Anorexia: uma tentativa de separação entre o Sujeito e o Outro

Camilla Araújo Lopes Vieira

Resumo


A anorexia é compreendida pelo saber médico como um transtorno
alimentar que traz sua marca maior na recusa ao alimento. Partindo
do que poderia ser a anorexia para a Psicanálise, iniciamos nosso
texto já nos distanciando da referência ao simples “não comer”,
e passamos a entender a anorexia enquanto um comer nada. Tal
construção implica na tentativa, por parte do sujeito, de lançar o nada
enquanto objeto, operando um campo distinto entre ele e o Outro e,
conseqüentemente, demarcando seu espaço de desejo. Trabalhando
alguns conceitos importantes, em psicanálise, apontamos, na
anorexia, uma distinção nítida entre o seu desejo e o desejo do
Outro, ainda que possa utilizar a própria morte como condição.
Impossibilitado de dar o que não tem, o Outro oferece comida e
empanturra o sujeito com sua papinha sufocante, não distinguindo
os cuidados prestados com o dom de amor. Assim, nem epidemia
da atualidade, nem mero ideal propagado pela mídia. Localizada no espaço que se abre para o desejo, ela surge enquanto reivindicação
do sujeito. Mesmo que a morte esteja vislumbrada, ainda que como
última alternativa, o sujeito segue tentando fazer valer o seu desejo,
diferenciando-o do desejo do Outro. Chegamos à conclusão, pois,
de que a anorexia pode ser entendida como uma forma, por parte
do sujeito, de manter-se à distância do desejo do Outro, numa
reivindicação mesma de não abrir mão do seu próprio desejo.

Palavras-chave


psicanálise, anorexia, desejo, separação, sintoma

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.8.3.645-660

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia