Viver sem o Objeto

Giovanna Amanda Presa, Maria Virgínia Filomena Cremasco

Resumo


O presente artigo tem como objetivo realizar uma leitura clínica psicanalítica do filme “Viver sem endereço” (2014), de Paul Bettany, para investigar o tema da impossível perda do objeto de investimento nos casos-limite. Para isto, retrataremos a história da personagem Hannah, que, assim como outros moradores de rua, vive cercada de perigos e incertezas, típico das situações traumáticas de desamparo. O filme é carregado de cenas que servem de suporte para estabelecer um elo com a faceta dessubjetivante que o trauma pode assumir na configuração psíquica de alguns sujeitos. Optou-se por evidenciar que, no cerne dessa problemática, encontra-se a importância das funções exercidas pelos objetos primários, que, dependendo da qualidade de suas respostas, terão uma ação direta em relação às vivências traumáticas. A partir da análise do filme em interlocução com a psicanálise, pensamos na hipótese de que Hannah traz marcas traumáticas que não puderam ser integradas em seu psiquismo, aumentando a sua passividade em relação ao objeto de consumo pulsional personificado, inicialmente, na droga e depois em seu namorado.


Palavras-chave


trauma; casos-limite; psicanálise; objeto.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Bettany, P. (Diretor). (2014). Shelter [Filme, título traduzido: Viver sem endereço]. Beverly Hills, CA: Bifrost Pictures.

Candi, T. S. (2010). O duplo limite: O aparelho psíquico de André Green. São Paulo: Escuta.

Cardoso, M. R. (2010a). A insistência do traumático no espaço psíquico e analítico. In M. R. Cardoso & C. Amorim (Orgs.), Entre o eu e o outro: Espaços fronteiriços (pp.47-63). Curitiba: Juruá Editora.

Cardoso, M. R. (2007). A impossível “perda” do outro nos estados-limites: explorando as noções de limite e alteridade. Psicol. rev., 13(2), (pp.325-338).

Cardoso, M. R. (2010c). A servidão ao “outro” nos estados limites. In M. R. Cardoso & C. Amorim (Orgs.), Entre o eu e o outro: Espaços fronteiriços (pp.17-27). Curitiba: Juruá Editora.

Dockhorn, C. (2014). O sujeito psíquico e a condição de servidão ao objeto-droga: Do rigor da psicanálise à pesquisa na escuta (Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia). Pontifica Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Dunker, C. (2017). Reinvenção da intimidade: Políticas do sofrimento cotidiano. São Paulo: Ubu Editora.

Figueiredo, L. C., & Cintra, E. M. U. (2004). Lendo André Green: O trabalho do negativo e o paciente limite. In M. R. Cardoso (Org), Limites (pp.13-58). São Paulo: Escuta.

Freud, S. (2006a). Recordar, repetir e elaborar. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 12, pp. 163-171). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1914).

Freud, S. (2006b). Sobre o narcisismo: Uma introdução. In J. Strachey (Ed.) Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 14, pp. 75-109). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1914).

Freud, S. (2006c). Luto e melancolia. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 14, pp.243-263). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1917[1915]).

Freud, S. (2006d). Além do princípio de prazer. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 18, pp.11-75). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1920).

Freud, S. (2006e). O problema econômico do masoquismo. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 19, 173-188). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1924).

Freud, S. (2006f). A negativa. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 19, pp.261-269). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicada em 1925).

Freud, S. (2006g). Inibição, sintoma e ansiedade. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 20, pp.79-168). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1926[1925]).

Freud, S. (2006h). Fetichismo. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 21, pp.155-160). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1927).

Freud, S. (2006i). Esboço de psicanálise. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 23, pp.151-222). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1938).

Freud, S. (2006j). A divisão do ego no processo de defesa. In J. Strachey (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 23, 309-312). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1940[1938]).

Gurfinkel, D. (2013). A psicanálise do fronteiriço: André Green, entre Freud e Winnicott. Revista Percurso, 25(49/50), 39-50. Recuperado de http://revistapercurso.uol.com.br/index.php?pg=artigo_view&ida=1008&ori=edicao&id_ edicao=49.

Green, A. (1998). Narcisismo de vida Narcisismo de morte. São Paulo: Escuta.

Green, A. (2008). Orientações para uma psicanálise contemporânea. Rio de Janeiro: Imago.

Minerbo, M. (2013). Neurose e não-neurose. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Rosenberg, B. (2003). Masoquismo mortífero e masoquismo guardião da vida. São Paulo: Escuta.

Roussillon, R. (2012). O desamparo e as tentativas de solução para o traumatismo primário. Revista de Psicanálise de SPPA, 19(2), 271-295.

Winnicott, D. W. (1983). O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i1.5682

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia