O Cartel Psicanalítico e os Limites de sua Escala Lógica

Patrícia do Prado Ferreira

Resumo


A proposta deste trabalho é abordar o limite de escala lógica do cartel. Esse dispositivo de transmissão é proposto por Jacques Lacan e chamado de “órgão de base” do funcionamento de sua Escola. O cartel pode ser entendido como uma forma coletiva que emerge de diversas tentativas – inclusive fracassadas – de constituição que se estrutura para-além dos efeitos de ‘grupo’ descritos por Freud em Psicologia das massas e análise do eu. Portanto, objetiva-se que o cartel escape às tradicionais estruturas hierárquicas e verticalizadas, além de tentar esvaziar o sentido das identificações entre os pares e do ‘Um ideal’. Para tanto, a proposta é de um arranjo lógico limitado a 4+1, em que os membros do cartel se reúnam em torno de um tema (que funcionaria como elo entre o pequeno grupo), apresentando um argumento de trabalho que simultaneamente faz o grupo – uma vez que os membros estão articulados por uma produção de saber, uma tarefa – e particulariza a questão. Pensando com base na teoria dos discursos (que se utiliza de matemas para demonstrar os engendramentos dos laços sociais) proposta por Lacan em 1969-70, a estrutura de um cartel pode ser associada a uma inscrição no discurso do analista. Os outros discursos – do mestre, do universitário e da histérica – de certo modo mapeiam o aparelhamento de gozo de maneira indiferente às escalas sociais. A qualificação ‘numérica’ do cartel é pouco estudada na psicanálise e, em nosso entender, diz de um compromisso implícito da teoria lacaniana com certas teses da filosofia política e da sociologia a respeito da origem dos fenômenos de massa. Partindo-se dessas idéias é que nos perguntamos o que seria um ‘laço pelo discurso analítico’ que não corroborasse com esse corolário restritivo, que, ao contrário dos outros discursos, incide sobre a escala do laço social. Tentamos nos servir da psicanálise – sobretudo da proposta lacaniana do cartel – para pensarmos na estrutura grupal como também potencialmente emancipatória. Acreditamos que isso está posto no fundamento do ‘órgão basal’ da Escola,  ao sugerir pensar para-além da alienação grupal.

Palavras-chave


massa; grupo; cartel; discursos.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Badiou, A. (1999). Conferências de Alain Badiou no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica.

Fingermann, D. (n.d.). CARTEL ainda. Recuperado de http://www.champlacanien.net/public/docu/4/epCartelFingermann.pdf

Freud, S. (2006a). Psicologia de grupo e análise do ego. In J. Strachey (Ed.), Edição Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol.18, pp. 78-154). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1921).

Freud, S. (2006b). Prefácio a Juventude Desorientada, de Aichhron. In J. Strachey (Ed.), Edição Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 19, pp.305-308). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1925).

Freud, S. (2006c). Análise terminável e interminável. In J. Strachey (Ed.), Edição Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 23, pp. 222-270). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1937).

Lacan, J. (1974-1975). O Seminário, livro 22. R.S.I. Recuperado de http://lacanempdf.blogspot.com/2017/03/o-seminario-22-rsi-jacques-lacan.html

Lacan, J. (1980). El señor A. Lección del 18 de marzo de 1980. Recuperado de http://www.wapol.org/es/las_escuelas/TemplateArticulo.asp?intTipoPagina=4&intPublicacion=10&intEdicion=1&intArticulo=160&intIdiomaArticulo=5

Lacan, J. (1992). O Seminário, livro 17: O avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente publicado em 1969-1970)

Lacan, J. (1998). Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano. In J. Lacan, Escritos (pp.807-842). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1960)

Lacan, J. (2003). Ato de fundação da Escola Freudiana de Paris. In J. Lacan, Outros Escritos (pp. 235-247). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1964)

Lacan, J. (2008). O Seminário, livro 16: de um Outro ao outro. Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente publicado em 1968-1969)

Sitrin, M. (2012). Everyday Revolutions:Horizontalism and Autonomy in Argentina. London : Zed Books.

Soler, C. (2016). O que faz laço? São Paulo: Escuta.

Žižek, S. (1992). Eles não sabem o que fazem. O sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Žižek, S. (2006). Jacques Lacan’s Four Discourses. Recuperado de http://www.lacan.com/zizfour.htm




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i1.6528

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia