Panelaço e o Estado de Exceção: Uma Leitura Psicanalítica da Convulsão Social Brasileira dos anos 2015-2016

Marcus Cesar R. Teshainer, Nadir Lara Junior, Christian Ingo Lenz Dunker

Resumo


Nos anos 2015 e 2016, ocorreu, no Brasil, um evento político reconhecido pela mídia como Panelaço. Durante algumas transmissões televisivas da presidente Dilma, pessoas contrárias a seu governo batiam panelas nas janelas de suas casas. Esse comportamento teve algumas consequências na maneira de agir da governante que, em alguns momentos, abriu mão de se pronunciar. Este artigo, tendo como referencial teórico a psicanálise e o pensamento biopolítico do filósofo italiano Giorgio Agamben, pretende analisar o período descrito com o objetivo de tentar entender um modo brasileiro de fazer política e tomar esse evento como exemplo do Estado de exceção brasileiro.


Palavras-chave


psicanálise; panelaço; Dilma Rousseff; política; Brasil.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Agamben, G. (1995). Homo sacer: Il potere sovrano e la nuda vita (G. Einaudi, Ed.) Torino: Piccola Biblioteca Einaudi.

Agamben, G. (2003). Stato di eccezione.Torino: Bollati Boringhieri.

Agamben, G. (2008). Signatura Rerum. Torino: Bollati Boringhieri.

Druck, G. (2006). Os Sindicatos, os Movimentos Sociais e o Governo Lula: Cooptação e Resistência. OSAL, 6(19), 329-340.

Dunker, C. I. (2015). Mal estar, sofrimento e sintoma. São Pauo: Boitempo.

Freud, S. (2013). Totem e Tabu: algumas correspondências entre a vida psíquica dos selvagens e dos neuróticos (R. Zwick, Trad.) Porto Alegre: L&PM Editores. (Originalmente publicado em 1913).

Glynos, J. (2001). Social Research: An International Quarterly. Journal of political ideologies, 6, 191-214.

Glynos, J., & Stavrakakis, Y. (2008). Lacan and Political Subjectivity: Fantasy and Enjoyment in Psychoanalysis and Political Theory. Subjectivity, 24, 256-274.

Lacan, J. (1992). O Seminário, 17: O Avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1969-70).

Laclau, E. (2011). Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EDUERJ.

Laclau, E., & Mouffe, C. (2004). Hegemonia y Estratégia Socialista. Hacia una Radicalización de la Democracia. Buenos Aires: Fondo de Cultura Econômica.

Lara, N., J.r, & Ribeiro, C. T. (2011). Comunidades e o campo da política: Uma reflexão a partir da psicanálise. Fractal: Revista de Psicologia, 23(3), 579-594.

Marx, K. (1968). El Capital: Crítica de La Economía Política. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica. (Originalmente publicado em 1867).

Mouffe, C. (1999). Deliberative Democracy or Agonistic Pluralism? Social Research: An International Quarterly, 66(3), 745-758.

Vieira, R., J.r, & Mendonça, D. (2014). Rancière e Laclau: democracia além do consenso e da ordem. Revista Brasileira de Ciência Política, (13), 107-136.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i1.5368

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia