A Dimensão de Domínio na Constituição do Ego

Pedro Henrique de Oliveira Efken

Resumo


O objetivo desse artigo é analisar a presença da dimensão de domínio na constituição do ego no pensamento freudiano. A noção freudiana de um aparelho psíquico forjado para dominar as excitações – que se originam no organismo e chegam à mente como exigência de trabalho em virtude de sua ligação com o corpo – abre uma perspectiva de leitura onde tal dimensão ocupa lugar central. De fato, embora Freud nunca tenha dedicado um artigo, ou mesmo um capítulo, à tematização da dimensão de domínio, esta se faz presente em toda a sua obra. No presente artigo, buscaremos mostrar como a dimensão de domínio, atrelada à polaridade atividade/passividade, atravessa a constituição do ego: da experiência alucinatória de satisfação, passando pelo autoerotismo/narcisismo, até estágios onde o ego já ascendeu ao registro simbólico; a passagem da passividade à atividade é essencial ao funcionamento psíquico e, portanto, à apropriação subjetiva realizada no narcisismo.

Palavras-chave


domínio, autoerotismo, narcisismo



DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.17.1.%25p

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia