A Mulher e a Violência. Uma Devastação Subjetiva

Emilse Terezinha Naves

Resumo


A clínica com as mulheres que apresentam um intenso sofrimento psíquico em decorrência da submissão a reiteradas situações de violência doméstica e o número significativo de mulheres que se encontram nessa condição psicossocial coloca a necessidade de refletirmos sobre as condições de subjetivação dessas mulheres. Considerando o conceito freudiano de catástrofe e o conceito lacaniano de devastação para falar de uma relação intensa da filha com a mãe, proponho-me a examinar a ideia de que as mulheres em situação de violência apresentam um processo de destituição narcísica provocada por falência na possibilidade de estruturação de unidade imaginária, operada por uma relação com a mãe devastação que não lhe possibilitou a constituição de inscrição desejante. Desse modo, trata-se aqui de examinar as consequências que a relação mãe/homem, devastação produz para a constituição subjetiva dessas mulheres. Considero que a devastação operada na relação com a mãe é reeditado tragicamente em cada ato de agressão sofrida, colocando em cena a expressão de um gozo apartado da palavra. Essa situação leva, na minha análise à devastação subjetiva que se manifesta por desamparo e imensa falta de recursos para conseguir mudar de posição subjetiva, diante da emergência de um excesso que não consegue ser simbolizado.

Palavras-chave


violência; devastação; subjetividade; feminino; gozo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.14.3.453-462

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia