Uma leitura espacial de The beast in the jungle, de Henry James

Sandro Araújo Freitas Filho, Natasha Vicente da Silveira Costa

Resumo


O objetivo deste artigo é estudar a espacialidade da novela The beast in the jungle, publicada por Henry James em 1903. Traduzida como
A fera na selva, essa obra de natureza existencial representa a espera letárgica de John Marcher por um acontecimento raro e prodigioso em sua vida. Pretendemos investigar, especificamente, a relação entre a construção espacial e a subjetividade dos personagens, com basenas considerações teóricas de Borges Filho (2007) e Brandão (2013), bem como nas leituras críticas de Bazargan (2008) e Simonds (2018). A metodologia se pauta na análise, de um lado, dos espaços físicos, que visam representar a materialidade que circunda os personagens, e, de outro, dos espaços metafóricos, que impelem essa dimensão física ao abstrato, à elaboração mental. Como resultado, observa-se que os espaços físicos e metafóricos são construídos de modo a não somente localizar os personagens, mas a expressar suas personalidades, reiterar a mensagem da novela, reverberar as experiências humanas e problematizar a conscientização de John Marcher.

Palavras-chave


Representação Espacial. Espaços Físicos. Espaços Metafóricos. Narrativa Jamesiana.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23180714.2018.8860

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista de Humanidades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2318-0714

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia