rev Saude Publica [Internet]. 2014 [acesso em 2015 Jan 18];48(3):541-53. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25119949




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.8754

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza - Ceará - Brasil - e-ISSN: 1806-1230

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia