Angústia e Constituição Subjetiva: Do Objeto não Significantizável ao Significante

Ariana Lucero, Angela Maria Resende Vorcaro

Resumo


O presente artigo tem por objetivo mostrar como a incidência do significante na estruturação do sujeito, tal como definido por Jacques Lacan, é concomitante a uma perda do corpo vivo. Para tanto, abordaremos a transformação que se opera no sistema conceitual lacaniano a partir do seminário sobre a angústia: do corpo do estágio do espelho ao corpo restituído às suas particularidades anatômicas. Nesse percurso, mostraremos como o traço unário se coloca como uma marca corporal que antecede o significante, já que este necessita de três tempos para ser assimilado. Ademais, trataremos da extração do objeto a e sua relação com a angústia na medida em que o afeto se coloca como causa da perda, e não como efeito da castração. Interessa-nos apontar para a presença do objeto em certo momento da constituição subjetiva em que teríamos apenas as pulsões não integradas na imagem especular. Esses objetos pulsionais, que visam apenas o gozo, coexistem independentemente de qualquer organização ou cronologia, não são socializados ou partilháveis pela cultura. Assim, interrogamos a existência desses objetos não significantizáveis lado a lado aos objetos revestidos pela função fálica. O falo como significante da perda do objeto sinaliza o desejo. Porém algo subsiste para além do desejo, produzindo angústia e requerendo novos arranjos subjetivos e pulsionais.


Palavras-chave


angústia; objeto a; constituição subjetiva; traço unário; significante.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.16.2.60-70

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia