Guerra, Tempo e Memória: Duas Notas sobre a Mortalidade Juvenil Brasileira

Andréa Máris Campos Guerra, Mariana da Costa Aranha

Resumo


O artigo propõe duas notas para analisar a guerra entre os jovens no microtráfico ilícito de drogas numa interface entre psicanálise e antropologia, a partir da noção entre tempo e memória. Na primeira nota, trabalhamos a hipótese de que a guerra teria a função de conectar passado e futuro, pois através da vingança haveria uma inscrição no tempo e uma marca cunhada na história, que se perpetua através da memória. A segunda nota trabalha o circuito das mortes no microtráfico incluindo o saber que o jovem lança mão para lidar com o mecanismo de exclusão a que estão submetidos. Neste sentido, trabalhamos a hipótese de que a morte desempenha uma função estrutural no sistema de vida destes jovens e comporta uma positividade, na medida em que escreve a presença destes sujeitos na cidade, ainda que pelas avessas. Ao serem nomeados pelos registros oficiais dos dispositivos de poder, os jovens ganham inscrição, ao mesmo tempo em que se apagam na escrita de um nome na história dos homens. Assim, correndo risco de vida na guerra do tráfico, os jovens parecem almejar não a morte, mas a inscrição de uma escrita marginal, que não ganha registro na língua do Outro social.

Palavras-chave


Psicanálise; Política; Antropologia; Juventude; Mortalidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


Arendt, H. (1979). Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva.

Foucault, M. (2003) A vida dos homens infames. In: ______. Estratégia, poder-saber. Ditos e escritos IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p.203-222.

Freud, S. (1976) Carta 52. In Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. I, pp. 324-331). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho orig-inal publicado em 1896)

Freud, S. (1976). Sobre a psicopatologia da vida cotidiana. In Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. VI, Cap. I, p. 19-24). Rio de Janeiro: Imago. (Texto originalmente publicado em 1901).

Freud, S. (1976). Duas mentiras contadas por ciranças. In Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. XII, pp. 381-389). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1913)

Freud, S. (1976) O Inconsciente. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. XIV, p. 191-251). Rio de Janeiro: Imago. (Texto originalmente publicado em 1915).

Freud. S. (1989). Reflexões para os tempos de guerra e morte. In Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. XIV, p. 311-339). Rio de Janeiro: Imago. (Texto originalmente publicado em 1915).

Guerra, A. M. C. (2011). Crítica de uma morte anunciada. In Garcia, C. Interfaces. Belo Horizonte: Ophicina de Arte & Prosa.

Le Breton, D. (2013) Une brève histoire de l'adolescence. Paris: JC Béhar.

Le Poulichet, S. (1996). O tempo na psicanálise. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

Lévi-Strauss, C. (2003) Introdução à obra de Marcel Mauss. In: Mauss, M. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naif.

Martins, A. S.; Guerra, A. M. C.; Canuto, L. G. G.; Neves, C. (2015) A guerra do tráfico como sistema de vida para adolescentes autores de ato infracional. Cultures-Kairós - Revue d'anthropologie des pratiques corporelles e des arts vivants, v. 05, p. 12.

Waiselfisz, J. J. (2013). Mapa da violência no Brasil – 2013: homicídios e juventude no Bra-sil. Acesso em 22 ago 2015, de http://www.sangari.com/midias/pdfs/MapaViolencia2013.pdf.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i3.5540

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia