A Arte Urbana e seus Efeitos nos Processos de Subjetivação: Uma Revisão Bibliográfica no Campo da Psicologia

Ana Maria Rolim Sodré, Lílian Weber

Resumo


Na contemporaneidade, equipes multidisciplinares têm pensado em formas de reinventar as cidades para os cidadãos, transformando os espaços em lugares onde ocorram entrelaçamento social e humanização dos sujeitos. Assim, o espaço urbano tornou-se foco de intervenções, dentre elas a arte, que sai de museus e ganha as ruas. A arte urbana configura-se como uma prática social que envolve aspectos estéticos e significados sociais, afetando o cotidiano vivido pelos moradores das grandes cidades. Os efeitos da arte urbana nos processos de subjetivação constituem o pano de fundo deste artigo, que tem como objetivo analisar a produção acadêmica que articula arte urbana e psicologia. Para tanto, foi realizada uma revisão sistemática da literatura em artigos, publicados nas bases de dados PePsic e Scielo, no período de 2006 a 2015. Poucas foram as publicações encontradas relacionando arte urbana e psicologia. A relação da psicologia com a arte, conforme indicam as publicações do período, está atrelada à esfera terapêutico-clínica e à relação artista-obra. A relação de afetação naqueles que contemplam a obra é pouco explorada no campo da psicologia. Pensar nessa afetação, em particular na esfera pública, traria contribuições para desenvolver intervenções coletivas incidindo nos processos de subjetivação. Observa-se a existência de uma lacuna nesse campo do saber, sendo indicado o desenvolvimento de investigações acerca da interrelação da psicologia com a arte por seus efeitos na (re)invenção dos sujeitos e na produção de modos de vida.

Palavras-chave


psicologia; arte; subjetividade; arte urbana; grafite

Texto completo:

PDF/A

Referências


Antunes, B. (2011). Jan Gehl fala sobre cidades e escala humana. Revista de Arquitetura e Urbanismo Disponível em:

http://au.pini.com.br/arquitetura-urbanismo/215/jan-gehl-fala-sobre-cidades-e-escala-humana-250160-1.aspx Acesso em: 10/10/2015

Aragão, S. R. (2004). A Arte Como Expressão de Sentimentos e Catarse Emocional nos Processos Terapêuticos. Obvious. Disponível em:

http://obviousmag.org/transmutacao_psicologica_do_ser_e_alquimia_da_vida/2015/04/a-arte-como-expressao-de-sentimentos-e-catarse-emocional-nos-processos-terapeuticos.html Acessado em 04/12/2015.

Bachelard, G. (2008). A poética do Espaço. (2ª Ed.) São Paulo: Martins Fontes.

Carlos, A. F. A. (2007). O Espaço Urbano: Novos Escritos sobre a Cidade. São Paulo: FFLCH.

Coli, J. (1995). O que é arte. (15ª Ed.). São Paulo: Editora Brasiliense.

Creswell, J. W. (2010) Projeto de Pesquisa Métodos Qualitativo, Quantitativo e Misto. Porto Alegre: Artmed.

Debord, G. (2003). A Sociedade do Espetáculo. Editorações, tradução do prefácio e versão para eBook e BooksBrasil.com

Deleuze, G.; Guatarri, F. (2007) O que é a Filosofia? (5a. Reimpressão) Rio de Janeiro: Ed. 34.

Itaú. Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Plásticas. Intervenção Urbana (s/d.). Disponível em:http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo8882/intervencao. Acessado em 23/04/2016

Ferreira, M. A. (2011) Arte Urbana no Brasil: expressões da diversidade contemporânea São Paulo: Universidade Nove de Julho.

Fischer, E. (1976). A necessidade da arte. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Gomes, I. S.; Caminha, I. O. (2014). Guia para estudos de revisão sistemática: uma opção metodológica para as ciências do movimento humano. Movimento, Porto Alegre, v.20, n.01, p.395-411.

Gonçalves, G. A. (2007). Inscrições urbanas: uma cartografia dos processos de subjetivação envolvidos no graffiti. Belo Horizonte.

Guattari, F. (1992). Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Ed. 34.

Guattari, F.; Rolnik, S. (1999). Micropolítica: Cartografias do Desejo. Petrópolis: Vozes.

Jacobs, J. (2009). Morte e vida de grandes cidades. (2a. Ed.) São Paulo: Martins Fontes.

Lyotard, J.F. (1990). O Inumano: considerações sobre o tempo. Lisboa: Estampa.

Marzadro, F. (2013). Espaço público arte urbana e inclusão social. Revista NAU Social. p. 169 - 183.

Disponível em: http://www.periodicos.adm.ufba.br/index.php/rs/article/viewFile/302/249. Acessado em 01/03/2016

Ostrower, F. (1995). Acasos e criação artística. (2 ª ed.) Rio de Janeiro: Campus.

Peixoto, N. B. (1993). Intervenções Urbanas. Campinas: UNICAMP Periódico. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638237Acessado em 23/04/2016

Pelbart. P.P. (1993). A Nau Do Tempo-rei: sete ensaios sobre o tempo da loucura. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

Pol, E. (1992). Seis reflexiones sobre los procesos psicologicos en el uso, organizacion y evaluacion del espacio. In: Amérigo, M.; Aragonés, J.I. &. Corraliza, J. (Orgs.), El comportamiento en el medio natural y construido. Badajoz, Orellana: Junta de Extremadura. p. 121 -133.

Porto-Gonçalvez, C. W. (2012). A globalização da natureza e a natureza da globalização. (3ª. Ed.) Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Quintana, M. (2005). Mario Quintana. Organizado por Tânia Franco Carvalhal. Rio de Janeiro: Nova Aguilar.

Reifschneider, E. (2015). Arte em espaços não convencionais: grafite como força motriz da apropriação do espaço público urbano. Disponível em:

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/polemica/article/view/19352/14125. Acessado em 22/05/2016

Ribeiro, M. T. F. (2009). Introdução. In: RIBEIRO, M.T.F. and MILANI, CRS., (orgs.) Compreendendo a complexidade socioespacial contemporânea: o território como categoria de diálogo interdisciplinar [online]. Salvador: EDUFBA.

Sant’Anna, D. B. (2005). Corpos de Passagem: ensaios sobre a subjetividade contemporânea. São Paulo, Estação Liberdade.

Santos, C. N. F. (coord.). (1981). Quando a rua vira casa, A apropriação de espaços de uso coletivo em um centro de bairro. (2a. Ed.) Rio de Janeiro.

Schuch, E. M. M.; AXT, M.; TAROUCO, L. M. R. (2003). Linhas de Fuga no processo artístico com a tecnologia digital, Porto Alegre. CINTED UFRGS. Disponível em:

http://www.ufrgs.br/lelic/files_gerenciador_de_arquivos/artigo/2003/56/1373914315nao_marcado_linhas_de_fuga_no_processo_artistico_com_a_tecnologia_digital.pdf Acessado em 23/03/2016

Silva, A. (2014). Cidade para Pessoas: como Natália Garcia inventou uma empresa a partir de uma causa. Disponível em: http://projetodraft.com/cidade-para-pessoas/ . Acessado em 01/12/2015

Stubs, R.; Teixeira Filho, F. S.; Peres, W. S. (2014). A potência do cyborg no agenciamento de modos de subjetivação pós-identitários: conexões parciais entre arte, psicologia e gênero. Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922014000300785 Acessado em 23/04/ 2016

Tardivo, R. C. (2012). Uma perspectiva poética-crítica em psicologia da arte, Revista Psicologia Política. São Paulo. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2012000100011

Weber, L. (2012). PRODUZIR(-nos) ponto COM: A constituição do coletivo “Rede Humaniza SUS” e a produção cooperativa.UFRGS – Tese de Doutorado, Escola de Administração.

Weitz, M. (1956) O papel da teoria na estética. Artigo originalmente publicado em The Journal of Aesthetics and Art Criticism, XV, 27-35. Disponível em: http://criticanarede.com/fil_teoriaestetica.html Acessado em: 02/04/2016

Zanchet, L. Et alli. (2015). Outros Receituário Mais que Especial: uma intervenção urbana para pensar arte e pesquisa no contexto da Reforma Psiquiátrica. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832015000401039&script=sci_abstract&tlng=pt




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i2.5454

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia