Psicanálise e Saúde Mental: Um Estudo sobre o Estado da Arte

Rodrigo Barbosa Quadros, Karla Patrícia Holanda Martins, Ana Karla Silva Soares

Resumo


O presente estudo tem por objetivo analisar o estado da arte das relações entre a Psicanálise e a saúde mental, em especial as práticas clínicas realizadas nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). São consideradas produções acadêmicas de dez (10) programas de psicologia stricto sensu brasileiros, do período de 2000 a 2014, que possuem linha de pesquisa em Psicanálise na grade curricular. Procura-se elencar e refletir sobre os efeitos dos discursos e das práticas referidas nesses espaços levando em conta as mudanças ocorridas nos campos da reforma psiquiátrica brasileira. Para tal, contou-se com 111 resumos de trabalhos selecionados a partir dos critérios estabelecidos na pesquisa. Para auxiliar na análise do conteúdo selecionado, foi empregado o software Iramuteq. A partir da análise de classificação hierárquica descendente (CHD), os resultados identificaram a presença de cinco classes distintas: (1) novo modelo de assistência; (2) a loucura em questão; (3) Psicanálise no CAPS – construção do caso clínico; (4) teoria psicanalítica e (5) o lugar do sujeito na clínica. Os resultados indicaram que, ao analisar as classes partindo da relação apresentada, é possível reunir o conteúdo em três grandes grupos interpretativos: classes 1 e 2, classes 3 e 4 e classe 5, com esse conjunto refletindo as contribuições da Psicanálise ao campo da Saúde Mental. Os achados deste estudo refletem a amplitude do que vem sendo produzido sobre essa temática e as práticas clínicas que derivam da inserção dos analistas nesse contexto, demonstrando a presença da Psicanálise no meio universitário e as contribuições feitas ao campo da saúde mental.


Palavras-chave


psicanálise, saúde mental, caps, estado da arte, produção acadêmica

Texto completo:

PDF/A

Referências


Amancio, V. R. (2012). Uma clínica para o CAPS: A clínica da psicose no dispositivo da reforma psiquiátrica a partir da direção da psicanálise. Curitiba: Editora CRV.

Amarante, P. (1995). Loucos pela vida: A trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: SDE/ENSP.

Bezerra, D. S. (2008). O lugar da clínica na reforma psiquiátrica brasileira (Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em Psicanálise), Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Bezerra, D. S. (2013). O lugar da clínica na reforma psiquiátrica brasileira: Política e psicanálise oito anos após a lei 10216. Curitiba: Editora CRV.

Brasil. Ministério da Saúde. (2005). Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil[Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas]. OPAS. Brasília.

Bursztyn, D. C. (2012). A política do sintoma e a construção do caso clínico: Modos de transmissão da psicanálise na prática coletiva em saúde mental (Tese de Doutorado, Pós-graduação em Psicanálise), Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2013). IRAMUTEQ: Um Software Gratuito para Análise de Dados Textuais. Temas em Psicologia, 21(2), 513-518.Couto, R., & Alberti, S. (2008). Breve história da Reforma Psiquiátrica para uma melhor compreensão da questão atual. Saúde em Debate, 23(78), 49-59.

Ferreira, A. (2005). A construção do caso clínico na internação psiquiátrica: Uma direção para o plano terapêutico. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 8(2), 204-220.

Fidelis, R. O. (2013). A recepção de usuários em um ambulatório de saúde mental: A importância da escuta do sujeito (Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em Psicanálise), Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Figueiredo, A. C. (2004). A construção do caso clínico: Uma contribuição da psicanálise à psicopatologia e à saúde mental. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 7(1), 75-86.

França, O., Neto. (2009). Uma ética para os novos desdobramentos da reforma psiquiátrica. Ágora, 8(1), 119-129.

França, O., Neto. (2011). Reforma psiquiátrica: Uma questão clínica ou política? CliniCAPS, 5(14), 1-9.

França, O., Neto. (2013). Os efeitos colaterais da psicanálise e a reforma psiquiátrica. Cadernos brasileiros de saúde mental, 5(11), 1-13.

Freud, S. (1996). Linhas de progresso na terapia psicanalítica. In Freud, S. Edição Standard Brasileira das obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol.17, pp. 86-92). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1919).

Generoso, C. M., & Guerra, A. M. C. (2012). Desinserção Social e Habitação: a psicanálise na reforma psiquiátrica brasileira. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundadmental, 15(3), 524-539.

Guerra, A. M. C. (2004). Reabilitação psicossocial no campo da reforma psiquiátrica: Uma reflexão sobre o controverso conceito e seus possíveis paradigmas. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 7(2), 83-96.

Lacan, J. (2003). Outros Escritos: Proposição de 9 de outubro de 1967 sobre o psicanalista da Escola (1967). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Martins, K. P. K. (2012). O serviço de psicologia aplicada e o trabalho com adolescentes contribuições para clínica ampliada da psicanálise. In M. Winograd & M. Souza (Org), Processo de subjetivação, clínica ampliada e sofrimento psíquico (pp.71-86). Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Martins, K. P. K., & Vilhena, J. (2014). Para além da alimentação: Um olhar psicanalítico sobre as políticas públicas de saúde na primeira infância. In M. Winograd & J. Vilhena (Org), Psicanálise e Clínica Ampliada (pp.37-56). Curitiba, PR: Appris.

Martins, K. P. K, Marques, G. H., Martins, O.C., Sales, R.C., Silva, R. E., Jr., Maia, A. A., Aguiar, G. M. R. (2017). Estado de conhecimento entre a Psicanálise e a Saúde Mental: Estudo sobre a produção acadêmica entre 2000-2014. In A. F. Lima, I. M. P. Germano, I. B. Sabóia & C. J. Freire (Org), Sujeito e Subjetividades contemporâneas: Estudos do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFC (pp.77-114). Fortaleza, CE: UFC/Imprensa Universitária.

Monteiro, C. P., & Queiroz, E. F. D. (2006). A clínica psicanalítica das psicoses em instituições de saúde mental. Psicologia clínica, 18(1), 109-121.

Moreno, M., & Ratinaud, P. (2015). Manual uso de IRAMUTEQ. Versión 0.7 alpha 2. Recuperado de http://www.iramuteq.org/documentation/fichiers/guia-iramuteq

Nunes, R. M. (2007). O saber da psicanálise e sua ação institucional (Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em Psicanálise), Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Pinto, P. H. F. (2016). Saúde mental e psicanálise: Uma revisão sistemática de literatura sobre a inserção da psicanálise na rede de atenção psicossocial (Dissertação de mestrado, Pós-graduação em Psicologia), Universidade de Fortaleza, Fortaleza.

Rinaldi, L. D., & Bursztyn, D. C. (2008). O desafio da clínica na atenção psicossocial. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60(2), 32-39.

Rodrigues, S. W. D. M. (2013). A psicanálise na saúde mental: Há um lugar para o sujeito na reforma psiquiátrica? (Dissertação de Mestrado, Pós-graduação em Psicologia), Universidade de Fortaleza, Fortaleza.

Romanowski, J. P., & Ens, R. T. (2006). As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Revista Diálogo Educacional, 6(19), 37-50.

Rosa, C., & Vilhena J. (2012). Do manicômio ao caps da contenção (im)piedosa à responsabilização. Barbarói, 37(1), 154-176.

Tenório, F. (2001). A Psicanálise e a Clínica da Reforma Psiquiátrica. Rio de Janeiro, RJ: Rios Ambiciosos.

Viganò, C. (1999). A construção do caso clínico em saúde mental. Revista Curinga, Belo Horizonte, 13(1), 39-48.

Vorcaro, A., Vilela, A., Oliveira, F., & Estevam, N. (2012). O que os bichos nos ensinam: A construção do caso clínico em um Centro de Atenção Psicossocial infanto-juvenil. CliniCAPS, 6(16), 36-50.




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i1.6289

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia