A Tragicidade do Sujeito do Discurso

Dionéia Monte-Serrat, Leda Verdiani Tfouni

Resumo


Os conceitos de discurso e tragicidade na atualidade nos remetem aos conceitos de ideologia e de sujeito. Utilizamos a perspectiva teóricada Análise do Discurso de Michel Pêcheux (1988), para definir discurso como efeito de sentidos entre interlocutores determinados sócio-historicamente e interpelados pela ideologia. A tragicidade do sujeito do discurso, sob essa perspectiva, pode ser concebida no paradoxo do funcionamento do mecanismo de interpelação, que dá origem ao sujeito: este, ao mesmo tempo em que se acredita autônomo e livre, tem sua liberdade emaranhada em determinações econômicas ou sociais. A esse sujeito tomado como “evidência descritiva” da ideologia contrapomos o sujeito que se constitui no discurso. Este último oferece resistência ao destino trágico do idealismo cuja função é de tentar apagar outros sentidos possíveis. Embora a interpelação pela ideologia mascare o caráter material do sentido - impondo a transparência de sentido, o sentido único -, Pêcheux (1988) traz um alerta sobre a possibilidade de resistência e revolta dentro do processo de assujeitamento, pois, para ele, a ideologia existe sob o modo da divisão, se realiza na contradição. O deslocamento ideológico, o imprevisível, interrompe a perpetuação das repetições do ritual ideológico. Esse acontecimento, sob a perspectiva da psicanálise - que concebe o sujeito como dividido e não centrado -, permite compreender o sujeito do discurso sob a dimensão de “efeito do significante” e nos leva a concluir que a subjetividade é um lugar que cumpre dupla função: a de evidenciar o assujeitamento e a de evidenciar a subversão deste, rompendo o círculo vicioso do idealismo, fazendo interromper o destino trágico do sujeito capturado pela interpelação ideológica.

Palavras-chave


subjetividade, ideologia, assujeitamento, Análise do Discurso, Psicanálise

Referências


Adorno, T.; Dews, P.; Benhabib, S.; Lacan, J.; Althusser, L.; Pêcheux, M.; Abercrombie, N., (1999). Um mapa da ideologia, org. Slavoj Zizek, trad. Vera Ribeiro, Rio de Janeiro: Contraponto.

Alacalá, C. (2005). Em torno de Observações para uma Teoria Geral das Ideologias de Thomas Herbert. In Estudos da Língua(gem), Vitória da Conquista, (1), 15-21, junho.

Bornhein,G. (1992). Breves observações sobre o sentido e a evolução do trágico, em O sentido e a máscara (3ª Ed.). São Paulo: Perspectiva, 69-92.

Carvalho, F. (2008). O sujeito no discurso: Pêcheux e Lacan. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, Área de Concentração: Linguística, Orientadora Profa. Dra. Maria Antonieta Amarante Mendonça Cohen, Belo Horizonte, MG.

Castro, R. (2006/2012). Existe uma tragédia cristã? palestra proferida no dia 27 de abril de 2006, na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo – USP, durante a 5ª semana de Estudos Clássicos e Educação.Acesso em 06 de setembro de 2012. Disponível em http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=2&ved=0CCoQFjAB&url=http%3A%2F%2Fwww.paideuma.net%2Ftextoroberto.rtf&ei=qfJIUOO2BIH89QTR8ICYAQ&usg=AFQjCNG-YeeT3SJTBjQK-IYw9LywsL-gaA&sig2=mjeuf0m3Ulx3zAkbdB4C4g

Charaudeau, P. (2006). Discurso político. São Paulo: Contexto.

Elia, L.(2004). O conceito de sujeito. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Foucault, M. (1969). L’Archeologie du savoir. Paris: Gallimard.

¬¬¬¬¬¬Foucault, M. (1976). La volonté du savoir (Histoire de la sexualité). Paris: Gallimard.

Foucault, M. (1984). L’usage des plaisirs (Histoire de la sexualité). Coleção Tel, edição de bolso, Paris : Gallimard.

Gaufey, G. (2010). El sujeto según Lacan. Buenos Aires : El cuenco de plata.

Gregolin, M. (2005). Michel Pêcheux e a história epistemológica da Linguística. In Estudos da Língua(gem), Vitória da Conquista, (1), 99-111, junho.

Haroche, C. (2003). Pensar a relação indivíduo e sociedade – entrevista com Claudine Haroche. In História: Questões & Debates, Curitiba: Ed. UFPR, (38), 225-237.

Haug, W. (1980). Uma aproximação da modalidade fascista do ideológico. In Faschismus und Ideologie, Argument-Sonderband 60, Berlin: ArgumentVerlag.

Lacan, J. (1964/1998). O sujeito e o outro (I): a alienação, In Lacan, J., O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Jaeiro: Jorge Zahar.

Leite, V. (2005). Só há Causa daquilo que Falha. In Estudos da Língua(gem), Vitória da Conquista, (1), 77-82, junho.

Machado, R. (2011). Foucault, a Filosofia e a Literatura. Acesso em 18 de setembro de 2011. Disponível em

https://books.google.com.br/books?id=Fh0FJFRziPAC&pg=PA45&lpg=PA45&dq=trag%C3%A9dia+foucault&source=bl&ots=v498-VAZS_&sig=CvT-LEeE1vFlCRCkSc8Ker7cpgU&hl=pt-BR#v=onepage&q=trag%C3%A9dia%20foucault&f=false

Mariani, B. (2003/2012). Subjetividade e imaginário lingüístico. In Revista Linguagem em (Dis)curso, (3), número especial, 2003. Acesso em 06 de setembro de 2012. Disponível em http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/246

Monte-Serrat, D. (2013). Letramento e discurso jurídico. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, FFCLRP-USP. Acesso em 12 de junho de 2016. Disponível em http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-14032013-104350/pt-br.php

Nicolazzi, F. (2011). As histórias de Michel Foucault. Acesso em 18 de setembro de 2011. Disponível em http://www.klepsidra.net/klepsidra12/foucault.html

Orlandi, E. (1987). O sentido dominante: a literalidade como produto da história. In A linguagem e seu funcionamento. Campinas: Pontes, 1987.

Orlandi, E. (2003). Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes.

Orlandi, E. (2005). Michel Pêcheux e a Análise do Discurso. In Estudos da Língua(gem), Vitória da Conquista, (1), 9-13, junho.

Paulino, M. (2008/2012). Reprovando o trágico: sociedade de consumo e poesia na escola, In Revista Mal-estar e subjetividade, v. 8, n. 3, Fortaleza, set. 2008. Acesso em 06 de setembro de 2012. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482008000300011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Pêcheux, M. (1975/1988). Les verités de la Palice. Linguistique, Semantique, Philosphie, trad. Eni Orlandi et al. Semântica e discurso. Uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Ed. da Unicamp.

Pêcheux, M. (1978). Are the masses an inanimate object?. In Sankoff, D. (1978) (org), Linguistic variation, Nova York: Academic Press, 251-267.

Pêcheux, M. (1982). Ideologia: aprisionamento ou campo paradoxal? In Orlandi, E., (2011) Análise de Discurso, Michel Pêcheux. Campinas: Pontes.

Pêcheux, M. (1982/1999). Sur la (dé)construction des théories linguistiques, DRLAV, (27), 1-24, trad. Celene M. Cruz e Clémence Jouët-Pastret, Sobre a (des)construção das teorias linguísticas, Línguas e instrumentos linguísticos. Campinas: Pontes.

Pêcheux, M. (1983).Ideologie – FestungoderparadoxerRaum? Das Argument, Berlin, n° 139, 379-387.

Pêcheux, M. (1988). Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Ed. Unicamp.

Pêcheux, M. (2002). O Discurso: estrutura ou acontecimento? (3ª Ed.). Campinas, SP: Pontes.

Rey, J.-M.(1981). L’épreuve de la psychanalyse, In Conien , B. (org.) Materialités Discursives. Lille : Presses Universitaires de Lille, 155-161.

Soler, C. (2011). Le statut du signifiant maître dans la psychanalyse et dans notre époque, Séminaire Champ Lacanien 2010-2011. Acesso em 28 de setembro de 2011. Disponível em http://nouvelles-psychanalytiques.blogspot.com/2010/10/statut-du-signifiant-maitre-dans-la.html

Zizek, S.(1999). O espectro da ideologia, In Adorno, Dews, P.; Benhabib, S.; Lacan, J.; Althusser, L.; Pêcheux, M.; Abercrombie, N. T., Um mapa da ideologia, trad. Vera Ribeiro, Rio de Janeiro: Contraponto.

Zoppi-Fontana, M. (2005). Objetos Paradoxais e Ideologia, Estudos da Linguagem, (1), Vitória da Conquista, junho, 41-59.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.17.1.%25p

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia