Circulação de artigos brasileiros sobre Carl Rogers: ascensão, renascimento ou declínio?

Paulo Coelho Castelo Branco, Sérgio Dias Cirino

Resumo


Objetiva-se analisar as produções sobre a abordagem centrada na pessoa (ACP) segundo a sua circulação em periódicos brasileiros, nos anos de 2002 até 2014. Foi realizado uma revisão sistemática nas bases de dados eletrônicas do SciELO e do PePSIC, utilizando diversos descritores referentes a abordagem. Foram encontrados 58 artigos. Os resultados apontam para: constância de produções em 2005-2014; concentração de publicações em dois periódicos de orientação humanista; predominância de autores e universidades cearenses; produções desenvolvidas principalmente na região Nordeste; hegemonia de produções teóricas em sobreposição aos estudos empíricos; destaque dado para discussões clínicas e históricas; apropriação da Fenomenologia filosófica e empírica para desenvolver a ACP. A continuidade do movimento de ascensão/renascimento da ACP no Brasil é questionada. Em conclusão, este estudo oferece uma compreensão de certos aspectos ACP brasileira e aponta outras possibilidades de pesquisa sobre a sua circulação.

Palavras-chave


Carl Rogers; psicologia humanista; revisão de literatura; terapia centrada no cliente.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Brock, A. (2014). What is polycentric history of psychology?. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 14(2), 646-659.

Cavalcante, F., & Sousa, A. (2007). História da Psicologia no Ceará: entrevista com Gercilene Campos. Psicologia em Estudo, 12(2), 433-437. doi:10.1590/S1413-73722007000200025

Costa, A., & Zoltowski, A. (2014). Como escrever um artigo de revisão sistemática. In S. Koller., M. Couto & J. Hohendorff (Orgs.), Manual de produção científica (pp. 55-70). Porto Alegre: Penso.

DeCastro, T., & Gomes, W. (2011). Aplicações do método fenomenológico à pesquisa em psicologia: tradições e tendências. Estudos de Psicologia (Campinas), 28(2), 153-161. doi: 10.1590/S0103-166X2011000200003

Frota, A. (2012). Origens e destinos da abordagem centrada na pessoa no cenário brasileiro contemporâneo: reflexões preliminares. Revista da Abordagem Gestáltica, 18(2), 168-178.

Giorgi, A. (2008). Sobre o método fenomenológico utilizado como modo de pesquisa qualitativa nas ciências humanas: teoria, prática e avaliação. In Vários autores. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos (p. 386- 409., A. Cristina, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Originalmente publicado em 1997).

Gomes, W., Holanda, A., & Gauer, G. (2004). História das abordagens humanistas em psicologia no Brasil. In M. Massimi (Org.), História da psicologia no Brasil do Século XX (pp. 105-129). São Paulo: E.P.U.

Grynzspan, M. (2012). Por uma sociologia histórica da recepção e da circulação de textos: Robert Michels e sociologia dos partidos políticos nos Estados Unidos. Revista de Sociologia e Política, 20(44), 11-30. doi:10.1590/S0104-44782012000400002

Holanda, A. (2014). Editorial. Revista da Abordagem Gestáltica, 20(1), VII-VIII.

Kirschenbaum, H., & Jordan, A. (2005). The current status of Carl Rogers and the person centered-approach. Psychotherapy: Theory, Research, Practice, Training, 42(1), 37-51. doi: 10.1037/0033-3204.42.1.37

Moreira, V. (2010). Revisitando as fases da Abordagem Centrada na Pessoa. Estudos de Psicologia (Campinas), 27(4), 537-544. doi: 10.1590/S0103-166X2010000400011

Moreira, V. (2013). O Ceará é referência em psicologia humanista. Recuperado em junho 29, 2016, de http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1266740.

Pacheco, M. (2005). Produção científica e avaliação psicológica. In G. Winter (Org.), Metaciência e psicologia (pp. 07-34). Campinas, SP: Alínea.

Packer, A., Cop, N., Luccisano, A., Ramalho, A., & Spinak, E. (Orgs.). (2014). SciELO – 15 anos de acesso aberto e comunicação científica. Paris: UNESCO.

Pickren, W. (2012). Waters of march (Águas de março): circulating knowledge, transforming psychological science and practice. In E. Lourenço., R. Assis. & R. Campos. (Orgs.). História da psicologia e contexto sociocultural: pesquisas contemporâneas, novas abordagens (pp. 17-46). Belo Horizonte: PUC Minas.

Rogers, C. (1959). Some observations on the organization of personality. In A. Kuenzli (Org.), The phenomenological problem (pp. 49-75). New York: Harper & Brothers Publishers. (Originalmente publicado em 1947).

Rogers, C. (1964). Toward a science of the person. In T. Wann (Org.), Behaviorism and phenomenology: contrasting bases for modern psychology (pp. 109-131). Chicago: University of Chicago Press.

Rogers, C. (1976). A respeito de bibliografias. In C. Rogers & B. Stevens (Orgs.), De pessoa para pessoa: o problema de ser humanos – uma nova tendência na psicologia (pp. 321-325., M. Leite & D. Leite, Trads.). São Paulo: Pioneira. (Originalmente publicado em 1967).

Rogers, C. (1977a). Em retrospecto. Quarenta e seis anos. In Rogers, C. & Rosenberg, R, A pessoa como centro (pp. 29-46). EPU: São Paulo.

Rogers, C. (1977b). Novas formas do amor: o casamento e suas alternativas (4a ed., O. Cajado, Trad.). Rio de Janeiro: José Olympio Editora. (Originalmente publicado em 1972).

Rogers, C. (1979). Liberdade para aprender (E. machado & M. Andrade, Trads.). Belo Horizonte: Interlivros. (Originalmente publicado em 1969).

Rogers, C. (1985a). Toward a more human science of the person. Journal of Humanistic Psychology, 25(4), 07-24.

Rogers, C. (1985b). Liberdade de aprender em nossa década (J. Abreu, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas. (Originalmente publicado em 1983).

Rogers, C., & Russell, D. (2002) Carl Rogers: the quiet revolutionary – an oral history. Roseville: Penmarin Books.

Rogers, C. & Tillich, P. (2008). Diálogos – 1965 (M. Janzen, Trad.). Revista da Abordagem Gestáltica, 14(1), 121-127. (Originalmente publicado em 1989).

Rogers, C. (2009a). Tornar-se pessoa (M. Ferreira & A. Lamparelli, Trads.). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1961).

Rogers, C. (2009b). Grupos de encontro (J. Proença, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1970).

Spiegelberg, H. (1972). Phenomenology in Psychology and Psychiatry. Evaston: Northwestern University Press.

Tassinari, M., & Portela, Y. (2002). História da abordagem centrada na pessoa no Brasil. In S. Gobbi., S. Missel., H. Justo., & A. Holanda (Orgs.), Vocabulários e noções básicas da abordagem centrada na pessoa (pp.229-259). São Paulo: Vetor.

Tassinari, M. (2010). A ACP no Brasil. In E. Carrenho., M. Tassinari., & M. Pinto (Orgs.). Praticando a abordagem centrada na pessoa: dúvidas e perguntas mais frequentes (pp.37-56). São Paulo: Carrenho.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i2.5789

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia