O Estudo da Medicalização da Vida e suas Implicações para a Clínica Contemporânea

Lívia Machado Silva, Fernanda Canavêz

Resumo


Este artigo busca analisar as demandas contemporâneas endereçadas à clínica e sua relação com a cultura de medicalização da vida. Para alcançar esse objetivo, optou-se pela realização de um levantamento bibliográfico relativo ao termo medicalização. Adotou-se a visão trazida por Ivan Illich e Peter Conrad por entender que ambos os autores fomentaram, ao longo de sua obra, um importante desenvolvimento da abordagem crítica referente ao tema. Por fim, busca-se analisar algumas demandas atuais no campo da clínica psicológica à luz de uma crítica sobre o processo de medicalização.

Palavras-chave


Medicalização, Clínica, Contemporâneo

Texto completo:

PDF/A

Referências


Birman, J. (2006). A psicanálise e a crítica da modernidade. In J. Birman. Arquivos do mal-estar e da resistência (1ª ed., pp. 33-56). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Camargo Júnior, K. R.(2013). Medicalização, farmacologização e imperialismo sanitário. Cadernos de Saúde Pública, 29(5), 844-846.

Conrad, P. (1979). Types of medical social control. Sociology of Health and Illness, 1(1), 1-12.

Conrad, P. (1992). Medicalization and Social Control.Annual Review of Sociology, 18, 209-232.

Conrad, P. (2007). The Medicalization of Society.On the Transformation of Human Conditions into Treatable Disorders. Baltimore: The Johns Hopkins University Press. http://www.easewellbeing.co.uk/downloads/Peter-Conrad-The-Medicalization-of-Society.pdf

Conrad, P., & Barker, K. K.(2011). A construção social da doença: Insights-chave e implicações para as políticas de saúde. Idéias, 3(2), 185 – 213.

Foucault, M. (2015). Microfísica do Poder (3 ed.) Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Giddens, A. (1991). As conseqüências da modernidade. (R. Fiker, Trad.) São Paulo: UNESP. http://www.afoiceeomartelo.com.br/posfsa/Autores/Giddens,%20Anthony/ANTHONY%20GIDDENS%20-%20As%20Consequencias%20da%20Modernidade.pdf

Gondar, J. (2009). A clínica como prática política. Lugar Comum, 19, 125-134.

Guarido, R. (2007). A medicalização do sofrimento psíquico: Considerações sobre o discurso psiquiátrico e seus efeitos na Educação. Educação e Pesquisa, 33(1), 151 – 161.

Henriques, R. P. (2012). A Medicalização da existência e o descentramento do sujeito na atualidade. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 12(34), 793 – 816.

Henriques, R. P. (2015). Psicopatologia e medicalização: Políticas da cumplicidade. In D. M. Coelho, & E. L. Cunha. Saber & Violência (pp. 57 - 67). São Cristóvão: Editora UFS.

Hobsbawm, E. (1995). Era dos Extremos: O breve século XX (1914 – 1991). São Paulo: Companhia das Letras.

Illich, I. (1975). A expropriação da saúde: Nêmesis da medicina. (3º ed.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira. https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/3205.pdf

Jardim, A., & Oliveira, O. F. (2009). Globalização, neoliberalismo e Estado-Nação: Reflexões analíticas. Perspectiva Sociológica, 2(3), 1-15. Retrieved from http://www.cp2.g12.br/UAs/se/departamentos/sociologia/pespectiva_sociologica/Numero3/Artigos/Jardim%20e%20Otair%20-%20Globaliza%C3%A7%C3%A3o....pdf

Jorge, M. F., & Oliveira, T. (Produtores). (2013). Seminário das paredes às redes [Youtube].

Retrieved from https://www.youtube.com/watch?v=9E4Pue-YTZ8

Laurenti, R. (1991). Análise da informação em saúde: 1893-1993, cem anos da Classificação Internacional de Doenças. Novos aspectos da Saúde Pública. Revista de Saúde Pública, 25(6), 407 – 417.

Mattos, G. (2016). Homem oferece curso online para ‘cura gay’ e entra na mira do MPF. O Dia online.Retrieved from http://odia.ig.com.br/brasil/2016-02-25/homem-oferece-curso-online-para-cura-gay-e-entra-na-mira-do-mpf.html.

Nogueira, R. P. (2003). A segunda crítica social da Saúde de Ivan Illich. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 7(12), 185-90.

Rocha, A. E. S. (2012). Trabalho, Corpo e Identidade: O Humano na Modernidade e na Contemporaneidade. Revista Diálogos:Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade, 6(1), 158 – 173. Retrieved from http://www.orfeuspam.com.br/periodicos_jl/dialogos/Dialogos_6/Dialogos_6_Ana.pdfem

Uhr, D. (2012). A Medicalização e a redução biológica no discurso psiquiátrico. Polêmica Revista Eletrônica, 11(3), 396 – 403. Retrievedfromhttp://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/polemica/article/view/3730/2612.

Vaz, P. (2015). Do Normal ao consumidor: Conceito de doença e medicamento na contemporaneidade. Revista Ágora, 18(1), 51-68. Doi http://dx.doi.org/10.1590/S1516-14982015000100005

Viégas, L., S., Harayama, R. M., & Souza, M. P. R. (2015). Apontamentos críticos sobre estigma e medicalização à luz da psicologia e da antropologia. Ciência & Saúde Coletiva, 20(9), 2683-2692. Retrievedfromhttps://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015209.08732015

Zorzanelli, R. T., Ortega, F., & Bezerra Jr., B.(2014). Um panorama sobre as variações em torno do conceito de Medicalização entre 1950 – 2010. Ciência e Saúde Coletiva, 19(6), 1859 – 1868.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i3.5813

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia