Políticas do Corpo: Arte e Psicanálise Despindo as Imagens

Ana Lúcia Mandelli de Marsillac, Tomás da Cunha Tancredi, João Gabriel Neves de Sousa

Resumo


Este artigo é fruto do projeto de pesquisa: “Políticas do corpo: psicanálise e arte”. Debruça-se sobre as obras de dois artistas espanhóis, Ana Casas e Mira Bernabéu, que na virada do século XXI, colocam em questão o corpo em sua relação com o laço social. A leitura dessas obras é sustentada pela teoria psicanalítica, na perspectiva de Sigmund Freud e Jacques Lacan, através de uma estética negativa, debruçada sobre o estranho das imagens. Desse encontro entre arte e psicanálise, produz-se uma análise processual sobre o corpo na contemporaneidade, na qual se apresenta as obras, sublinhando suas singularidades e semelhanças temáticas. Aproxima esses saberes por suas políticas do corpo, em uma perspectiva crítica aos ideais dominantes de beleza, juventude, saúde perfeita e completude. Analisa que o encontro com o outro, com a cultura, com as imagens e a materialidade do corpo torna possível construir ideais singulares, auxiliando o sujeito a lidar com a incompletude inerente ao humano. O artigo é apresentado na seguinte estrutura: “Psicanálise e arte: políticas do corpo”, em que se introduz o artigo e o encontro conceitual; “Obra e corpo”, com os subitens: “Mira” e “Casas”, apresentando as obras em questão; “O familiar e o estranho”, com os subitens: “Despir o corpo” e “Desmembrar o corpo”, que envolvem a articulação conceitual entre as obras e conceitos psicanalíticos e; por fim, à guisa de conclusão, apresenta-se: “Ideal do corpo”, em que se busca articular os ideais de corpo na contemporaneidade, com as perspectivas críticas introduzidas pelas obras e pela psicanálise.


Palavras-chave


corpo; arte; psicanálise; imagem e contemporaneidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


Barthes, R. (1984). A câmara clara: Nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bauman, Z. (2001). Modernidade liquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Didi-Huberman, G. (2010). O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34.

Didi-Huberman, G. (2015). Diante da imagem. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Dolto, F. (2012). A imagem inconsciente do corpo. São Paulo: Perspectiva.

Freud, S. (2010a). O inquietante. In S. Freud, Obras completas, volume 14: História de uma neurose infantil (“O homem dos lobos”), Além do princípio do prazer e outros textos: 1917-1920 (pp. 329-376). São Paulo: Companhia das Letras.

Freud, S. (2010b). Os instintos e seus destino. In S. Freud, Obras completas, volume 12: Introdução ao narcisismo, ensaios de metapsicologia e outros textos:1914-1916 (pp.14-50). São Paulo: Companhia das Letras.

Lacan, J. (2008) O Mito individual do Neurótico, ou, A poesia e a verdade na neurose. Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente publicado em 1954).

Lacan, J. (1992) O seminário: Livro 8: A transferência. Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente publicado em 1961).

Lacan, J. (2005). Nomes-do-pai. Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente publicado em 1963).

Lacan, J. (1998). Escritos. Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente publicado em 1966).

Medina, C. (2016). Una línea ondulada. Recuperado de http://www.anacasasbroda.com/#!texto-medina/chwa

Quinet, A. (2002). Um Olhar a Mais. Rio de Janeiro: Zahar.

Ramos, M., & Goldenberg, M. (2002). A civilização das formas: o corpo como valor. In M. Goldenberg, Nu & vestido: dez antropólogos revelam a cultura do corpo carioca (pp.79-137). Rio de Janeiro: Record.

Roudinesco, E. (2000) Por que a Psicanálise? Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Sousa, E. (2002). Por uma cultura da utopia. Porto Alegre: Ed. UFRGS.

Torezan, Z., & Aguiar, F. (2011). O sujeito da psicanálise: Particularidades na contemporaneidade. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 11(2),525-554.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18iEsp.6148

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia