Os Discursos Lacanianos como Laços Sociais

Luis Flávio Silva Couto, Jônatas Lança de Queiroz Casséte, Fernando Hartmann, Marcelo Fonseca Gomes de Souza

Resumo


Este artigo é uma revisão teórica que aborda a produção da teoria lacaniana dos discursos como laços sociais e suas implicações na compreensão do inconsciente. Partimos da concepção lacaniana de que o inconsciente é estruturado como uma linguagem e das implicações teóricas da lógica estruturalista, indicando que as estruturas de linguagem precedem o sujeito e as possibilidades de laço social. Tomamos o Seminário XVII como ponto de partida, levando em conta o contexto histórico de sua transmissão. Apresentamos a ideia lacaniana de que o campo da linguagem é o que baliza a relação do sujeito com o outro, mas que, nessa relação, algo fracassa, possibilitando o surgimento do sujeito a partir da perda de um objeto. Desse lugar, toma forma o objeto a, o objeto para sempre perdido na operação de constituição do sujeito, que implica na alienação e no endereçamento ao Outro. Apresentamos a estrutura dos discursos, os elementos que os compõe, seus lugares e, por fim, a lógica presente em cada um dos quatro discursos (mestre, histérica, universitário e analista) chamados por Lacan de radicais. O que a teoria dos discursos nos ensina é que a articulação significante produz a amarração social, ao mesmo tempo em que, como efeito de seu tropeço, nos apresenta o sujeito do inconsciente.

Palavras-chave


laços sociais; inconsciente; linguagem; objeto a

Texto completo:

PDF/A

Referências


Agamben, G. (2014). Como a obsessão por segurança muda a história da democracia. Le monde diplomatique Brasil. Recuperado de http://www.diplomatique.org.br/artigo.php?id=1568.

Arantes, P. E. (1992). Hegel no espelho do Dr. Lacan. IDE, 22, 64-77.

Bispo, F. S, & Souza, M. F. G (2013). O discurso psicanalítico entre outros: Considerações sobre Radiofonia. Revista Estudo e pesquisa em psicologia, 13(2), 625-645.

Castro, J. E. (2009). Considerações sobre a escrita lacaniana dos discursos. Revista Ágora, 13(2), 245-258.

Deleuze, G. (1974). Em que se pode reconhecer o estruturalismo. In F. Châtelet, História da Filosofia: ideias, doutrinas: O séc. XX (Vol. 8, pp. 239-269). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Hegel, K. W. F. (1992). Fenomenologia do espírito, parte I (P. Meneses, Trad.). Petrópolis: Vozes. (Originalmente publicado em 1808)

Lacan, J. (1998). Subversão do sujeito e dialética do desejo. In J. Lacan, Escritos (pp. 807-842). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Conferência pronunciada em 1960)

Lacan, J. (1988). O seminário, livro 11: Os quatro conceito fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1964)

Lacan, J. (2008). O seminário, livro 16: De um Outro ao outro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1968-1969)

Lacan, J. (1992). O seminário, livro 17: O avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1969-1970)

Lacan, J. (2009). O seminário livro 18: De um discurso que não fosse semblante. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1971)

Lacan, J. (2003). Radiofonia. In J. Lacan, Outros escritos (pp.400-447). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1970)

Miller, J. A. (2012). Os seis paradigmas do gozo. Opção Lacaniana, 3(7), 1-49. Recuperado de http://opcaolacaniana.com.br/pdf/numero_7/Os_seis_paradigmas_do_gozo.pdf

Rabinovich, D. (2001). O Psicanalista entre o Mestre e o Pedagogo. Cadernos de Psicologia, 11(1), 9-28.

Safatle, V. (2006). A paixão do negativo: Lacan e a dialética. São Paulo: Editora UNESP.

Souza, M. (2015). O Nome-do-Pai em Jacques Lacan: Declinações e negatividade (Tese de doutorado. Programa de Pós-graduação em Psicologia), Universidade Federal de Minas Gerais, MG.

Valas, P. (2001). As dimensões do gozo: Do mito da pulsão à deriva do gozo (L. Magalhães, Trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1998)

Thiollent, M. (1998). Maio de 1968 em Paris: Testemunho de um estudante. Tempo Social, 10 (2), 63-100.

Zizek, S. (2012). Os quatro discursos de Jacques Lacan (R. N. L. Pereira, trad.). Recuperado de http://naturezaemclose.blogspot.com.br/2012/02/os-quatro-discursos-de-jacques-lacan.html




DOI: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18iEsp.6562

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Subjetividades, Fortaleza - Ceará- Brasil – E-ISSN: 2359-0777

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia