Novo Século, Antigo Mal-Estar: Uma História Recente da Psicanálise na França

Letícia Vier Machado, Fernando Aguiar, Adriana Rodrigues

Resumo


No início do século XXI, a psicanálise deparava-se com um novo período de instabilidade, fruto das mudanças no cenário mundial somadas às crises das instituições psicanalíticas. Na França, país onde as características peculiares de implantação e difusão da psicanálise concederam-lhe o status de verdadeira “exceção” em relação ao restante do mundo, a situação de crise foi sentida de maneira ainda mais intensa devido à demanda do Estado em regulamentar a prática psicanalítica, discussão que chegou ao seu ápice em 2003. O contexto exigia respostas que articulassem psicanálise e política em ações que pudessem atestar a importância da psicanálise no mundo contemporâneo. A investigação teórico-bibliográfica, fundamentada em metodologia qualitativa, apontou para o entendimento de que a saída encontrada pelo movimento psicanalítico francês em resposta a crise instalada ocorreu pela via do retorno à psicanálise aplicada à terapêutica, colocando-a no centro dos debates e ações. O objetivo deste artigo é recuperar parte dessa história recente da psicanálise francesa e seus impactos para os psicanalistas em todo o mundo, trazendo as nuances dos movimentos que se constituíram no referido período. Destaca-se a organização dos “Estados Gerais da Psicanálise”, movimento que reuniu psicanalistas de diferentes abordagens e filiações institucionais a fim de discutir os desafios para a psicanálise no novo século. Por fim, trazemos a experiência dos Centros Psicanalíticos de Consulta e Tratamento (CPCTs), criados para ofertar tratamento psicanalítico gratuito, de forma a evidenciar a utilidade social da psicanálise.

Palavras-chave


psicanálise aplicada, psicanálise e política, psicanálise e instituições, avaliação terapêutica

Texto completo:

PDF/A

Referências


Aguiar, F. (2005). Regulamentação das psicoterapias: o precedente francês. Percurso, 34 (1), 109-120.

Birman, J. (jan./jun. 2010). Crueldade e Psicanálise: uma leitura de Derrida sobre o saber sem álibi. Natureza Humana, 12 (1), 55-84.

Cottet, S. (2005). Efeitos terapêuticos na clínica psicanalítica contemporânea. In: T.C. Santos (Org.). Efeitos terapêuticos na psicanálise aplicada (pp.11-40). Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.

Derrida, J. (2000). Estados de Ánimo del Psicoanálisis: lo imposIble más allá de la soberana crueldad. Presentación a los Estados Generales del Psicoanálisis. Recuperado em 14 de julho de 2015 de http://www.ddooss.org/articulos/textos/derrida_psicoanalisis.pdf.

Fari, P. (2008). Entrevistas do momento atual nº10. Correio Revista da Escola Brasileira de Psicanálise, n° 61, p. 59-64.

Freda, H. (2006). CPCT de Paris, experiências e resultados. Opção lacaniana, n° 45, p. 6-7.

Freda, H. (2008). Entrevistas do momento atual nº13. Correio Revista da Escola Brasileira de Psicanálise, n° 61, p. 85-92.

Freud, S. (1992). Psicanálise. In: Œuvres complètes, v. 17. Paris: PUF. (Trabalho original publicado em 1926).

Freud, S. (2012). Contribuição à história do movimento psicanalítico. In: Obras completas, v. 11. São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1914).

Freud, S. (2013). O tabu da virgindade: contribuições à psicologia do amor III. In. Obras completas, v. 9. São Paulo: Companhia das letras. (Trabalho original publicado em 1917).

Freud, S. (2014). A questão da análise leiga. In: Obras completas, v. 17. São Paulo: Companhia das letras. (Trabalho original publicado em 1926).

Gueguen, P. (2003). A propósito da criação do Centro psicanalítico de consultas e de tratamento da ECF. In: Miller, J. (2002-2003). Um esforço de poesia. Curso da Orientação lacaniana, aula 09, 29/jan./2003. Inédito.

Kehl, M. R. (s.n.). O eu é um outro. Recuperado em 22 de abril de 2015, de http://www.mariaritakehl.psc.br/resultado.php?id=113.

Lacan, J. (2003). Ato de fundação. In: J. Lacan. Outros Escritos (pp. 229-247). Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original publicado em 1964).

Lacan, J. (2003). Proposição de 9 de outubro sobre o psicanalista na Escola. In: J. Lacan. Outros Escritos (pp. 248-264). Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original publicado em 1967).

Laplanche, J. (1998). Problemáticas I: a angústia. São Paulo: Martins Fontes.

Laurent, E. (1999). O analista cidadão. Curinga, Belo Horizonte, 13, 12-19. (Trabalho original publicado em 1996).

Laurent, E. (2011). Loucuras, sintomas e fantasias na vida cotidiana. Belo Horizonte: Scriptum.

Machado, L. V. (2016). A “Exceção Francesa”: uma Leitura sobre a Psicanálise na França (2003-2005). (Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina).

Major, R. (1997). As bases para os Estados Gerais. Recuperado em 05 de julho de 2015 de http://egp.dreamhosters.com/EGP/bases.shtml.

Major, R. (2003a). O inconsciente sociopolítico. Recuperado em 14 de julho de 2015 de http://egp.dreamhosters.com/arquivo/major-inconsciente.shtml.

Major, R. (2003b). Por que os Estados Gerais da Psicanálise, hoje? In: R. Major (Org.). Estados Gerais da Psicanálise (pp. 13-18). Rio de Janeiro: Contracapa Livraria.

Marie, P. (2004). Psychanalyse, psychothérapie: quelles différences. Paris: Aubier/Flammarion.

Merlet, A. (2008). Entrevistas do momento atual nº7. Correio Revista da Escola Brasileira de Psicanálise, 61, 41-46.

Mijolla-Mellor, S. (2004). La recherche en psychnalyse à l’université. Recherches en Psychanalyse, n° 1, p. 27-47.

Miller, J.-A. (2002-2003). Um esforço de poesia. Curso da Orientação lacaniana, aula 01, 13/nov./2002. Inédito.

Miller, J.-A. (2005). O sobrinho de Lacan: sátira. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Miller, J.-A. (2008). Entrevista do momento atual. Recuperado em 19 de agosto de 2015 de http://www.psicanaliselacaniana.com/mural/noticias/Jacques-AlainMillercomJorgeForbes-ENTREVISTADOMOMENTOATUAL.htm.

Rodrigues, A. (2016). A psicanálise e a política de assistência social brasileira: um diálogo possível? (Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina).

Rodrigues, H. (2005). O intelectual no “campo” cultural francês: do caso Dreyfus aos tempos atuais. Varia historia, Belo Horizonte, 21 (34), 395-413.

Roudinesco, E. & Plon, M. (1998). Dicionário de Psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Roudinesco, E. (1986). História da psicanálise na França: a batalha dos cem anos (1925-1985). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Roudinesco, E. (2005). O paciente, o terapeuta e o Estado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Roudinesco, E. (2009). Em defesa da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Tarrab, M. (2003). Politica lacaniana e clínica lacaniana. Opção lacaniana, 36, 3-5.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i1.5213

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia