Psicanálise e Literatura: Uma Proposta de Análise do Conto Berenice

Ana Alice da Silva Pereira, Caio César Souza Camargo Próchno

Resumo


Este artigo trata de uma análise do conto Berenice, de Edgar Allan Poe. O conto faz parte de uma coletânea de histórias de terror e mistério, e está inserido no que se chama de literatura fantástica. A análise proposta tem por base a psicanálise, considerando seu entendimento como método de conhecimento a partir da interpretação, sem, contudo, desconsiderar elementos da crítica literária. Foram pontos marcantes nos resultados deste estudo o surgimento da psicanálise e da literatura fantástica, a questão do duplo, o espaço na narrativa, o onírico, as fantasias acerca da cena aterrorizante e a literatura de terror como possibilidade de acessar o estranho e o desamparo, assim como realizar o desejo de transgressão do sujeito.

Palavras-chave


literatura; psicanálise; literatura fantástica, Poe; medo

Texto completo:

PDF/A

Referências


Carmo, A. (2014). O fantástico em “Berenice” de Edgar Allan Poe. Revista Memento: Revista do mestrado em Letras Linguagem, Discurso e Cultura, 5(1). http://periodicos.unincor.br/index.php/memento/article/view/1575

Bartucci, G. (2001). Sobre a eficácia clínica do processo de leitura. In G. Bartucci (Org.), Psicanálise, literatura e estéticas de subjetivação. Rio de Janeiro: Imago.

Bauman, Z. (2006). Medo líquido. Rio de Janeiro: Zahar.

Chauí, M. (1984). Repressão sexual: Essa nossa (des)conhecida. São Paulo: Brasiliense.

Eiras, P. (2010). Para que servem as histórias que metem medo? In E. Morujão, & Z. Santos (Coords.), Literatura culta e popular em Portugal e no Brasil: Homenagem a Arnaldo Saraiva. Porto, Portugal: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/10410.pdf

França, J. (2011). Fontes e sentidos do medo como prazer estético. Insólito, mitos, lendas e crenças, Anais do II Encontro Regional. O Insólito como questão na narrativa ficcional, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Freire, J. C. (2008). Literatura e psicologia: A constituição subjetiva por meio da leitura como experiência. Arquivos brasileiros de Psicologia, 60(2), 2-9. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672008000200002

Freud, S. (1893–1895/2008). Estudos sobre a histeria. In J. Strachey (Ed.), Edições Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 2). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1900/2008). A interpretação dos sonhos. In J. Strachey (Ed.), Edições Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 4). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1905/2008). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In J. Strachey (Ed.), Edições Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 7. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1915/2014). Introdução ao narcisismo, ensaios de metapsicologia e outros textos. In O inconsciente. São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, S. (1919/2014). O homem dos lobos e outros textos. In O inquietante. São Paulo: Companhia das Letras.

Furtado, F. (2007). A construção do fantástico na narrativa. Lisboa: Livros Horizonte.

Gama-Khalil, M. M. (2009). O espaço ficcional e a instauração do terror nos contos de Poe. Anais do Congresso Internacional Para Sempre Poe, Belo Horizonte, MG, Brasil, 242-250.

Hermann, F. (2004). Pesquisa psicanalítica. Ciência e cultura, 56(4), 1-8. http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252004000400014

Hermann, F. (2005). A psicanálise e a clínica extensa. Introdução: Clínica extensa. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kon, N. (2001). Psicanálise, literatura e estéticas de subjetivação. In De Poe a Freud: O gato preto. Rio de Janeiro: Imago.

Lovecraft, H.P. (2008). O horror sobrenatural em literatura. São Paulo: Iluminuras.

Malard, L. (2013). Literatura e Psicanálise: A mulher sem pecado, de Nelson Rodrigues. O eixo e a roda, 22(2), 175-189. http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/5388

Marzagão, L. R., Ribeiro, P. C., & Belo, F. R. R. (2012). Psicanálise e literatura: Seis contos da era de Freud. São Paulo: KRB.

Moraes, D. (2012). A relação entre leitor e texto literário: Uma abordagem psicanalítica. Rio de Janeiro: Zagodoni.

Oliveira, P. (2009). O conto policial e as origens da Psicanálise. Psicologia Clínica, 21(1),119-136. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-56652009000100009&script=sci_abstract&tlng=pt

Pereira, M. E. C. (1999). Pânico e desamparo. São Paulo: Escuta.

Poe, E. A. (1981a). Histórias extraordinárias. In Berenice. São Paulo: Abril.

Poe, E. A. (1981b). Histórias extraordinárias. São Paulo: Abril.

Poe, E. A. (1981c). Histórias extraordinárias. In A queda da casa de Usher. São Paulo: Abril.

Proença Filho, D. (2007). A linguagem literária (8ª ed). São Paulo: Ática.

Rank, O. (2014). O duplo: Um estudo psicanalítico (2. ed). São Paulo: Dublinense.

Safra, G. (2013). Investigação em psicanálise fora do consultório. In C. A. Serralha, & F. Scorsolini-Comin (Orgs), Psicanálise e Universidade: Um encontro na pesquisa (pp 19-26). Curitiba: CRV.

Skare, N. G. (2011). O conto de terror psicológico: A lógica do suplemento em Poe, Gilman e Akutagawa. Revista Cesumar Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, 16(2), 311-330.

Todorov, T. (2006). As estruturas narrativas (4ª ed). São Paulo: Perspectiva.

Todorov, T. (2014). Introdução à literatura fantástica (4ª ed). São Paulo: Perspectiva.

Villari, R. R. (2000). Relações possíveis e impossíveis entre a psicanálise e a literatura. Psicologia: Ciência e Profissão, 20(2), 2-7. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932000000200002




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i2.5205

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia