A Polêmica do Tratamento Psicanalítico do Autismo: Dimensões Políticas, Sociais e Econômicas

Natália de Andrade de Moraes, Claudia Maria Perrone

Resumo


Este estudo problematiza a polêmica do tratamento psicanalítico do autismo, situando a forma como se apresenta atualmente no Brasil. Assumindo a indissociabilidade entre os campos político e clínico, propõe a discussão dos aspectos sociopolíticos e econômicos componentes do problema como via de compreensão contextual do que se apresenta como questão clínica. Nesse sentido, trabalha sobre o modo como os avanços da lógica comportamental testemunham um apagamento da dimensão do sujeito, levando à biologização do humano e à relações de supressão da diferença e do sofrimento,  discutindo os efeitos do pensamento neoliberal sobre o campo da saúde, especificamente em relação à psicanálise e ao autismo, de forma a evidenciar a submissão a uma lógica de mercado. Por fim, busca situar o lugar da psicanálise no contexto composto, sinalizando seu movimento de resistência à lógica de disputa incorporada nos debates sobre o tratamento do autismo.

Palavras-chave


psicanálise; autismo; clínica psicanalítica; psicanálise e política

Texto completo:

PDF/A

Referências


Barzun, J. (2002). O apagão na cultura. Veja, 14, 11-15.

Bezerra Jr., B. (2010). Neurociências e Psicanálise: definindo discordâncias para definir o diálogo. Rev. Associação Psicanalítica de Porto Alegre, 38, 145-159.

Brasil. (2012). Lei Nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Brasília, DF: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil.

Centro de Referência da Infância e Adolescência. (2012). Comunicado oficial da coordenação e da equipe técnica do CRIA-UNIFESP diante do encerramento de suas atividades. São Paulo. Recuperado de http://sedes.org.br/site/node/345

Conselho Regional de Psicologia/SP. (2012). CRP SP e Sinpsi se mobilizam contra edital do governo do estado de SP. São Paulo: CRP/SP.

Coriat, E. H. (2011). Os negros efeitos do DSM-IV. In Jerusalinsky, A. & Fendrik, S. (Orgs.). O livro negro da psicopatologia contemporânea (p.165-174). 2.ed. São Paulo: Via Lettera.

Dunker, C. I. L. (2013, 16 abril). Psicanálise e Ciência: do Equívoco ao Impasse [postagem em blog]. MPASP. Recuperado de https://psicanaliseautismoesaudepublica.wordpress.com/2013/04/16/psicanalise-e-ciencia-do-equivoco-ao-impasse/

Elia, L. (2013, 14 abril). Psicanálise, ciência e universidade [postagem em blog]. MPASP. Recuperado de https://psicanaliseautismoesaudepublica.wordpress.com/2013/04/14/psicanalise-ciencia-e-universidade/

Fendrik, S. & Jerusalinsky, A. (2011). Introdução. In Jerusalinsky, A. & Fendrik, S. (Orgs.). O livro negro da psicopatologia contemporânea (p.5-10). 2.ed. São Paulo: Via Lettera.

Ferrari, I. F. (2002). A psicanálise no mundo da ciência. Psicologia em Revista, 8(11), 82-91.

Freitas, I. (2004). Pode a biogenética suprimir o sujeito? In Magalhães, S. C. (Org.). O sujeito da psicanálise (p.37-45). Salvador: Associação Científica Campo Psicanalítico.

G5. (2013). Panorama das questões envolvendo psicanálise e autismo na França. Correio da APPOA - Dar a palavra aos autistas, 222/223, 55-79.

Guillot, V.P. (2014). Autismo: o Inserm valida a psicoterapia psicodinâmica. Lacan Quotidien, 447.

Harari, A. (2004). Sobre a honra e a vergonha. In Miller, J. A. Ornicar? De Jacques Lacan a Lewis Carroll (p.118-119). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Jerusalinsky, A. (2013a). Editorial. Correio da APPOA - Dar a palavra aos autistas, 222/223, 1-3.

Jerusalinsky, A. (2013b). Abordagem transdisciplinar da complexidade estrutural e clínica do autismo. Correio da APPOA - Dar a palavra aos autistas, 222/223, 93-100.

Kanner, L. (1943). Autistic disturbances of affective contact. The Nervous Child, 217-250.

Kehl, M. R. (2010). Psicanalista Política. Revista Cult. Recuperado de http://revistacult.uol.com.br/home/2010/12/psicanalista-politica/

Kupfer, M.C.M. (2011). Educação terapêutica para crianças com transtornos globais do desenvolvimento: uma alternativa à medicalização da educação. In Jerusalinsky, A. & Fendrik, S. (Orgs.). O livro negro da psicopatologia contemporânea (p.141-149). 2.ed. São Paulo: Via Lettera.

Kufer, M.C.M. (2013, 4 fevereiro). Entrevista: Psicanálise e autismo. Revista Brasileiros. Recuperada de https://www.youtube.com/watch?v=j6N91j38MAA

Laznik, M.C. (2004). A voz da sereia: o autismo e os impasses na constituição do sujeito. Salvador: Ágalma.

Maurano, D. Para que serve a Psicanálise? Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

Ministério Da Saúde. (2013). Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA). Brasília: Ministério da Saúde.

Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública. (2013, 26 setembro). Carta aberta ao Fantástico e ao Dr. Dráuzio Varella sobre a série Autismo: Universo Particular [postagem em blog]. MPASP. Recuperado de https://psicanaliseautismoesaudepublica.wordpress.com/2013/09/26/carta-aberta-ao-fantastico-e-ao-dr-drauzio-varella-sobre-a-serie-autismo-universo-particular/

Moreira, C. A. (2013, 01 junho). Dicionário abre discussão para separar doença e sanidade. Zero Hora - Segundo Caderno. Recuperado de http://zh.clicrbs.com.br/rs/entretenimento/noticia/2013/06/dicionario-abre-discussao-sobre-criterios-para-separar-doenca-e-sanidade-4157033.html

Perrone, C. M. (2012). A polêmica do autismo na França. SIG Revista de Psicanálise, 1(1), 99-102.

Roudinesco, E. (2000). Por que a psicanálise? Rio de Janeiro: Jorge Zahar.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i2.5242

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia