Na Errância do “Menino de Rua”, um Ato Inventivo do Sujeito

Paula Cristina Monteiro de Barros, Christian Hoffmann

Resumo


O adolescente em situação de rua escancara, por meio de seu movimento errante, a degradação subjetiva e a mutilação social de sujeitos marcados, muitas vezes, desde o nascimento, pela ausência da possibilidade de reconhecimento social, relegados que estão à posição de dejeto a ser execrado. Ejetados da cena familiar e em resposta à exclusão social, os “meninos de rua” – expostos à radicalidade da violência, do banimento, da precariedade social, dos traumatismos, da ruptura de laços, da indiferença, do anonimato – vagueiam pelos espaços públicos, numa trajetória que ora ratifica a marca “menino de rua” e seus efeitos de aniquilamento do sujeito, ora a essa marca se opõe, delineando um movimento de vida e de resistência. Este trabalho resulta de inquietações advindas de uma experiência clínico-institucional e, partindo de proposições psicanalíticas acerca da condição errante do desejo e da errância estruturante do adolescente, pretende discutir o que se faz singular na errância do adolescente em situação de rua, tanto em termos de um vagar sem rumo certo do “menino de rua”, como de um ato inventivo, uma tomada de posição do sujeito adolescente. Nessa discussão, situaremos a instituição como um possível ponto de ancoragem para o sujeito; referente simbólico que, ao legitimar o recurso à palavra, subverte a lógica da exclusão social que emudece o sujeito, permitindo uma ultrapassagem da “marca da exclusão” para a rasura de um traço que enoda e faz laço social.


Palavras-chave


adolescente em situação de rua, errância, exclusão social, instituição

Texto completo:

PDF/A

Referências


Aulagnier, P. (2011). Angústia e identificação. In J. Lacan, A Identificação (pp.276-292). Recife: Centro de Estudos Freudianos.

Barros, P. C. M. (2015). “Eu vinha rodando pela rua”: Que ponto de ancoragem para o sujeito adolescente em situação de rua? (Tese de doutorado, Universidade Católica de Pernambuco, Recife).

Douville, O. (2002, Dezembro). Fundações subjetivas dos lugares na adolescência. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, 10(23), 76-89.

Douville, O. (2008). De l’adolescence errante. Variations sur les non-lieux de nos modernités. Nantes: Pleins Feux.

Dumézil, C., & Brémond, B. (2010). L’invention du Psychanalyste. Le trait du cas. Paris: Érès.

Fernandes, F. L. (2007). O que é Clínica do Traço. Recuperado de http://tempofreudiano.com.br/site/artigos/detalhe.asp?cod=56

Forget, J. M. (2008). Les troubles du comportement: Où est l’embrouille?Toulouse: Érès. Collection Psychanalyse et clinique.

Forget, J. M. (2009). Os sintomas não são mais sintomas. In M. F. Morais & M. A. Lyra (Orgs.), A criança e o adolescente no Século XXI: Desafios psicanalíticos, políticos e sociais (pp. 177-185). Recife: Centro de Estudos Freudianos do Recife.

Freud, S. (1996). Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise. In Obras Completas de Sigmund Freud (Vol. XII, pp. 123-133). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1912).

Fuks, B. B. (2000). Freud e a Judeidade: A vocação do exílio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Haie, B. & Douville, O. (2007). Le mathème du fantasme à l’adolescence. Psychologie Française, 52, 123-136.

Kafka, F. (2010). La Métamorphose. Paris: Flammarion.

Lacan, J. (1968). Scilicet. Paris: Éditions du Seuil.

Lacan, J. (1999). O Seminário. As formações do inconsciente: Livro 5. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1957-1958).

Lacan, J. (2005). O Seminário. A angústia: Livro 10. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1962-1963).

Lacan, J. (2007). O Seminário. O Sinthoma: Livro 23. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1975-1976).

Le Robert Dictionnaire de la langue française. (1998). Canadá: Dico Robert.

Lebrun, J. P. (2008). O futuro do ódio. Porto Alegre: CMC Editora.

Lebrun, J. P. (2010). O Mal-estar na subjetivação. Porto Alegre: CMC Editora.

Machado, A. (1973). Poesias completas. Madri: Espasa-Calpe.

Poli, M. C. (2005). Clínica da Exclusão: A construção do fantasma e o sujeito adolescente. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Pommier, G. (2013). Le nom propre: Fonctions logiques et inconscientes. Paris: Presses Universitaires de France.

Quinet, A (2013). O desejo entre errâncias e acertâncias. Recuperado de http://campolacanianobh.com. br/o-desejo-entre-errancias-e-acertancias-por-antonio-quinet/

Rassial, J.-J. (1997). A passagem adolescente: Da família ao laço social. Porto Alegre: Artes e ofícios.

Rosa, M. D. (1999). O discurso e o laço social dos meninos de rua. Psicologia USP, 10(2), 205-217.

Rosa, M. D. (2004). Uma escuta psicanalítica das vidas secas. In Associação Psicanalítica de Porto Alegre. Adolescência: Um problema de fronteiras (pp. 148-161). Porto Alegre: APPOA.

Rosa, M. D., & Poli, M. C. (2009). Experiência e linguagem como estratégias de resistência. Psicologia & Sociedade, 21, 5-12.

Rosa, M. D., Berta, S. L., Carignato, T. T., & Alencar, S. (2009). A condição errante do desejo: os imigrantes, migrantes, refugiados e a prática psicanalítica clínico-política. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 12(3), 497-511.

Santurenne, F. (2008). Façons de faire. In M. Czermak & C. Veken (Coords.), Les jardins de l’asile: Questions de Clinique usitée et inusitée (pp. 13-18). Paris: Association Lacanienne Internationale.

Segers, M.-J. (2009). De l’exil à l’errance. Toulouse: Érès éditions.

Sousa, E. L. A. (2007). Escrita das utopias: litoral, literal, lutoral. In A. Costa & D. Rinaldi, (orgs.), Escrita e Psicanálise (pp. 239-253). Rio de Janeiro: Companhia de Freud: UERJ.

Takeuti, N. M. (2002). No outro lado do Espelho: A Fratura Social e as Pulsões Juvenis. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Tyszler, J. J. (2011). As metamorfoses do objeto: Clínica da pulsão, da fantasia e da letra. Rio de Janeiro: Tempo Freudiano.

Vorcaro, A. (2010). Psicanálise e método científico: o lugar do caso clínico. In F. Kyrillos Neto & J. O. Moreira (orgs.), Pesquisa em Psicanálise: Transmissão na Universidade (pp.11-23). Barbacena MG: EdUEMG.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i3.5570

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia