AIDS e feminização: os contornos da sexualidade

Maria Lúcia Chaves Lima, Ana Cleide Guedes Moreira

Resumo


Desde o surgimento da aids, a prevenção é tratada como uma
questão crucial para o controle da epidemia e, após mais de vinte
anos, a importância da prevenção não é menor, principalmente
levando-se em conta a feminização da aids. A rápida disseminação
da aids chamou atenção para as limitações da compreensão
da sexualidade humana, pois mesmo com todos os esforços
desenvolvidos com o intuito de esclarecer a população quanto às formas de contágio da aids e quanto ao que fazer para reduzir
os riscos de contaminação, não há o declínio esperado de novos
casos de infecção. Assim, considerando a aids como uma doença
capaz de produzir grande soma de sofrimento psíquico, o presente
estudo objetiva se inserir na discussão sobre a sexualidade
como um elemento fundamental no combate à aids. As autoras
sustentam que uma abrangente discussão sobre a sexualidade e
um enfrentamento aberto em relação ao desejo, podem ajudar na
elaboração de melhores estratégias de prevenção à aids. Quem
sabe se a sexualidade passar da ordem do unheimlich para a do
familiar, as pessoas fiquem mais preparadas ao se defrontar com
as possíveis situações de contaminação da aids? Portanto, faz-se
necessário um deslocamento das discussões sobre vírus para uma
discussão sobre o prazer que todas as pessoas, de um modo ou
de outro, buscam em suas práticas sexuais.
Palavras-chave: aids, prevenção, sexualidade, feminização, risco.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.8.1.103%20-%20118

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia