Desilusão: Impasses Clínicos e Políticos diante dos Dilemas de nosso Tempo

Miriam Debieux Rosa, Patrícia do Prado Ferreira, Rodrigo Alencar

Resumo


Acontecimentos sociais e políticos, nacionais e internacionais, têm abalado nosso cotidiano. Conquistas que pareciam sedimentadas na direção da democracia e nos temas relativos aos direitos humanos, conquistas sociais e considerações éticas na vida política, têm sido substituídas por chavões e discursos de ódio, racismo e xenofobia sob a lógica da guerra. Desse modo, têm sido enfrentados fluxos massivos de imigrantes, frutos de guerras e violências, atentados terroristas e uma tensão cotidiana em que o debate localiza no outro o perigo: generaliza-se a figura do terrorista.  Vamos propor um deslocamento da lógica da guerra a fim de dialogar sobre a queda dos ideais e das ilusões e as dificuldades de traçar direções para o futuro.  Vamos apontar o imbricado enlace entre ética do desejo, política e resistência à instrumentação social do gozo. Entendemos que perder um ideal é diferente de perder uma ilusão, crença ou delírio. A descrença, a desilusão, tem seus efeitos – um deles é agarrar-se à fantasia delirante. A idealização é um processo que envolve o engrandecimento e superestimação do objeto, não dizendo respeito ao ideal. A aflição psíquica nomeada “desilusão” estende-se dos ideais culturais (no plano do ideal-do-Eu) às expectativas do Eu (plano do Eu-ideal). Essa questão nos alerta para o encobrimento de outra ilusão, de autoengendramento, de poder superar a dependência simbólica ao Outro. Diferenciar esses termos nos permite apontar o imbricado enlace entre ética do desejo, política e a resistência à instrumentação social do gozo. Quanto à posição da psicanálise, retomaremos a frase de Lacan em Ciência e verdade (1966/1998): “Por nossa posição de sujeito somos sempre responsáveis. Que chamem a isto como quiserem, terrorismo”.


Palavras-chave


psicanálise, ideal, ilusão, política, resistência

Texto completo:

PDF/A

Referências


Agamben, G. (2004). Estado de exceção. São Paulo: Boitempo.

Alemán, J. (2013). Sujeto, política: Común. In J. Aleman, Conjeturas sobre una izquierda lacaniana (pp. 13-41). Buenos Aires: Grama ediciones.

Alencar, R. (2012). Por que a Guerra às drogas? Do crack na política ao crack do sujeito (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Badiou, A. (2016). Nosso mal vem mais de longe. Recuperado de https://lavrapalavra.com/2016/04/18/nosso-mal-vem-de-mais-longe/

Benjamin, W. (1994). Magia e técnica, arte e política. In W. Benjamin, Obras Escolhidas (Vol. I). São Paulo: Editora Brasiliense.

Clausewitz, C. (2010). Da guerra. São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1832).

Descartes, R. (2010). Discurso do método. Porto Alegre: LP&M. (Originalmente publicado em 1937).

Ferreira, G., Netto. (2010). Doze lições sobre Freud e Lacan. São Paulo: Ponte Editores.

Freud, S. (1976). Delírios e sonhos na Gradiva de Jensen. In J. Stratchey (Ed.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. IX, pp.19-93). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1907).

Freud, S. (1996). O estranho. In J. Stratchey (Ed.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XVII, pp.233-269). Rio de Janeiro: Imago Editora.(Originalmente publicado em 1919).

Freud, S. (2006). O futuro de uma ilusão. In J. Stratchey (Ed.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XXI, pp. 11-63). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1927).

Freud, S. (1997). O mal-estar na civilização. In J. Stratchey (Ed.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol.XXI, pp.65-147). Rio de Janeiro: Ed. Imago. (Originalmente publicado em 1930).

Freud, S. (1997). Por que a guerra? In J. Stratchey (Ed.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol.XXII, pp.189-207). Rio de Janeiro: Ed. Imago. (Originalmente publicado em 1932).

Freud, S. (2006). Psicologia de grupo e análise do ego. In J. Stratchey (Ed.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol.XVIII, pp.77-154). Rio de Janeiro: Ed. Imago. (Originalmente publicado em 1921).

Freud, S. (2009). Reflexões para tempos de guerra e morte. Covilha: Universidade da Beira Interior. Recuperado de http://www.lusosofia.net/textos/freud_sigmund_da_guerra_e_da_ morte.pdf

Fukuyama, Francis. (1989). The end of history? The National Interest, Summer. Recuperado de https://www.embl.de/aboutus/science_society/discussion/discussion_2006/ref1-22june06.pdf

Fukuyama, Francis. (1992). The end of history and the last man. New York: Free Press, 2006.

Lacan, J. (1999). O seminário, livro 7: A ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1959-60).

Lacan, J. (1985). O seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1964).

Lacan, J. (1998). Ciência e Verdade. In J. Lacan, Escritos (pp.869-892). Rio de Janeiro: Zahar, 1995. (Originalmente escrito em 1966).

Lacan, J. (2003). Proposição de 9 de outubro de 1967 sobre o psicanalista da Escola. In J. Lacan, Outros Escritos (pp. 248-264). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1967).

Lispector, C. (1978). Mineirinho. In C. Lispector, Para não esquecer (pp.101- 103). Rio de Janeiro: Editora Ática.

Michaels, W. B. (1992). Race into culture: A critical genealogy of cultural identity. Critical Inquiry, 18, 684-685.

Mountian, I., & Rosa, M. D. (2015). O outro: Análise crítica de discursos sobre imigração e gênero. Psicol. USP, 26(2), 152-160. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pusp/v26n2/0103-6564-pusp-26-02-00152.pdf

Como sair do ódio: Uma entrevista com Jacques Rancière. (2016). Revista fórum. Recuperado de http://www.revistaforum.com.br/2016/05/11/como-sair-do-odio-uma-entrevista-com-jacques-ranciere

Rosa, M. D. (2016). A clínica psicanalítica em face da dimensão sociopolítica do sofrimento. São Paulo: Escuta/FAPESP.

Rosa, M. D., Carignato, T. T., & Berta, S. (2006). Ética e política: A psicanálise diante da realidade e dos ideais contemporâneos. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 9(1), 35-48.

Safatle, V. (2002). “A política do real de Slavoj Zizek” (Pósfácio), In S. Žižek, Bem-vindo ao deserto do real. São Paulo: Boitempo.

Seganfredo, G., & Chatelard, D. (2014). Das Ding: O mais primitivo dos êxtimos. Recuperado de http://cprj.com.br/imagenscadernos/caderno30_pdf/05_Das_Ding_o_mais_primitivo_dos_extimos.pdf

Soler, C. (2016). O que faz laço? São Paulo: Escuta.

Žižek, S. (1996). Como Marx inventou o sintoma? In S. Žižek (Org.), Um mapa da ideologia (pp. 297-331). Rio de Janeiro: Contraponto.

Žižek, S. (1997). The abyss of Freedom/Ages of the world. Ann Arbor: University of Michigan Press.

Žižek, Slavoj. (2015). Perturbação numa redoma. Recuperado de https://blogdaboitempo.com.br/2015/11/20/perturbacao-numa-redoma-zizek-escreve-sobre-os-atentados-em-paris./




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18iEsp.6262

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia