Jovens “Infratores”, o RAP e o Poetar: Deslizamentos da “Vida Nua” à “Vida Loka”

Rose Gurski

Resumo


Este artigo apresenta o início de uma interlocução entre a Psicanálise e a socioeducação através da construção de uma Oficina de rap (Ritmos, Adolescência e Poesia) como dispositivo de pesquisaintervenção com adolescentes em conflito com a lei que se encontram em uma instituição de execução de medidas socioeducativas de privação de liberdade. Através do rap, buscamos extrair um pouco de “poesia” do cotidiano árido que compõe as vidas desses meninos. Ao escutar a dimensão do traumático da exclusão em suas narrativas, e contando com a potência da palavra e da música, buscamos um modo de evocar deslocamentos em algumas significações cristalizadas. O trabalho teve como sustentação teórico-metodológica a conjugação da psicanálise de Freud e Lacan articulada ao tema da experiência em Walter Benjamin. A partir da experiência nas Oficinas construímos algumas reflexões que ensejam o que temos proposto como diálogo da Psicanálise com a socioeducação. Nesse sentido, também ensaiamos uma reflexão acerca da posição desses sujeitos com o que Agamben conceitua sobre o “homo sacer” e a “vida nua”. As letras de rap enunciam o sofrimento que esses jovens sentem pela dimensão de suas vidas como “mera vida”. Como efeito do trabalho, entendemos o rap como um modo de poetar, que faz circular os significantes das vidas “ressacadas”, com o que relativiza o peso do lugar da exclusão. Deste modo, o artigo mostra a potência de se considerar o rap como um dispositivo passível de oferecer a esses meninos condições para que possam deslizar da “vida nua”, que lhes colocou na via do conflito com a lei, para tantas outras significações quanto a aventura com a polissemia da palavra e da música tenha condição de lhes propiciar.


Palavras-chave


adolescência; psicanálise; socioeducação; experiência; rap.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Agamben, G. (2002). Homo Sacer: O poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Agamben, G. (2008). O que resta de Auschwitz: O arquivo e a testemunha - Homo Sacer III. São Paulo: Boitempo.

Arendt, H. (1987). Homens em tempos sombrios. São Paulo: Companhia das Letras.

Arendt, H. (1999). Eichmann em Jerusalém: Um relato sobre a banalidade do mal. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Arendt, H. (2001). A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Betts, J. (2014). Desamparo e Vulnerabilidade no laço social – a função do psicanalista. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre,(45-46), 9-19.

Freud, S. (2004) Diário de Sigmund Freud: 1929-1939. Crônicas Breves. Porto Alegre: Artmed.

Freud, S. (2010). O mal-estar na civilização. In P. C. de Souza (Ed.), Obras Completas (Vol.18, pp. 13-122). São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, S. (2010). Recomendações ao Médico que Pratica a Psicanálise. In P. C. de Souza (Ed.), Obras Completas (Vol.10, pp. 147-162). São Paulo: Companhia das Letras.

Gagnebin, J. (2008). Apresentação. In G. Agamben, O que resta de Auschwitz: O arquivo e a testemunha - Homo Sacer III (pp. 09-17). São Paulo: Boitempo.

Guerra, A. M. C., & Martins, A. S. (2013). Psicanálise e Política: Contribuições metodológicas. Revista Borromeo, 4, 90-111.

Gurski, R. (2012). Três ensaios sobre juventude e violência. São Paulo: Escuta.

Gurski, R. & Strzykalski, S. (no prelo). A Pesquisa em Psicanálise e o “Catador de Restos”: enlaces metodológicos. Revista Ágora: estudos em teoria psicanalítica.

Gurski, R. (2017). Os novos sintomas na educação de hoje: notas sobre o saber-fazer com isso. In: Pereira, Marcelo (Org.). Os sintomas na educação de hoje: o que fazemos com isso? (pp. 217-224). Belo Horizonte: Scriptum.

Koltai, C. (1998). A segregação: Uma questão para o analista. In C. Koltai (Org.), O Estrangeiro (pp. 105-111). São Paulo: Escuta/FAPESP.

Koltai, C. (2014). O desejo do psicanalista face ao desamparo contemporâneo. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, 45-46, 20-31.

Lacan, J. (1985). O Seminário, livro 2: O eu na teoria de Freud e na técnica da Psicanálise (1954-1955). Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1997). O Seminário, livro 7: A ética da psicanálise (1959-1960). Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1998). A direção do tratamento e os princípios de seu poder. In J. Lacan, Escritos (pp. 591-652). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1998). Variantes do tratamento padrão. In J. Lacan, Escritos (pp. 325-364). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2003). Proposição de 9 de outubro de 1967 sobre o psicanalista da Escola. In J. Lacan, Outros Escritos (pp. 248-264). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Levi, P. (1988). É Isto um Homem? Rio de Janeiro: Rocco.

Martins, A. S. (2014). Homo sacer, sujeitos abandonados ao crime. Correio da APPOA, 240. Recuperado http://www.appoa.com.br/correio/edicao/240/homo_sacer_sujeitos_abandonados_ao_crime/158

Mendes, A. A. (2015). O efeito-equipe e a construção do caso clínico. Curitiba: CRV Editora.

Rinaldi, D., & Alberti, S. (2009). Psicanálise, Saúde mental e Universidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9(2), 533-545.

Rosa, M. D. (2004). A escuta psicanalítica das vidas secas. In APPOA, Adolescência: um problema de fronteiras (pp. 148-161). Porto Alegre: APPOA.

Sarlo, B. (2013). Sete ensaios sobre Walter Benjamin e um lampejo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Teperman, R. (2015). Se liga no som: as transformações do RAP no Brasil. Rio de Janeiro: Companhia das Letras.

Vorcaro, A., Mendes, A., Miranda, N., & Souto, B. (2015). Construção do caso clínico em instituições. [Resumo]. In Resumos da XV Jornada Corpolinguagem/VII Encontro Outrarte. Montevidéu, Uruguai.

Zizek, S. (2003). Bem-vindo ao deserto do real: Cinco ensaios sobre o 11 de setembro e datas relacionadas! São Paulo: Boitempo.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i3.5573

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia